Quinta-feira, 4 de Março 2021
9:20:00pm
Band encaminha acordo com F1 após nova desistência da Globo

Band encaminha acordo com F1 após nova desistência da Globo

Após a Globo anunciar que não houve acordo para renovar seu contrato de transmissão com a F1, a Band está próxima de assumir a exibição das corridas a partir deste ano.

O vínculo entre a emissora paulistana e Liberty Media/FOM (braços comerciais da categoria), próximo de ser fechado, deverá ter validade por dois anos. O colunista Flávio Ricco e alguns sites, como Grande Prêmio e Máquina do Esporte, já dão o acordo como certo.

“A Band afirma que, a exemplo de outras emissoras, também está mantendo contato com a Fórmula 1, mas não há nenhum contrato assinado por enquanto. As negociações estão acontecendo", disse a empresa em nota à imprensa.

A atual temporada está prevista para começar no dia 28 de março, com o GP do Bahrein, e vai até o dia 12 de dezembro, em Abu Dhabi. Ao todo, serão 23 provas neste ano, uma delas em São Paulo, em novembro.

A Globo, que transmitia a F1 desde 1972, confirma que não obteve acordo para renovação do vínculo. “A Globo manteve negociações constantes com a FOM/Liberty Media sobre a renovação dos direitos da Fórmula 1, sempre considerando a nova realidade mundial dos direitos esportivos. Infelizmente não houve acordo”, afirmou em nota.

A emissora carioca buscava uma composição desde o fim de 2019 para o acordo que vigorou de 2015 a 2020. Em agosto do ano passado, avisou as suas anunciantes (Santander, Itaipava, Nivea, Renault e Tim) que não conseguiu chegar a um acerto para a renovação do vínculo. As cotas de publicidade chegavam a R$ 500 milhões anuais.

Em novembro, porém, a Globo emitiu um novo comunicado, informando que havia retomado as conversas com a FOM/Liberty Media sobre os direitos.

No dia seguinte, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou a renovação do acordo com a F1 para realizar o GP em Interlagos pelos próximos cinco anos. O contrato tem validade de 2021 a 2025.

A emissora paulistana transmitiu a categoria pela última vez em 1980. Foi a primeira temporada completa exibida no país, e na ocasião Nelson Piquet ficou perto do título. A Globo retomou as transmissões a partir de 1981 e pôde assim exibir a primeira conquista de Piquet.

No fim do ano passado, a Band assumiu as transmissões da Stock Car, que também tinha contrato com a Globo, e anunciou a chegada de Reginaldo Leme, comentarista histórico da concorrente por quatro décadas, até o fim de 2019.

Procurada nesta sexta-feira (5), a FOM não se manifestou até a publicação deste texto.

 

As informações são da Folha de S. Paulo.

Itens relacionados (por tag)

  • Globo anuncia volta de 'No Limite' com ex-participantes do BBB

    O reality show No Limite está voltando. A informação foi anunciada nesta quinta-feira (25) pela Rede Globo, através das redes sociais. A principal novidade sobre a atração é que só farão parte dela ex-participantes do Big Brother Brasil (BBB).

    "Já que a gente ama o brasileiro e o brasileiro ama um reality... Vem aí mais uma edição de No Limite! Um programa que une resistência e ex-BBBs", escreveu a Globo pelas redes sociais.

    Diretor do núcleo que cuidará do programa, J.B. Oliveira, o Boninho, já está perguntando ao público quem deve pintar no programa. "No Limite. Qual ex-BBB você quer ver? Ainda não escolhemos ninguém!!", comentou no Twitter.

    O programa é baseado em 'Survivor', da rede americana CBS, e estreou no Brasil em 2000. Apresentado inicialmente por Zeca Camargo, a atração foi o primeiro reality show a ser produzido na televisão brasileira e venceu o prêmio de Melhor Programa de Televisão, pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), em seu ano de estreia.

    Nas edições anteriores, os participantes eram divididos em duas tribos e recebiam utensílios básicos para sobreviver durante confinamento em situações extremas, como provas de resistência física e psicológica.

    'No Limite' teve quatro edições: uma em 2000, duas em 2001 e a última, lançada em 2009. Em 2021, a especulação é que o programa será apresentado por Marcos Mion, que estava no comando do reality 'A Fazenda', da Record TV.

  • Orçamento: Bahia prevê queda de R$ 63 mi em caso de rebaixamento

    A diretoria do Bahia apresentou, durante reunião do Conselho Deliberativo, na noite da última segunda-feira (15), a previsão orçamentária para a temporada 2021. Como faltam duas partidas para o fim do Campeonato Brasileiro e o clube ainda não tem definida qual divisão vai disputar, duas propostas foram divulgadas.

    No primeiro cenário, que prevê a continuidade do tricolor na Série A do Campeonato Brasileiro, a previsão é de uma arrecadação de R$ 171 milhões. O valor é composto por R$ 149 milhões de arrecadação em 2021 mais R$ 22 milhões provenientes da temporada 2020.

    Já no segundo cenário, que envolve um possível rebaixamento para a Série B, a previsão do Bahia é de arrecadar R$ 108 milhões. Nesse caso, o número seria composto por R$ 93 milhões de receitas arrecadas na temporada 2021 e mais R$ 15 milhões remanescente de 2020.

    Permanecendo na Série A, a expectativa do Bahia é de arrecadar R$ 171 milhões em 2021
    No caso de um rebaixamento, a queda financeira do tricolor seria de aproximadamente R$ 63 milhões. Nos dois casos, o orçamento apresentado é menor do que o estipulado para a temporada passada, quando o Bahia projetou arrecadar R$ 179 milhões, um recorde na história do clube.

    Por conta da pandemia do novo coronavírus, o tricolor acabou tendo prejuízo e a meta para 2020 não foi batida. Até dezembro, o Esquadrão arrecadou cerca de R$ 137 milhões, R$ 42 milhões a menos do que foi projetado.

    Já em caso de queda à Série B, a receita bruta prevista é de R$ 108 milhões na próxima temporada

    Composição
    Para chegar aos números apresentados, o Bahia destrinchou as receitas que pode somar na próxima temporada. O grande impacto está nos direitos de transmissão de TV.

    Permanecendo na Série A, o tricolor projeta arrecadar cerca de R$ 55 milhões apenas com transmissão do Campeonato Brasileiro. Na Série B, a cifra cairia para aproximadamente 7 milhões. Uma queda de 87%.

    Nos dois casos, a conta ainda inclui R$ 25 milhões em venda de atletas, além de receitas com plano de sócios, Loja Esquadrão, avanços em competições como a Copa do Nordeste e Copa do Brasil, e outros.

    Bahia terá impacto com direitos de TV em caso de queda; clube projeta arrecadar R$ 25 milhões em venda de atletas
    Independentemente da divisão que vai disputar em 2021, o orçamento tricolor prevê alcançar pelo menos a fase semifinal da Copa do Nordeste, e a terceira fase da Copa do Brasil. O documento não leva em consideração o Campeonato Baiano. O Tricolor não entrou em acordo com a TVE, emissora que vai transmitir o estadual, e por isso não soma os R$ 850 que teria direito.

    Aliás, o Sócio Digital também é uma aposta da diretoria para 2021. Em 2020, o clube arrecadou quase R$ 300 mil com a plataforma, que teve boom em setembro, quando foi lançada. A previsão é mais que dobrar a meta e encerrar o ano com faturamento de R$ 720 mil. Atualmente, o clube conta com 6.424 assinaturas ativas.

    Bahia pretende alavancar plataforma Sócio Digital e arrecadar R$ 720 mil no setor
    Ainda sobre os sócios, a previsão é de queda no programa. Ficando na primeira divisão, o Bahia estima conseguir arrecadar cerca de R$ 25 milhões, R$ 4 milhões a menos do que conseguiu em 2020. Já se disputar a segunda divisão, o valor previsto é de R$ 20 milhões.

    Vale lembrar que o programa de sócios foi um dos mais afetados no clube por conta da pandemia do coronavírus. Depois de iniciar 2020 com cerca de 45 mil associados, o Bahia encerrou a temporada com aproximadamente 30 mil. Desses, cerca de 22 mil estão adimplentes.

    Em todos os cenários, Bahia prevê queda na arrecadação com o plano de sócios
    Além de orçar possíveis receitas, a diretoria também fez a previsão das despesas. Permanecendo na Série A, o clube prevê aumento no gasto com salários, que saltaria de R$ 73 milhões em 2020 para R$ 79 milhões em 2021. No entanto, o pagamento de direitos de imagem seria menor na comparação com o último ano: R$ 17 milhões em 2020 e R$ 16 milhões em 2021.

    No cenário que leva em consideração a queda para a Série B, as despesas com salários cairiam para R$ 48 milhões, enquanto outros R$ 5 milhões seriam destinados para o pagamento de direitos de imagem.

    O documento apresentado pelo Bahia alerta também para a necessidade de antecipação de receitas, empréstimos ou venda de ativos para cobrir défict estimado. Na previsão do orçamento, o clube não conta com a venda do Fazendão, por ser considerada uma 'receita extraordinária'. No entanto, o presidente Guilherme Bellintani afirmou que já tem uma proposta de compra do equipamento e vai apresentar ao Conselho Deliberativo.

    Após apresentada ao Conselho, a proposta orçamentária para 2021 precisa ser aprovada em Assembleia.

  • BBB21: Sarah, Nego Di e Fiuk se enfrentam no paredão

    Sarah, Nego Di e Fiuk se enfrentam em mais um paredão no BBB21. O trio foi definido em votação no programa desse domingo (14).

    Caio, o Anjo da semana, escolheu imunizar Rodolffo. Em seguida, a líder da semana, Karol Conká, indicou Sarah para a berlinda.


    No contragolpe, Sarah puxou Nego Di para a berlinda. Já Fiuk foi o mais votado pela casa.

    Veja em cada um votou:

    Lumena - Juliette;
    Pocah - Gilberto;
    Viih Tube - Fiuk;
    Nego Di - Juliette;
    Camilla de Lucas - Caio;
    Fiuk - Arthur;
    Projota - Thaís;
    Carla Diaz - Lumena;
    João Luiz - Projota;
    Arthur - Fiuk;
    Juliette - Lumena;
    Sarah - Fiuk;
    Thaís - Projota;
    Rodolffo - Fiuk;
    Gilberto - Arthur;
    Caio - Fiuk;

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.