Sexta-feira, 19th Julho 2019
2:29:11pm
Cidade de Nazaré vive surto de doença que provoca bolhas em crianças

Cidade de Nazaré vive surto de doença que provoca bolhas em crianças

A Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) investiga um surto da doença conhecida como mão-pé-boca no município de Nazaré, Recôncavo baiano, onde pelo menos 16 crianças foram infectadas. Todas são alunas de uma creche e já foram afastadas das atividades.

Em Salvador, ao menos 30 casos estão sendo investigados. O número pode variar, já que a doença não tem notificação compulsória.

“É um vírus altamente contagioso, mas não é grave, pois regride espontaneamente. A doença pode acometer os adultos, algo muito raro, mas é normalmente durante a infância, com mais frequência entre os 6 meses e os 3 anos de idade. Não existe vacina. O médico faz uma intervenção de acordo com a sintomatologia”, explica Audacira Teles, coordenadora do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs), unidade da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Sesab.

A doença tem sinais característicos: inicia-se com febre alta que é sucedida (cerca de dois ou três dias depois) por pequenas vesículas (espécie de bolhas) com líquido que surgem nas mãos, pés e boca – daí o nome. As bolhas vão se rompendo à medida que a doença evolui.

A transmissão ocorre por via oral/fecal, através do contato direto com secreções (por tosse ou espirro) e com objetos como chupetas, brinquedos ou fezes de crianças infectadas.

Por conta da via de contágio oral, tempos frios são mais propícios para a ocorrência de surtos da doença, já que as crianças costumam ficar mais tempo aglomeradas em um mesmo ambiente.

Segundo Audacira Teles, todas as providências em relação às 16 crianças de Nazaré já foram adotadas. “Elas foram afastadas do convívio com outras crianças de cinco a sete dias, tempo de duração da doença”, afirmou.

Na última sexta-feira (6), Miguel Lago Lemos Santos, de 1 ano e 3 meses, começou a sentir febre. “Achei que era por conta de uma vacina que ele tomou no dia anterior. No domingo, além da febre de 38 °C, ele apresentava uns caroços na boca, braços e pernas”, conta o pai de Miguel, o jornalista Davi Lemos.

Miguel foi atendido no Hospital Santa Izabel, em Salvador. “Chegando lá, os médicos que o atenderam disseram que se trata de uma epidemia da síndrome mão-pé-boca, causada por um vírus. Ainda segundo a equipe do Santa Izabel, somente anteontem (segunda) foram mais de 30 casos lá. E muita gente está tratando dessa doença como se fosse catapora. Tem a febre, aparecem as bolhas que coçam bastante, mas não é catapora”, disse Davi.

A coordenadora do Cievs, Audacira Teles, disse que, até o momento, a Sesab não foi informada da situação pelo hospital. “Tomamos conhecimento através da imprensa e determinamos que o Ciev de Salvador faça uma investigação”, declarou Audacira.

Município
A coordenadora da Vigilância Epidemiológica do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Ciev), da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Cristiane Cardoso, informou que a SMS também não foi informada dos possíveis casos da doença atendidos no Santa Izabel.

“Como não é uma doença de notificação compulsória, ou seja, não está na lista no Ministério da Saúde de comunicação imediata, para que faça parte do sistema de notificação e se possa encadear medidas de vigilância e controle, como a dengue, a gente não tem facilidade para saber dos casos”, explicou.

No entanto, Cristiane faz um alerta. “Já observamos alguns casos no Subúrbio Ferroviário e no distrito de Brotas”, afirmou.

Saiba mais sobre a síndrome
Segundo o médico Roberto Sapolnik, coordenador da pediatria do Hospital São Rafael/Rede D’or, a doença mão-pé-boca é comum. “E quando acontece é em surto ou epidemia, porque a transmissão é muito rápida de uma pessoa para outra, pelas vias respiratórias ou pelo contato direto das mãos, inicialmente com febre e dor de garganta, dificuldade para engolir, porque forma pequenas aftas na faringe e no céu da boca, que se espalham por toda mucosa e posteriormente por pequenas pintas e feridas nas mãos, pés e, às vezes, outras partes do corpo, como coxas, glúteos e troncos”, contou Sapolnik.

Como o quadro não é grave, o tratamento é à base de analgésico simples ou anti-inflamatório. “Pode causar muito incômodo, principalmente por conta da deglutição dolorosa. Às crianças devem ser ofertados alimentos de fácil deglutição, como pudins, purês, sucos, papinhas, de característica neutra, nem muito quente, nem muito frio, nem condimentado. Pode-se usar anestésicos tópicos na cavidade oral em forma de spray antes da alimentação e, como as feridas podem causar coceira durante a cicatrização, pode se utilizar também antialérgico”, declarou Sapolnik.

Quanto à contaminação, o coordenador da pediatria do Hospital São Rafael/Rede D’or disse que ocorre até que as feridas estejam cicatrizadas, ao redor de sete a dez dias, “período em que as crianças devem ser afastadas das atividades escolares”. A doença pode também ser transmitida para os adultos da mesma forma.

Ainda de acordo com ele, os pais devem ficar atentos aos seguintes sinais: desidratação (diminuição do xixi), fraqueza ou sinais de infecção por bactérias das feridas (secreção com pus e vermelhidão intensa e inchaço). “Aos primeiros sintomas deve-se procurar atendimento médico para que as orientações sejam adequadas, evitando-se uso de substâncias pouco efetivas e que podem aumentar o desconforto das crianças”, disse.

Fonte: Correio24horas

Itens relacionados (por tag)

  • Nº de mortes violentas na BA cai 16,28% nos 4 primeiros meses de 2019, aponta Monitor da Violência

    A Bahia registrou uma queda de 16,28% no número de mortes violentas nos primeiros quatro meses de 2019 em comparação ao mesmo período de 2018, conforme aponta dados divulgados nesta quarta-feira (12) pelo Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

    De janeiro a abril deste ano, a Bahia contabilizou 1.697 mortes violentas, que incluem homicídios dolosos, latrocínios (roubos seguidos de mortes) e lesões corporais seguidas de morte. No mesmo período do ano passado, foram 2.027 mortes violentas, 330 a mais que este ano.

    Se levar em conta somente o mês de abril de 2019, na comparação com o mesmo mês em 2018, a redução foi de 29 mortes violentas.

    Em todo o Brasil, o Monitor da Violência apontou que houve queda de 23% nas mortes violentas nos primeiros quatro meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018.

    Somente em abril, houve 3.636 assassinatos, contra 4.541 no mesmo mês do ano passado. Já no 1º quadrimestre, foram 14.374 mortes violentas — 4,3 mil a menos que o registrado nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril de 2018.

    O número de assassinatos, porém, continua alto. Nos primeiros quatro meses de 2019, uma pessoa foi assassinada a cada 12 minutos no país.

    Os dados nacionais apontam que:

    - Houve 4.314 mortes a menos no 1º quadrimestre de 2019
    - Todos os estados do país apresentaram redução de assassinatos no período
    - Em abril, apenas quatro estados tiveram um número maior de mortes em relação ao mesmo mês de 2018: Amapá, Paraná, Piauí e Tocantins
    - Quatro estados tiveram quedas superiores a 30% em quatro meses: Ceará, Amapá, Sergipe e Rio Grande do Norte
    - Em números absolutos, o estado com a maior redução foi o Ceará, com 845 vítimas a menos no período

    Como o levantamento é feito
    A ferramenta criada pelo G1 permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

    Jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitam os dados, via assessoria de imprensa e via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

    Em março, o governo federal anunciou a criação de um sistema similar. Os dados, no entanto, não estão atualizados como os da ferramenta do G1. O último mês disponível é janeiro de 2019 (e não há números de todos os estados).

    Os dados coletados mês a mês pelo G1 não incluem as mortes em decorrência de intervenção policial. Isso porque há uma dificuldade maior em obter esses dados em tempo real e de forma sistemática com os governos estaduais. O balanço de 2018 foi publicado pelo Monitor da Violência separadamente, em abril.

  • Estado vai investir em novo polo mineral no Vale do Paramirim

    A Província Mineral do Vale do Paramirim, formada por oito distritos mineiros, e com cerca de 2 bilhões de toneladas de minérios diversos como Ferro, Zinco, Cobre, Grafeno, Terras Raras e Fosfato, pode transformar a Bahia em uma potência exportadora internacional. A descoberta vem sendo tratada pelos profissionais da área como uma das maiores descobertas do século XXI. O projeto, da Companhia Vale do Paramirim, agrega mais de 32 municípios baianos e foi apresentado na segunda (10) na Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), órgão ligado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE).

    De olho na oportunidade de negócios, a SDE quer atrair investidores para o projeto. “Além de ser um excelente gerador de empregos e renda, a mineração é uma porta para a interiorização do desenvolvimento”, afirma João Leão, vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico. “A Bahia vai ter uma nova era de desenvolvimento, como ocorreu no passado com o Polo Petroquímico de Camaçari. Desta vez, com projetos como a ponte Salvador-Itaparica, a Fiol e esses novos projetos de mineração capitaneados pela CBPM”, projeta Leão.

    No Brasil, a Bahia é o quarto produtor mineral, atrás apenas de Minas Gerais, Pará e Goiás. O estado está em primeiro lugar na produção de bens minerais do Nordeste. Nos últimos anos, o setor de Mineração recebeu investimentos de R$ 433 milhões e deve ampliar essa margem para R$ 700 milhões, com previsão de chegar a 15 mil empregos diretos, frutos dos novos protocolos de intenções assinados com a SDE.

    De acordo com estudos da Vale do Paramirim, a nova Província Mineral terá como principais municípios Caetité, Ibipitanga, Paramirim, Licínio de Almeida, Boquira e Macaúbas. Sobre a exploração, a previsão é que ela comece até 2022.

    “O setor mineral exige conhecimento geológico, certificação e viabilidade de reservas para criar confiança no investidor. Então, quanto mais trabalharmos com detalhes de dados, mais o mercado investidor ficará interessado. Não tem incentivo maior do que mostrar a viabilidade do empreendimento. Acredito ser um passo fundamental que o Estado da Bahia pode fazer, através da CBPM, na busca pela atração de investimentos nesses projetos”, afirma Tasso Mendonça Júnior, diretor da Agência Nacional de Mineração (ANM).

    Já o diretor-presidente da CBPM, Antônio Carlos Tramm, defende que a descoberta dessa nova província fortalece e ratifica a continuidade e finalização da Fiol e do Porto Sul: “Não se pode pensar em ter uma indústria mineral, como a de extração de ferro, sem contar com transporte ferroviário e porto para exportação”.


    Fonte:
    Ascom/SDE

  • Rui e governadores do NE defendem diálogo para rever reforma com inclusão dos estados

    Com a ameaça de ter seus estados excluídos do projeto de reforma da Previdência do governo federal, o governador Rui Costa (PT) e os oito demais governadores do Nordeste assinaram uma carta para defender a necessidade de manutenção da abrangência do projeto. Para eles, a exclusão representa um sinal de "abandono".

    "A retirada dos estados da reforma e tratamentos diferenciados para outras categorias profissionais representam o abandono da questão previdenciária à própria sorte, como se o problema não fosse de todo o Brasil e de todos os brasileiros. No entanto, há consenso em outros tópicos, e acreditamos na intenção, amplamente compartilhada, de se encontrar o melhor caminho", dizem no texto.

    Com o título "Há um só Brasil que é de todos os brasileiros", os gestores avaliam a "turbulência política e econômica" enfrentada pelas unidades federativas, citando como exemplo a queda do Produto Interno Bruto (PIB) já no primeiro trimestre deste ano.

    Dessa forma, os gestores reforçam a continuidade do diálogo para sanar os pontos ainda divergentes, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e a aposentadoria dos trabalhadores rurais.

    "Também são pontos controversos na reforma ora em pauta a desconstitucionalização da previdência, que acarretará em muitas incertezas para o trabalhador, e o sistema de capitalização, cuja experiência em outros países não é exitosa. Além de outras alterações que, ao contrário de sanear o déficit previdenciário, aumentam as despesas futuras não previstas atuarialmente", pontuam.

    A carta é uma declaração alternativa ao texto assinado pelos demais governadores do país, também na quinta. O grupo majoritário demonstra apoio à proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, a fim de garantir que seus estados não sejam excluídos da matéria.

    Fonte: Bahia Notícias

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Ad2