Domingo, 5th Abril 2020
10:55:09pm
Nº de mortes violentas na BA cai 16,28% nos 4 primeiros meses de 2019, aponta Monitor da Violência

Nº de mortes violentas na BA cai 16,28% nos 4 primeiros meses de 2019, aponta Monitor da Violência

A Bahia registrou uma queda de 16,28% no número de mortes violentas nos primeiros quatro meses de 2019 em comparação ao mesmo período de 2018, conforme aponta dados divulgados nesta quarta-feira (12) pelo Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

De janeiro a abril deste ano, a Bahia contabilizou 1.697 mortes violentas, que incluem homicídios dolosos, latrocínios (roubos seguidos de mortes) e lesões corporais seguidas de morte. No mesmo período do ano passado, foram 2.027 mortes violentas, 330 a mais que este ano.

Se levar em conta somente o mês de abril de 2019, na comparação com o mesmo mês em 2018, a redução foi de 29 mortes violentas.

Em todo o Brasil, o Monitor da Violência apontou que houve queda de 23% nas mortes violentas nos primeiros quatro meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018.

Somente em abril, houve 3.636 assassinatos, contra 4.541 no mesmo mês do ano passado. Já no 1º quadrimestre, foram 14.374 mortes violentas — 4,3 mil a menos que o registrado nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril de 2018.

O número de assassinatos, porém, continua alto. Nos primeiros quatro meses de 2019, uma pessoa foi assassinada a cada 12 minutos no país.

Os dados nacionais apontam que:

- Houve 4.314 mortes a menos no 1º quadrimestre de 2019
- Todos os estados do país apresentaram redução de assassinatos no período
- Em abril, apenas quatro estados tiveram um número maior de mortes em relação ao mesmo mês de 2018: Amapá, Paraná, Piauí e Tocantins
- Quatro estados tiveram quedas superiores a 30% em quatro meses: Ceará, Amapá, Sergipe e Rio Grande do Norte
- Em números absolutos, o estado com a maior redução foi o Ceará, com 845 vítimas a menos no período

Como o levantamento é feito
A ferramenta criada pelo G1 permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

Jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitam os dados, via assessoria de imprensa e via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Em março, o governo federal anunciou a criação de um sistema similar. Os dados, no entanto, não estão atualizados como os da ferramenta do G1. O último mês disponível é janeiro de 2019 (e não há números de todos os estados).

Os dados coletados mês a mês pelo G1 não incluem as mortes em decorrência de intervenção policial. Isso porque há uma dificuldade maior em obter esses dados em tempo real e de forma sistemática com os governos estaduais. O balanço de 2018 foi publicado pelo Monitor da Violência separadamente, em abril.

Itens relacionados (por tag)

  • Secretaria de Saúde confirma mais dois casos de coronavírus em Salvador; n° na Bahia sobe para 16

    A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) confirmou mais dois casos de contaminação por coronavírus em Salvador, na noite desta terça-feira (17). Com isso, o número total de registros no estado subiu para 16. O resultado foi confirmando por meio de testes.

    De acordo com a Sesab, os pacientes são dois homens, com 50 e 60 anos, que estão internados em um hospital particular da capital baiana, sem previsão de alta. Não há informações sobre a forma que foram contagiados.

    Dos casos registrados na Bahia, até esta terça, sete foram em Salvador, outros cinco foram na cidade de Feira de Santana, três foram registrados em Porto Seguro e um em Prado. A primeira paciente infectada no estado foi liberada de isolamento domiciliar, na sexta-feira (13). Ela passou por um novo exame do coronavírus, e o resultado deu negativo para o vírus.

    Casos confirmados
    Até terça-feira (17), os casos confirmados na Bahia são:

    - Mulher de 34 anos, de Feira de Santana, contaminada após retornar da Itália, com passagens por Milão e Roma, em 25 de fevereiro;
    - Mulher de 42 anos, de Feira de Santana, trabalhadora doméstica que teve contato com a mulher de 34 anos;
    - Idosa de 68 anos, de Feira de Santana, mãe da mulher de 42, que teve contato domiciliar com a 2ª paciente;
    - Idoso de 73 anos, também de Feira de Santana, marido da mãe da trabalhadora doméstica, que teve contato domiciliar com as 2ª e 3ª pacientes;
    - Mulher de 52 anos, de Salvador, que fez viagem recente à Espanha;
    - Criança de 11 anos, de Salvador, filha da mulher de 52 anos, que também fez viagem recente à Espanha;
    - Idoso de 72 anos, de Salvador, que fez viagem recente para a Itália;
    - Homem de 49 anos, de Salvador, que fez viagem recente à Alemanha e Espanha;
    - Mulher de 50 anos, de Feira de Santana, que fez viagem recente aos Estados Unidos;
    - Homem de 43 anos, de Porto Seguro, que foi contaminado durante festa em Itacaré;
    - Mulher de 35 anos, de Porto Seguro, que teve passagem pelos Estados Unidos Da América;
    - Mulher, de 42 anos, de Porto Seguro, que teve contato com um paciente contaminado, que estava na festa de casamento da irmã de Gabriela Pugliesi, em Itacaré;
    - Homem de 42 anos, de Prado, que teve passagem por Milão e Londres;
    - Idoso de 72 anos, de Salvador, com histórico recente de viagem para São Paulo;
    - Homem de 50 anos, de Salvador, internado em hospital particular;
    - Idoso de 60 anos, de Salvador, internado em hospital particular.

    Notificações
    A Bahia registrou 671 casos suspeitos de Covid-19 (coronavírus), de janeiro até as 17h desta terça, quando o último boletim da Sesab foi divulgado.

    Desse total, 16 foram confirmados, 252 foram descartados e 403 aguardam análise laboratorial. O diagnóstico positivo para o novo coronavírus pode cursar com grau leve, moderado ou grave.

    A depender da situação clínica, pode ser atendido em unidades primárias de atenção básica, unidades secundárias ou precisar de internação. Mesmo definindo unidades de referência, não significa que ele só pode ser atendido em hospital.

    Os casos graves devem ser encaminhados a um hospital de referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.

    Fonte: G1/Bahia

  • Casamento de irmã de Pugliesi na Bahia teve convidados com coronavírus

    Convidados que estiveram no casamento da influenciadora digital Marcella Minelli, irmã da blogueira fitness Gabriela Pugliesi, com Marcelo Bezerra, em Itacaré, no Sul da Bahia, neste sábado (7), estão preocupados com a possibilidade de terem sido infectados com o novo coronavírus. De acordo com o Estadão Conteúdo, há pelo menos dois casos confirmados da doença e a suspeita de, no mínimo, dez infectados.

    Em nota, o Grupo Txai Resorts, onde ocorreu o casamento, afirmou que um de seus hóspedes, convidado do evento, foi diagnosticado nesta quarta (11) com coronavírus. "Trata-se de um paulistano, de 26 anos, que esteve em viagem a Aspen (Colorado – EUA) no feriado do Carnaval e que se hospedou no Txai entre os dias 6 e 8 de março", diz nota do grupo.

    Alguns dos presentes na cerimônia já foram nesta quarta (11) realizar exames em hospitais para o diagnóstico do vírus, chamado covid-19. Entre eles, a blogueira fitness Gabriela Pugliesi, irmã de Marcella. Ela postou em seu Instagram uma foto de um termômetro marcando 38,8ºC e uma filmagem falando que foi fazer exames para diagnosticar gripes e coronavírus. Mais tarde, Gabriela apagou este último trecho.

    casamento-da-irma-de-gabriela-pugliesi-teve-convidado-com-coronavirus-1225523

    O marido de Gabriela, Erasmo Viana, publicou vídeo em uma rede social informando que na cerimônia "tivemos duas pessoas confirmadas".

    "Não se fala em outra coisa. Esse negócio do coronavírus é full time. No casamento da Mazinha nesse final de semana tivemos duas pessoas confirmadas. Isso dá uma assustadinha", diz ele.

    "Assustado entre aspas. Ninguém gosta de ficar doente, mas a gente sabe que isso não é uma coisa tão grave assim para pessoas que não são idosas. Mas é isso, né? Vamos nos proteger e seguir as recomendações", completa o baiano.

    O hotel afirma que nenhum dos colaboradores do local apresenta qualquer sintoma, "mas nosso posto interno de enfermagem está capacitado para detectar e tomar as medidas necessárias, na hipótese de casos suspeitos".

    O Estadão conversou com um dos presentes à festa. Sob a condição de anonimato, a fonte relatou nos últimos dias que teve febre e dores pelo corpo. Depois disso, ela procurou um hospital e, para confirmar a doença, passou por três diferentes exames nessa terça-feira, 10, para a coleta de secreção nasal. Pela grande demanda de casos, o resultado só sairá dentro de três dias e será enviado por e-mail.

    "Sinto como se fosse uma gripe normal, com febre de 38ºC e dores pelo corpo. Estou repousando em casa mesmo, mas com muita tranquilidade", disse um dos convidados. O casamento reuniu cerca de 500 pessoas. Fora a celebração, no sábado, os presentes à festa se reuniram também na noite de sexta-feira, 6. Boa parte dos presentes voltou para São Paulo em um mesmo voo, que saiu de Ilhéus no domingo.

    O convidado que conversou com a reportagem disse saber de pelo menos quatro casos confirmados da doença. Entre os presentes na festa de casamento, há relatos até de 14 infectados. A suspeita é que a origem da nova contaminação na Bahia é de um convidado que anteriormente havia viajado para Aspen, nos Estados Unidos.

    O convidado contou ao Estado que recebeu orientações médicas para não sair de casa. "Vou trabalhar de casa e evitar contato com as outras pessoas. Vou até dormir em um quarto separado. Estou usando máscara e álcool em gel. Se mais alguém que mora comigo tiver sintomas, vai ter de procurar ajuda médica", afirmou.

    A orientação médica passada ao convidado do casamento foi que, em caso de contaminação por coronavírus, é preciso permanecer em casa por 14 dias. A internação só será necessária caso a pessoa apresente complicações, como falta de ar. A fonte consultada pelo Estado disse que não possui outros fatores de risco, como hipertensão e diabete, e tem menos de 60 anos. O Estado não conseguiu contato com a assessoria de imprensa da noiva.

    A Organização Muncial da Saúde (OMS) deicidiu nesta quarta declarar que há uma pandemia do novo coronavírus em curso no mundo, com a sua disseminação por mais de cem países.

     

  • Estado vai investir em novo polo mineral no Vale do Paramirim

    A Província Mineral do Vale do Paramirim, formada por oito distritos mineiros, e com cerca de 2 bilhões de toneladas de minérios diversos como Ferro, Zinco, Cobre, Grafeno, Terras Raras e Fosfato, pode transformar a Bahia em uma potência exportadora internacional. A descoberta vem sendo tratada pelos profissionais da área como uma das maiores descobertas do século XXI. O projeto, da Companhia Vale do Paramirim, agrega mais de 32 municípios baianos e foi apresentado na segunda (10) na Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), órgão ligado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE).

    De olho na oportunidade de negócios, a SDE quer atrair investidores para o projeto. “Além de ser um excelente gerador de empregos e renda, a mineração é uma porta para a interiorização do desenvolvimento”, afirma João Leão, vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico. “A Bahia vai ter uma nova era de desenvolvimento, como ocorreu no passado com o Polo Petroquímico de Camaçari. Desta vez, com projetos como a ponte Salvador-Itaparica, a Fiol e esses novos projetos de mineração capitaneados pela CBPM”, projeta Leão.

    No Brasil, a Bahia é o quarto produtor mineral, atrás apenas de Minas Gerais, Pará e Goiás. O estado está em primeiro lugar na produção de bens minerais do Nordeste. Nos últimos anos, o setor de Mineração recebeu investimentos de R$ 433 milhões e deve ampliar essa margem para R$ 700 milhões, com previsão de chegar a 15 mil empregos diretos, frutos dos novos protocolos de intenções assinados com a SDE.

    De acordo com estudos da Vale do Paramirim, a nova Província Mineral terá como principais municípios Caetité, Ibipitanga, Paramirim, Licínio de Almeida, Boquira e Macaúbas. Sobre a exploração, a previsão é que ela comece até 2022.

    “O setor mineral exige conhecimento geológico, certificação e viabilidade de reservas para criar confiança no investidor. Então, quanto mais trabalharmos com detalhes de dados, mais o mercado investidor ficará interessado. Não tem incentivo maior do que mostrar a viabilidade do empreendimento. Acredito ser um passo fundamental que o Estado da Bahia pode fazer, através da CBPM, na busca pela atração de investimentos nesses projetos”, afirma Tasso Mendonça Júnior, diretor da Agência Nacional de Mineração (ANM).

    Já o diretor-presidente da CBPM, Antônio Carlos Tramm, defende que a descoberta dessa nova província fortalece e ratifica a continuidade e finalização da Fiol e do Porto Sul: “Não se pode pensar em ter uma indústria mineral, como a de extração de ferro, sem contar com transporte ferroviário e porto para exportação”.


    Fonte:
    Ascom/SDE

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.