Quinta-feira, 21st Março 2019
7:41:08am
Ingressos para show de Sandy e Junior em Salvador começam a ser vendidos no dia 20 de março

Ingressos para show de Sandy e Junior em Salvador começam a ser vendidos no dia 20 de março

Os ingressos de pré-venda para o show de Sandy e Junior em Salvador, que integra a turnê em para celebrar os 30 anos de carreira dos dois, serão vendidos nos dias 20 e 21 de março a partir das 10h pela internet e na bilheteria oficial, que fica no Shopping Paralela. A apresentação será realizado na Arena Fonte Nova, no dia 13 de julho. Os ingressos custam entre R$ 70 e R$ 340.

A pré-venda é exclusiva para clientes com cartão Elo. As vendas para o público em geral começam no dia 22 de março, a partir da 00h01 pela internet e 10h no Shopping Paralela.

Nesta quarta-feira (13), a dupla reuniu a imprensa e anunciou a turnê pelo Brasil. Os shows serão ao longo do segundo semestre de 2019. As datas e cidades anunciadas são:

Recife - 12 de julho
Salvador - 13 de julho
Fortaleza - 19 de julho
Brasília - 20 de julho
Rio de Janeiro - 3 de agosto
Belo Horizonte - 17 de agosto
São Paulo - 24 de agosto
Curitiba - 31 de agosto
Manaus - 13 de setembro
Belém - 14 de setembro
Junior explicou que será uma turnê pontual de celebração. Ele afirmou que não vai ter música das carreiras solo. O repertório será da dupla Sandy e Junior. "Não pretendemos gravar nenhuma música nova. Só revisitar o repertório antigo. A ideia é incluir todos os clássicos", ele disse.

Com a família presente, Junior explicou que Xororó foi o responsável pela decisão do encontro: "Ele que botou pilha. É o grande culpado de tudo isso".

Sandy disse: "O público estava sedento por isso há muito tempo, mas pela primeira vez nos sentimos prontos para viver isso". Depois, ela acrescentou: "Deu vontade de a gente se divertir".

Trajetória
A primeira aparição de Sandy e Junior aconteceu em 1989 cantando “Maria Chiquinha” em um programa de TV. Nos anos seguintes, os filhos do cantor sertanejo Xororó ainda emplacaram muitos outros sucessos, como "Dig-Dig-Joy", "Era uma vez", "A lenda", "imortal" e "As quatro estações".

Em 2007, Sandy e Junior anunciaram a separação, mas deixaram para os fãs um DVD acústico com participações de Ivete Sangalo, Lulu Santos e Marcelo Camelo.

Com o término do trabalho como dupla, Sandy se dedicou a sua carreira solo. O mais recente projeto, “Nós, voz, eles”, mostra a cantora sentadinha, cantando ao lado de diversos artistas como Maria Gadú, Anavitória, Melim, Iza, Thiaguinho, além do marido, Lucas Lima, e do pai Xororó.

Já Junior se dedicou a inúmeros projetos. O artista realizou exposição fotográfica, mostrou talento como youtuber na apresentação do programa “Pipocando Música” e rodou o país com o projeto de música eletrônica Manimal.

Confira os preços dos ingressos:
CADEIRA CENTRAL (TURU TURU) - R$ 140,00 e R$ 280,00

FRONTSTAGE (EU ACHO QUE PIREI) - 1º LOTE - R$ 150,00 e R$ 300,00

FRONTSTAGE (EU ACHO QUE PIREI) - 2º LOTE - R$ 160,00 e R$ 320,00

FRONTSTAGE (EU ACHO QUE PIREI) - 3º LOTE - R$ 170,00 e R$ 340,00

CADEIRA LATERAL (AS QUATRO ESTAÇÕES) - 1º LOTE R$ 100,00 e R$ 200,00

CADEIRA LATERAL (AS QUATRO ESTAÇÕES) - 2º LOTE - R$ 110,00 e R$ 220,00

CADEIRA LATERAL (AS QUATRO ESTAÇÕES) - 3º LOTE - R$ 120,00 e R$ 240,00

CADEIRA SUPERIOR (A LENDA) - 1º LOTE - R$ 70,00 e R$ 140,00

CADEIRA SUPERIOR (A LENDA) - 2º LOTE - R$ 80,00 e R$ 160,00

CADEIRA SUPERIOR (A LENDA) - 3º LOTE - R$ 90,00 e R$ 180,00

Serviço
Sandy e Junior: "Nossa história"

Data: ​13 de julho de 2019 (Sábado)

Horário do show: 20h30

Local: Arena Fonte Nova

Endereço: Ladeira da Fonte das Pedras, s/n - Nazaré, Salvador - BA

Ingressos: a partir de R$70,00 (ver tabela completa)

Classificação etária: 15 anos. Menores de 06 a 14 anos, apenas acompanhados dos pais ou responsáveis legais.*

Capacidade: 15.868 pessoas

Itens relacionados (por tag)

  • Adolescente é apreendido suspeito de matar jovem de 14 anos na BA; irmã seria o alvo

    Um adolescente foi apreendido nesta terça-feira (19) por suspeita de envolvimento na morte de uma garota de 14 anos na cidade de Vitória da Conquista, na região sudoeste da Bahia. O crime ocorreu no domingo (17).

    A vítima foi Helen Gonçalves Ferreira. Ela foi morta a tiros na frente da casa onde morava, na Rua Circular 5, no bairro Miro Cairo. Conforme a polícia, no entanto, a irmã dela seria o alvo.

    O adolescente apreendido, que não teve idade divulgada, teria agido a mando de um traficante da região, conhecido como "Amendoim".

    De acordo com a polícia, "Amendoim" teria mandado matar a irmã de Helen por conta de dívidas com drogas.

    O adolescente apreendido, segundo a investigação, passou em frente à casa da vítima no dia do crime, viu que o alvo estava na residência e, depois, retornou usando uma máscara de palhaço.

    Na segunda vez que voltou ao imóvel, no entanto, a irmã de Helen não foi mais encontrada e, então, o suspeito atirou na adolescente.

    A polícia informou que, após a apreensão do suspeito, familiares da jovem morta foram até a delegacia da cidade e o reconheceram como sendo autor dos disparos.

    A polícia informou que o adolescente já tem passagens por tráfico, roubo e homicídio. O teor do depoimento do suspeito não foi divulgado pela polícia. O caso segue sob investigação.

    Fonte: G1/Bahia

  • Suspeito morre após troca de tiros com a polícia na Santa Cruz, em Salvador, e ônibus param novamente de circular pelo bairro

    Um suspeito morreu após uma troca de tiros com a polícia no bairro da Santa Cruz, em Salvador, nesta terça-feira (19). Por conta da situação, os ônibus do transporte urbano de Salvador pararam novamente de circular pelo bairro no final da tarde, segundo informou o Sindicato dos Rodoviários.

    Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), o suspeito morto foi Jessé Pinto da Silva, de 22 anos. Um adolescente de 14 anos, que segundo a polícia seria comparsa dele, foi baleado na mesma ocorrência, mas sobreviveu.

    O órgão disse que policiais militares patrulhavam na Rua São Jerônimo, quando aproximadamente oito homens foram avistados com armas. Conforme a SSP, os PMs se aproximaram e, ao anunciarem voz de prisão, os suspeitos reagiram atirando. No confronto, Jessé e o adolescente foram feridos.

    A SSP diz que eles foram socorridos e encaminhados para o Hospital Geral do Estado (HGE), mas Jessé não resistiu. Já o adolescente, atingido na perna, foi atendido e, conforme a polícia, assim que liberado será apresentado na Delegacia para o Adolescente Infrantor (DAI). Os demais suspeitos fugiram.

    A polícia disse ter encontrado com os suspeitos uma pistola calibre 40, carregador, munições, 72 pedras de crack, três porções de cocaína, R$ 59 e um celular.

    Ônibus

    Os coletivos tinham voltado a circular no bairro da Santa Cruz na manhã desta terça-feira, após ficarem sem rodar no local na noite de segunda-feira (18), após um investigador da Polícia Civil ser baleado de raspão na cabeça no bairro do Nordeste de Amaralina.

    No entanto, o sindicato informou que, após a troca de tiros envolvendo polociais e suspeitos, na tarde desta terça, os ônibus pararam de rodar no local novamente porque cobradores e motoristas estão se sentindo inseguros. Com isso, os coletivos só estão indo até o Parque da Cidade, onde foi montado um fim de linha improvisado. Os passageiros que precisam ir para a Santa Cruz tem que continuar o percurso a pé.

    "Ficamos sabendo que hoje teve troca de tiros na região, com pessoas baleadas, e suspendemos novamente a circulação de veículos no local por precaução", disse Fábio Primo, vice-presidente do sindicato, em contato com o G1.

    Primo disse que os rodoviários vão se reunir na manhã desta quarta-feira (20) para avaliar a situação e decidir quando voltam novamente a entrar no bairro. "Vamos avaliar o caso e retornar somente quando tivermos a sensação de plena segurança", destacou.

    Policial baleado
    O policial baleado no Nordeste de Amaralina, na segunda, é um investigador da Polícia Civil. Ele foi atingido de raspão na cabeça quando estava na região investigando um roubo contra uma empresa gráfica, ocorrido no começo de fevereiro. Conforme a Polícia Civil, ninguém foi preso.

    De acordo com informações da polícia, o investigador baleado, que não teve a identidade revelada, é lotado na delegacia de Brotas.

    Ele foi socorrido e levado para o Hospital Geral do Estado (HGE). A Polícia Civil informou que o investigador foi atendido na unidade médica e está fora de perigo.

  • Operação da PF apura fraudes e desvio de dinheiro em unidades municipais de saúde em Salvador

    A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (20), em conjunto com a Controladoria Geral da União (CGU), uma operação para desarticular fraudes relacionadas a contratação de instituto de saúde para gestão de unidades de Pronto Atendimento (UPA) e Multicentros de Salvador, todas vinculadas à Secretaria Municipal da Saúde do Município (SMS).

    Segundo a PF, superfaturamentos e pagamentos feitos em razões de contratações fictícias totalizam R$ 10 milhões.

    Em nota, a prefeitura de Salvador informou que, ao longo dos últimos anos, a Secretaria Municipal de Saúde vem prestando sempre com brevidade todas as informações solicitadas pelos órgãos de controle e que tem colaborado com a apuração dos fatos.

    A nota da administração municipal destaca que, "em cumprimento às recomendações feitas, a secretaria vem executando glosas, cobrança de ressarcimento ao erário e abertura de processo administrativo para penalização. Também encontra-se em curso processo de chamamento público para a seleção de novas organizações sociais para gerir os serviços".

    Com relação à operação Kepler, a prefeitura disse que, mesmo que ainda não tenha tido acesso aos autos da investigação, o corpo técnico da secretaria prestou todas as informações e forneceu todos os documentos solicitados, estando à disposição para prestar qualquer esclarecimento complementar caso seja necessário.

    De acordo com a PF, as investigações apontam um esquema criminoso de fraude a licitação, superfaturamento, desvio de recursos públicos, peculato e lavagem de ativos na contratação do instituto de saúde.

    A Operação Kepler conta com 50 policiais federais, com apoio de 16 auditores da CGU. Eles cumprem 10 mandados de busca e apreensão em endereços vinculados aos suspeitos de envolvimento no esquema, entre eles órgãos públicos, empresas e residências. Os locais não foram especificados pela polícia.

    De acordo com a PF, as investigações apontam que foram identificados pagamentos de contratações fictícias que ultrapassam R$ 2 milhões, além da existência de superfaturamento de cerca de R$ 8 milhões, com potencial de desvio ainda maior, já que que os contratos continuam em vigência e em execução.

    Os mandados foram expedidos pelo Juízo da 17ª Vara Criminal Especializada da Seção Judiciária do Estado da Bahia, com objetivo de localizar e apreender elementos de provas complementares dos desvios na contratação pública investigada, participação de servidores públicos, pagamento de propinas e lavagem de dinheiro.

    Além de elementos de cunho probatório, a Justiça Federal determinou a apreensão de bens de valor e veículos, como forma de acautelar a reparação do prejuízo aos cofres públicos.

    Conforme apurado durante as investigações, as licitações eram direcionadas para benefício de um instituto contratado, que terceirizava, através de contratos superpostos e genéricos, parcelas do serviço a empresas recém constituídas e vinculadas ao próprio instituto, tudo como mecanismo de retornar os valores das subcontratações em benefício de seus representantes e para suposto pagamento de propina a servidores vinculados à SMS.

    O nome da operação faz referência ao astrônomo e astrólogo alemão, Johannes Kepler, tido como sucessor de Nicolau Copérnico, uma vez que essa operação é um desdobramento da Operação "Copérnico", deflagrada pela Polícia Federal no ano de 2016, quando foi desarticulada uma organização criminosa envolvendo servidores públicos e prefeitos de diversos municípios da Bahia, suspeito de envolvimento em esquema semelhante ao da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador.

    A operação Copérnico, há cerca de três ano, contou ainda com uma segunda fase, onde o alvo da ação foi o líder do Instituto Médico Cardiológico da Bahia (IMCB).

    Fonte: G1/ Bahia

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.