Sexta-feira, 30 de Outubro 2020
10:01:34pm
Liberadas para atenção básica, 10 mil canetas de insulina não chegaram à Bahia

Liberadas para atenção básica, 10 mil canetas de insulina não chegaram à Bahia

Mais de 10 mil canetas de insulina asparte – com ação em até 15 minutos – que deveriam ter sido enviadas pelo Ministério da Saúde (MS) para pacientes com diabetes na Bahia ainda não chegaram ao estado. Em nota, o ministério informou, no dia 30 de setembro, que 10.215 canetas tinham sido enviadas para atendimento de 1.369 pacientes na Bahia. Nenhum deles, no entanto, teve acesso ao equipamento que substitui as seringas para aplicação diária de insulina para pacientes com diabetes tipo 1.

As canetas seriam destinadas a pacientes que já recebem o medicamento, inscritos no Programa de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). No entanto, até esta quarta-feira (14), a Sesab não havia recebido nenhuma das canetas.

“O Ministério da Saúde ficou realmente de enviar um quantitativo da insulina, mas até o momento a Secretaria da Saúde não recebeu o medicamento. Estamos aguardando o envio”, informou a Sesab. A pasta acrescentou que o MS não informou o motivo de não ter enviado as doses, que seriam destinadas a atendimento em julho, agosto e setembro.

A Bahia já recebe e distribui insulina de ação rápida – ela foi incorporada ao SUS em 2017 –, através do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba), unidade de referência na área. Esta remessa, no entanto, decorre do empenho de associações que representam pacientes com diabetes em todo o Brasil, que pediram a liberação das canetas também para pacientes atendidos na atenção básica – e não necessariamente por um endocrinologista.

A Secretaria Municipal de Saúde de Salvador (SMS) informou que também não recebeu ainda as doses, nem está autorizada a ‘liberá-las’ para pacientes. Isso porque, primeiro, elas chegam para o estado, que é quem faz a distribuição.

Burocracia
Entidades como a Associação Diabetes Juvenil (ADJ) vinham pedindo ao Ministério da Saúde que desburocratizasse a liberação das canetas de insulina para a atenção básica. Isso porque os lotes já comprados pelo governo federal em 2018 vão vencer entre dezembro deste ano e junho de 2021, provavelmente sem que fossem totalmente distribuídos.

A ADJ estima que entre 900 mil e 1,4 milhão de doses seriam jogadas fora, já que não chegariam a tempo às mãos dos pacientes, que enfrentam um longo caminho até ter acesso a elas. A burocracia é tanta que, segundo a ADJ, apenas cerca de 47 mil pacientes no país conseguem ter acesso a elas. Estima-se que, no Brasil, 16,5 milhões de pessoas convivam com a diabetes.

O Ministério da Saúde foi procurado para dizer o que faria com as doses que estão para vencer, mas limitou-se a responder que enviou as 10 mil canetas à Bahia e explicar como funciona a distribuição das doses. Segundo a pasta, ela vem ocorrendo, desde 2018, “em atendimento às necessidades informadas pelos estados e pelo Distrito Federal para pacientes cadastrados”.

Ou seja, as secretarias estaduais enviam uma lista trimestral e o ministério encaminha as doses até o dia 30 do mês que antecede o trimestre. Em nota técnica do dia 23 de setembro, o ministério informou que a demanda tem sido inferior ao esperado.

Componente especializado
O problema é que não é fácil conseguir a caneta de insulina. A demanda é inferior ao número de doses compradas no lote de 2018 porque, segundo informações da ADJ, são poucos os pacientes que conseguem uma consulta com o endocrinologista e saem de lá com um longo formulário preenchido pelo médico. É este papel que lhes assegura a indicação para receber o medicamento.

“Essa insulina está no componente especializado e, para recebê-la, a pessoa precisa passar pelo endocrinologista. Esses profissionais estão concentrados nos grandes centros. Alguns estados deixam o clínico prescrever, mas são poucos. Então, a gente tem muita dificuldade de a pessoa receber essa insulina”, explicou Vanessa Pirolo, coordenadora de Advocacy da ADJ, que esteve em uma reunião com o MS no final de setembro.

Ou seja, sem acesso ao especialista, o paciente que quer usar a caneta no lugar da seringa precisa comprá-la numa farmácia, com custo médio de R$ 35 a R$ 37. E não basta uma: como a vida útil da caneta depende de fatores como o peso do paciente, é possível que ele precise de mais de uma num curto espaço de tempo. As canetas compradas pelo ministério custaram ao governo federal, em média, R$ 12 a unidade – três vezes menos do que o valor da farmácia.

“O médico tem que preencher folhas e folhas dizendo que você precisa. Eu não recebo nenhuma insulina da minha prefeitura, eu preciso comprar na farmácia por um preço bem maior. Você submete o paciente a um processo desgastante, difícil, burocrático, para depois ainda negar. É tanta burocracia, é tão difícil, que você acaba desistindo”, desabafa a dentista Thaís Paradella, 36 anos.

Ela mora em São José do Rio Preto, em São Paulo, umas das cidades com mais queixas de pacientes sobre as dificuldades em conseguir as doses. Na Bahia, segundo a endocrinologista Odelisa Matos, do Cedeba, normalmente não há problemas com falta do medicamento.

“O estado da Bahia foi pioneiro nessa insulina análoga de ação rápida, que já é distribuída pelo governo federal. O paciente segue um protocolo. Se ele estiver dentro do critério, ele vai receber a insulina. Não temos problema, a não ser quando tem desabastecimento da própria rede. Durante a pandemia, vários medicamentos sofreram com isso”, explicou a endocrinologista que trabalha na unidade de referência.

No ano passado, 823,5 mil atendimentos foram feitos na Bahia com indicação para diagnóstico de diabetes, segundo números do DataSUS. Este número não corresponde ao total de diagnósticos, já que um mesmo paciente provavelmente passou por mais de um atendimento. Em Salvador, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), 39.673 pacientes com diabetes são acompanhados nas unidades de saúde do município.

Nota técnica
A desburocratização no envio das doses de insulina análoga de ação rápida, incorporada ao SUS em 2017 para tratamento de pacientes com diabetes tipo 1, foi aprovada em uma reunião com representantes de secretarias e de pacientes no dia 23 de setembro deste ano.

A nota técnica do MS sobre a liberação não cita que há doses próximas do vencimento, mas informa que o ministério decidiu, por conta da pandemia e num prazo de 180 dias, prorrogável por mais 90, liberar as doses para pacientes que se enquadrassem nos critérios para recebê-las, mesmo que não tivessem o laudo de solicitação preenchido por um endocrinologista.

“Durante o período de transição de 180 dias, podendo ser prorrogado por mais 90 dias, única e exclusivamente para solicitação da insulina análoga de ação rápida, fica dispensada a exigência do Laudo para Solicitação, Avaliação e Autorização de Medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (LME), e dos exames e documentos exigidos no PCDT [Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas] de DM1 [Diabetes Mellitus 1]”, diz nota técnica.

Ela foi assinada por coordenadores da área de Assistência Farmacêutica do MS e pelos presidentes do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Carlos Lula, e Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Wilames Freire Bezerra. O Conass e o Conasems foram procurados, mas não responderam até o fechamento desta reportagem.

Itens relacionados (por tag)

  • Bahia chega à marca de 7.600 mortes provocadas pela covid-19

    A Bahia registrou 29 mortes e 1.423 novos casos de covid-19 (taxa de crescimento de +0,4%) em 24h, de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) no final da tarde desta sexta-feira (30). No mesmo período, 1.614 pacientes foram considerados curados da doença (+0,5%).

    Dos 352.700 casos confirmados desde o início da pandemia, 337.785 já são considerados recuperados e 7.315 encontram-se ativos. Ao todo, a pandemia já matou, oficialmente, 7.600 pessoas na Bahia.

    Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

    Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (26,13%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Ibirataia (8.509,67), Almadina (6.588,58), Itabuna (6.538,23) Madre de Deus (6.452,38), Aiquara (6.140,35).

    O boletim epidemiológico contabiliza ainda 720.989 casos descartados e 85.761 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta sexta-feira (30).

    Na Bahia, 28.927 profissionais da saúde foram confirmados para covid-19.

    Óbitos
    O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 29 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

    O número total de óbitos por covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 7.600, representando uma letalidade de 2,15%.

    Perfis
    Dentre os óbitos, 55,96% ocorreram no sexo masculino e 44,04% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,30% corresponderam a parda, seguidos por branca com 17,88%, preta com 15,04%, amarela com 0,75%, indígena com 0,11% e não há informação em 11,92% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 71,87%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (74,75%).

    A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

  • Confira o que abre e fecha no feriado de finados na capital e no interior

    O feriado de finados da próxima segunda-feira (2) vai alterar a dinâmica de funcionamento dos estabelecimentos situados na capital baiana e em algumas cidades do interior do estado. O CORREIO foi atrás dos horários em que os principais pontos comerciais vão funcionar durante o dia que marca o fim do feriado prolongado.

    No caso dos shoppings,quase todos seguirão funcionando, mas com alterações nos horários de funcionamento das lojas, praças de alimentação, academias e mercados. A exceção é o Shopping Piedade, que estará fechado e só retornará as atividades na terça-feira (03/11), das 11h às 21h.

    Quem não vai ter nenhuma alteração é o Outlet Premium, que abrirá normalmente na segunda, inclusive a praça de alimentação, que funciona das 09h às 21h. Diferente do Outlet, os postos de atendimento do SAQ terão serviços suspensos no feriado.

    Confira horários:

    Shoppings:

    Funcionamento do Shopping Barra:

    Lojas – Abrirão apenas as lojas âncoras das 12h às 21h (Zara, Renner, C&A, Riachuelo, Le Biscuit, Lojas Americanas, Centauro). As demais estarão fechadas;
    Praça de alimentação – Funciona das 12h às 21h;
    Restaurantes – Funcionam das 12h a 0h;
    Academia Alpha - Funcionará das 9h às 13h.
    Funcionamento do Shopping Bela Vista:

    Especial - Âncoras, alimentação (associados ao Sindicato de Bares e Restaurantes), farmácias e GBarbosa: das 12h às 21h;
    Lojas e quiosques (associados ao Sindicato dos Comerciários): fechados;
    Alpha Fitness: das 9h às 13h;
    Cinépolis: conforme programação no site www.cinepolis.com.br.
    Funcionamento do Shopping Itaigara:

    Lojas, praça de alimentação, cafés, quiosque e bancos: fechados;
    Bompreço: 08h às 18h.
    Funcionamento do Salvador Shopping:

    Bompreço: 8h às 21h;
    Alimentação, lojas âncoras (C&A, Casas Bahia, Centauro, Etna, Fast Shop, Le Biscuit, Lojas Americanas, Magazine Luiza, Marisa, Renner e Riachuelo), farmácias (Drogasil, Extrafarma, Globo, Pague Menos e São Paulo), salões de beleza (Barber City, Jacques Janine, Salão Miau e Via Paris): 12h às 21h;
    Drive Thru: 12h às 21h; apenas as lojas que estarão abertas;
    Espaço Gourmet: 12h às 00h;
    Cinema: 14h15 às 22h30;
    Bancos, clínicas (Clivale, Immune Vacinas e Labchecap), Correios, farmácias de manipulação, Lotérica, SAC, demais lojas e quiosques associados ao Sindicato dos Comerciários: fechados;
    A plataforma digital Salvador Shopping Online estará funcionando: www.salvadorshoppingonline.com.br.
    Funcionamento do Shopping Center Lapa:

    Praça de alimentação: 12h às 20h;
    C&A, Riachuelo e Lojas Americanas: 12h às 18h;
    Cinema: conforme a programação e horários dos filmes no site www.shoppinglapa.com.br.
    Funcionamento do Shopping Paseo:

    Lojas e serviços - Fechados;
    Alimentação - Das 12h às 20h;
    Cinema - Fechado;
    Academia Alpha - Funcionará das 9h às 13h.
    Funcionamento do Salvador Norte Shopping:

    Academia SmartFit: 9h às 15h;
    Cinema: 13h às 21h;
    Alimentação, lojas âncoras e megalojas (Americanas, C&A, Riachuelo, Renner, Fast Shop, Kalunga, Leader, Marisa, Login, Studio Z, Centauro, Le Biscuit, Beleza Natural), farmácias (Drogasil, Drogaria São Paulo e Pague Menos): 12h às 21h;
    Drive Thru: 12h às 21h; apenas as lojas que estarão abertas;
    Demais lojas e quiosques associados ao Sindicato dos Comerciários, Clivale e Caixa: fechados;
    SAC Móvel: fechado;
    A plataforma digital Salvador Norte Online estará funcionando: www.salvadornorteonline.com.br.
    Funcionamento do Shopping Paralela:

    Lojas âncoras, praça de alimentação, supermercado e farmácias: 12h às 21h;
    Cinema: conforme a sua programação de exibição.
    Funcionamento do Shopping da Bahia;

    Âncoras e megalojas (que possuem acordo com o Sindicato dos Comerciários) - 12h a 21h;
    Praça de alimentação e restaurantes – 12h a 21h;
    Farmácias – 12h a 21h;
    Pão de Açúcar – 12h a 21h;
    Bodytech – 09h às 13h;
    Cinema – Horário normal conforme a programação;
    Clivale - Fechado;
    Lojas e quiosques – Fechados.
    Funcionamento do Boulevard Shopping Feira de Santana:

    Lojas – 13h às 19h;
    Alimentação – 12h às 19h;
    Big Bompreço, farmácia BigFort – 08h às 19h;
    Casa Lotérica – fechada;
    Clinica Saúde Center – fechada;
    Funcionamento do Boulevard Shopping Vitória da Conquista:

    Lojas - 14h às 20h;
    Lazer e alimentação - 12h às 22h;
    Selfit e SAC – fechados.
    Funcionamento do Parque Shopping Bahia:

    Lojas – 13 às 21h;
    Alimentação – 12h às 21h;
    Hiper Ideal – 6h30 às 21h;
    PSG, Smart Fit – Fechados.
    Outros estabelecimentos:

    Funcionamento do Outlet Premium, em Camaçari:

    Estabelecimento e Praça de Alimentação: 9h às 21h.
    Funcionamento do SAQ:

    Todas unidades suspenderam atendimento.
    Funcionamento da RedeMix:

    Unidades: 6h30 às 20h, com horário sujeito a alterações ocasionais em algumas unidades.
    Funcionamento do GBarbosa:

    Iguatemi: 7h às 18h;
    Costa Azul: 7h às 18h;
    San Martin: 7h às 16h;
    Brotas: 7h30 às 16h;
    Lauro de Freitas: 7h às 18h;
    Pau da Lima: 7h30 às 16h;
    Cabula: 7h30 às 18h;
    Guarajuba : 8h às 19h;
    Horto Bela Vista: mesmo horário de funcionamento do shopping.
    Funcionamento da Perini:

    Graça, Pituba, Barra e Vasco da Gama: 6h30 às 20h;
    Costa Azul: 7h às 18h;
    Guarajuba: 8h às 17h;
    Shoppings da Bahia, Barra, Paralela e Salvador Shopping: mesmo horário de funcionamento dos shoppings.
    Funcionamento do Mercantil Rodrigues

    Ogunjá, Pirajá, Calçada e Lauro de Freitas: 7h às 21h.

  • Cimatec Saúde e Fiocruz vão desenvolver estudos clínicos de vacina contra a covid-19

    O Cimatec Saúde, oficialmente chamado de Instituto Senai de Sistemas Avançados de Saúde (ISI SAS), já negocia o desenvolvimento de estudos clínicos das fases 1, 2 e 3 da vacina HDT 301 contra a covid-19, em parceria com a Fiocruz. O anúncio foi feito durante a inauguração da unidade, que contou com a presença do vice-presidente da República, Hamilton Mourão.

    “As tratativas estão bem avançadas para trazer para o Brasil uma vacina contra coronavírus, da americana HDT e da Genova (Índia). Aqui no Brasil o Cimatec Saúde e a Fiocruz farão os estudos clínicos das fases 1, 2 e 3, além da transferência de tecnologia. A produção será realizada na unidade Manguinhos”, afirmou o diretor de Tecnologia e Inovação do Senai Cimatec, Leone Andrade.

    O Cimatec Saúde, que ocupa um andar inteiro do prédio 3 do Senai Cimatec em Salvador, está equipado com laboratórios de alta tecnologia e já vem atuando na realização de testes para diagnóstico da covid-19. O Instituto tem quatro grandes eixos de atuação: Produção de remédios e produtos Farmacêuticos de Base Química e Biotecnológica; Insumos terapêuticos; Bio materiais e Engenharia de tecidos; Kits diagnósticos e Dispositivos e; Equipamentos e dispositivos e estudos clínicos e aspectos regulatórios.

    Para o vice-residente, o ISI será fundamental para o desenvolvimento da Economia do Conhecimento, que a pandemia acelerou. “Centros como este mostram a capacidade que o país tem de oferecer soluções nos mais diversos campos da ciência e da inovação”, disse. Mourão ainda elogiou o Sistema S, destacando o seu papel na preparação de trabalhadores para um mercado de trabalho cada vez mais exigente.

    O presidente da Fieb, Ricardo Alban, enfatizou que a união de esforços e recursos do Senai Nacional, BNDES e as parcerias com a Fiocruz e o Ministério da Saúde para que projetos como o do Cimatec Saúde sejam viabilizados contribuem para “promover a melhoria da competitividade e produtividade da indústria brasileira no setor da saúde através da geração, difusão e transferência de conhecimento científico e tecnológico para as indústrias do Brasil”.

    Alban ressaltou a necessidade deste tipo de convergência para que o Brasil supere os hiatos tecnológicos e a crise econômica pós pandemia. “É deste tipo de união que o país precisa para construirmos o futuro”, apontou. A solenidade contou também com as presenças da presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, pesquisador-chefe do Cimatec Saúde, Roberto Badaró, representantes dos Ministérios da Defesa e da Saúde, Comandos do Exército e da Marinha, além de presidentes de sindicatos da Indústria e diretores da Fieb.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.