Quarta-feira, 21 de Outubro 2020
7:25:48am
Em carta aberta, escolas particulares questionam sobre volta às aulas na Bahia Foto: Divulgação

Em carta aberta, escolas particulares questionam sobre volta às aulas na Bahia

Com as aulas suspensas desde 18 de março, as escolas particulares buscam respostas sobre o retorno das atividades presenciais. Em carta aberta endereçada ao governador Rui Costa e ao prefeito ACM Neto, o Grupo de Valorização da Educação (GVE) quer saber sobre a previsão de volta às aulas.

Porta-voz do grupo e diretor do Perfil, Wilson Abdon explica que a carta tem como objetivo conseguir respostas dos gestores sobre a retomada das aulas para que, assim, seja possível se preparar da melhor forma para este momento. “Não estamos pressionando para o retorno, mas queremos saber se existe uma data. É necessário existir uma programação para que esse momento ocorra da forma mais segura possível. Para isso, as escolas têm que treinar professores, por exemplo”, afirma o representante, que acredita que os posicionamentos sobre o assunto ainda são vagos.

Na carta, o GVE informa possuir “a assessoria de equipes médicas de infectologistas e profissionais habilitados, contratados para, através de uma preparação implementada, seguir os protocolos de proteção necessários à coexistência da preservação da saúde e abertura das escolas”.

A carta ainda questiona sobre quais serão os protocolos de volta às aulas, que ainda não foram divulgados pelas autoridades estaduais e municipais. O desejo é que se possa construir as ações de retomada em conjunto.

“A ideia é que possamos retornar este ano de forma gradual para ter o acolhimento dos alunos e das famílias. Entretanto, temos que ter um prazo para nos reorganizarmos e estamos provocando uma resposta para que possamos entrar no debate e contribuir”, afirma o representante.

Uma das possibilidades imaginadas pelo GVE é a retomada gradual em 2020, com 30% dos estudantes nas escolas e o restante acompanhando de casa. Com isso, haveria condições de receber uma maior quantidade - ou até mesmo todos - os estudantes presencialmente em 2021.

Pai de Pedro, 6 anos, o perito Marcos Lima, 35, afirma que a retomada gradual pode ser uma boa alternativa. “Algo não impositivo pode ser interessante. Acho que é um bom começo para as famílias que têm a necessidade de ter seu filho presencialmente na escola. As peculiaridades de cada situação devem ser levadas em conta”, comenta.

Além da questão organizacional, a carta cita que “a subtração da interação presente no ambiente escolar tem acarretado prejuízos também de ordem emocional e sido objeto de alerta em inúmeros artigos publicados em revistas de cunho científico em todo o mundo, principalmente no que se refere aos estudantes de mais tenra idade”.

O decreto estadual que suspende as atividades escolares na Bahia vale até o dia 27 deste mês. Em agosto, o governador Rui Costa disse que ainda não havia uma data definida. Diversas escolas na capital e no interior passam por testes contra a covid-19. Em Salvador, o prefeito ACM Neto afirmou, na última quinta-feira, que a expectativa dele é para um retorno ainda este ano, mesmo que parcialmente.

Confira a carta na íntegra:

A pandemia desencadeada no início deste ano impactou toda a humanidade, todos os setores produtivos e todo o tecido social. Desde o dia 18 de março, data da suspensão das aulas presenciais das redes pública e privada de ensino de Salvador e de outras cidades do Estado da Bahia, em razão da pandemia provocada pelo novo coronavírus (Covid-19), o setor de Educação vem sofrendo com as sucessivas medidas de prorrogação do fechamento das escolas, sem que haja qualquer comunicação de previsão para o retorno das atividades presenciais.

É visível que essa indefinição cria inúmeros obstáculos à reorganização da vida das famílias, dos colaboradores e dos funcionários, que dependem do funcionamento das escolas para darem continuidade às suas atribuições e ao pleno exercício de seus respectivos papéis sociais. Além disso, a subtração da interação presente no ambiente escolar tem acarretado prejuízos também de ordem emocional e sido objeto de alerta em inúmeros artigos publicados em revistas de cunho científico em todo o mundo, principalmente no que se refere aos estudantes de mais tenra idade.

Sem dúvida, o isolamento social como medida de segurança recomendada pela Organização Mundial da Saúde estabeleceu importante marco para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19) e se revelou eficaz, contudo, atentos à importância da EDUCAÇÃO para a sociedade, nós, gestores de escolas particulares de Salvador e de outros municípios do Estado da Bahia, precisamos revelar nossa preocupação e inquietação diante da falta de informações e diretrizes quanto ao retorno às aulas presenciais.

Através da mídia, temos tomado conhecimento de notícias que pedem, pela importância e valor, um pronunciamento que possibilite nos prepararmos e respondermos à comunidade escolar. Assim, solicitamos que nos esclareçam quanto aos seguintes pontos:

– quando, como e de que forma está previsto o retorno às aulas presenciais dos diversos segmentos de escolaridade – Educação Infantil, Fundamental I e II e Ensino Médio;

– uma vez estabelecido um modelo com diretrizes para o retorno, quais são os fundamentos em que se baseiam essa escolha;

– qual o prazo que as escolas terão para se prepararem para esse retorno, já que o setor da educação tem especificidades que não podem ser subestimadas , pois é preciso considerar a responsabilidade de acolhimento às crianças e aos jovens ,treinando nossos professores e colaboradores para mais esta etapa

De nossa parte, temos hoje a assessoria de equipes médicas de infectologistas e profissionais habilitados, contratados para, através de uma preparação implementada, seguir os protocolos de proteção necessários à coexistência da preservação da saúde e abertura das escolas.

Em tempo, reiteramos a nossa confiança e reconhecimento tanto em relação à seriedade, quanto ao empenho empregado pelos governos estadual e municipal para mitigar as dificuldades, somar esforços e estabelecer uma ação conjunta de preservação e cuidado com a saúde.

Certos da atenção de Vossas Excelências à necessidade de orientação às escolas e atenção para com o Sistema Educacional, aguardamos pronunciamento.

Itens relacionados (por tag)

  • Bahia registra 21 mortes e 1.762 novos casos de covid-19 em 24h

    A Bahia registrou 21 mortes e 1.762 novos casos de covid-19 (taxa de crescimento de +0,6%) em 24h, de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) no final da tarde desta terça-feira (20). No mesmo período, foram 1.605 pessoas curadas (+0,5%).

    Dos 337.994 casos confirmados desde o início da pandemia, 323.782 já são considerados curados e 6.849 encontram-se ativos.

    Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

    Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (26,73%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Ibirataia (7.850,05), Almadina (6.551,98), Itabuna (6.382,05), Madre de Deus (6.329,11), Apuarema (5.920,87).

    O boletim epidemiológico contabiliza ainda 685.808 casos descartados e 78.004 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta terça (20).

    Na Bahia, 27.997 profissionais da saúde foram confirmados para covid-19.

    Óbitos
    O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 21 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da covid-19.

    Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

    O número total de óbitos por covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 7.363, representando uma letalidade de 2,18%.

    Perfis
    Dentre os óbitos, 56,01% ocorreram no sexo masculino e 43,99% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,24% corresponderam a parda, seguidos por branca com 17,60%, preta com 15,10%, amarela com 0,77%, indígena com 0,11% e não há informação em 12,17% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 72,10%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (75,21%).

    A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

  • Vilas-Boas alerta para crescimento de casos de coronavírus e descarta vacinação em janeiro

    O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, alertou para o possível crescimento de casos de coronavírus no interior do estado em virtude das aglomerações realizadas em movimentos políticos com carreatas, passeatas e paredões móveis. Durante o Papo Correria, na noite desta terça-feira (20), ele afirmou que apesar da queda no número de óbitos e de pacientes internados, a queda nos novos casos registrou redução nos últimos 20 dias.

    Vilas-Boas ainda comentou sobre a possibilidade de vacinação da população já em janeiro de 2021 e afirmou que “é algo muito pouco provável de acontecer”. De acordo com o secretário, o inverno pode agravar a situação dos casos da Covid-19 e, por causa disso, os países que ficam no Hemisfério Norte devem ter prioridade para o início das aplicações da vacina. Com isso, o Hemisfério Sul, onde se encontra o Brasil, deve ter a vacinação iniciada em um segundo momento.

  • Fonte Nova voltará a receber jogos, mas equipamentos de hospital permanecerão, diz governador

    O governador Rui Costa (PT) reafirmou na manhã desta terça-feira (20) que a Arena Fonte Nova voltará a receber partidas de futebol nos próximos dias. No entanto, segundo ele, os equipamentos do hospital de campanha que estão instalados no estádio, para o combate ao coronavírus em Salvador, permanecerão montados para caso haja um novo surto da doença na capital.

    “Até onde eu sei estão sendo feitas as mudanças. Eu mandei preservar as instalações que foram feitas para o uso como hospital. Ou seja, tudo será preservado, toda a tubuluação, o tomográfo vai ficar lá. As alterações vão ser mínimas para voltar a ter jogos, como os vestiários, que funcionaram como enfermarias, mas a parte de infraestrutura que foi feita vai ser mantida para caso nós tenhamos o que ninguém deseja, que é um novo surto, e a gente possa reativar novamente. Vai voltar a ter jogos, sim, mas eu vou preservar a infraestrutura do que foi feito, fazendo essas mudanças”, explicou Rui.

    A última partida realizada na Fonte Nova foi entre Bahia e Confiança-SE, pela primeira fase da Copa do Nordeste, em março. Na oportunidade, o tricolor venceu os sergipanos por 1×0. Tudo indica que o Bahia já entre em campo na arena no próximo meio de semana, quando será definido seu adversário na Copa Sulamericana.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.