Sexta-feira, 15th Novembro 2019
3:35:41pm

Agora que já foram concluídas as etapas formais para a criação do Consórcio do Nordeste, que visa representar os governos da região no âmbito jurídico, os membros começaram a debater os primeiros projetos. Um deles é firmar contrato com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), que exporta profissionais da área, a fim de retomar um programa nos moldes do “Mais Médicos”.

Segundo informações do blog Painel, da Folha de S. Paulo, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), disse que eles já consultaram a identidade para fazer um contrato regional.

A organização rescindiu o acordo com o Brasil, logo após a eleição do presidente Jair Bolsonaro (PSL), no ano passado. O capitão fazia duras críticas ao programa, que tinha, em sua maioria, médicos cubanos atuando no Brasil. O problema é que o governo federal não deu conta de repor os profissionais nas unidades antes assistidas pelos estrangeiros. De acordo com a publicação, o New York Times estima que 28 milhões de brasileiros ficaram sem atendimento médico.

Fonte: Bahia Notícias

Publicado em Bahia

O Ministério da Saúde retirou do ar página com dados públicos do Mais Médicos.

Nesta segunda-feira, a Agência Lupa, que realiza checagens regulares no sistema do ministério, pediu esclarecimentos à pasta sobre informações inconsistentes do programa. Então, a página da Sala de Apoio à Gestão Estratégica (Sage) foi retirada do ar.

O ministério informou que a decisão de interromper o acesso público aos dados do programa foi de área técnica, e não deu previsão de quando as informações voltarão a ser divulgadas.

A pasta alegou que os dados estavam desatualizados. As últimas informações estavam atualizadas com dados relativos à véspera.

Fonte: Revista Época

Publicado em Saúde

Ad2