Terça-feira, 27 de Outubro 2020
3:01:22am
Após reclamar de uso de máscara, Luana Piovani está com covid-19

Após reclamar de uso de máscara, Luana Piovani está com covid-19

A atriz Luana Piovani testou positivo para o novo coronavírus. Morando em Portugal, ela confirmou em um vídeo no Youtube que está infectada. Piovani contou que está isolada em um quarto e "comendo igual cachorro".

"Testei, sim. Estou covidiana. Por isso estou trancada no quarto. As crianças não podem passar da porta para cá... Estou me alimentando igual um cachorrinho, na jaulinha, a Maiara coloca a comida aqui na porta", explicou ela, que é mãe de Bento, Liz e Bem, frutos do casamento com o surfista Pedro Scooby.

Ela conta que descobriu que estava doente logo depois de voltar de uma viagem que fez para Paris, na França. Todos que estavam com ela estão cumprindo quarentena, diz. “Na quinta-feira, me senti esquisita, vim de Paris. Todo mundo que teve contato comigo, está de quarentena comigo”, disse.

Durante a viagem, Luana gravou vídeos reclamando de ter que usar máscara em Paris. Ela chegou a gravar um falando de um "jeitinho" para ficar na rua sem a proteção, afirmando estar tomando sorvete só por isso. "E eu nem sou de sorvete, mas quando vi o povo andando na rua, neste calor que está, e tomando sorvete, falei: 'vamos parar agora para tomar um sorvete que eu quero ficar sem máscara'. Pronto!", disse.

Uma seguidora comentou que esperava que agora ela tivesse uma postura mais responsável. "Amada, eu sempre segurei minhas 'pica', essa está até branda. Foi bem feito mesmo, bem feitinho, cinco países, muita gente, uma hora ele chegaria. Está tudo certo", respondeu a atriz.

Piovani contou que tem sentido sintomas leves da doença e tem usado o tempo para criar conteúdo. “Olha, já estou fazendo uma caipirosca desse limão. Já peguei a caneta e um papel e escrevi quatro músicas e histórias para o meu stand up, costurei, estou malhando, que é ótimo para meus joelhos”, afirmou.

Para ajudar com os filhos, ela conta com ajuda de uma funcionária. “Eu tinha uma rede de apoio imensa de apoio no Brasil, nove funcionários. Aqui, tinha duas... Agora tenho só a Andrea, que é meu braço direito e esquerdo. Agora, ele (Scooby, ex-marido) pega as crianças de 15 em 15 dias”.

Itens relacionados (por tag)

  • Bahia registra 25 mortes e 1.861 novos casos de covid-19 em 24h

    A Bahia registrou 25 mortes e 1.861 novos casos de covid-19 (taxa de crescimento de +0,5%) em 24h, de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) no final da tarde desta sexta-feira (23). No mesmo período, 1.613 pessoas foram consideradas recuperadas da doença (+0,5%).

    Dos 342.526 casos confirmados desde o início da pandemia, 328.013 já são considerados sem sintomas e 7.081 encontram-se ativos.

    Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

    Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (26,54%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Ibirataia (8.032,92), Almadina (6.570,28), Itabuna (6.429,42), Madre de Deus (6.352,82)), Apuarema (6.016,37).

    O boletim epidemiológico contabiliza ainda 695.376 casos descartados e 82.456 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta sexta-feira (23).

    Na Bahia, 28.267 profissionais da saúde foram confirmados para covid-19.

    Óbitos
    O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 25 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da covid-19.

    Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

    O número total de óbitos por covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 7.432, representando uma letalidade de 2,17%.

    Perfis
    Dentre os óbitos, 55,97% ocorreram no sexo masculino e 44,03% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,24% corresponderam a parda, seguidos por branca com 17,67%, preta com 15,15%, amarela com 0,77%, indígena com 0,11% e não há informação em 12,07% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 72,12%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (75,06%).

  • Bahia registra 21 mortes e 1.221 novos casos de covid-19 em 24h

    A Bahia registrou 21 mortes e 1.221 novos casos de covid-19 (taxa de crescimento de +0,4%) em 24h, de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) no final da tarde desta quarta-feira (21). No mesmo período, 1.352 pessoas foram consideradas curadas da doença (+0,4%).

    Dos 339.215 casos confirmados desde o início da pandemia, em março, 325.134 já são considerados curados e 6.697 encontram-se ativos.

    Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

    Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (26,66%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Ibirataia (7.967,61), Almadina (6.551,98), Itabuna (6.397,06), Madre de Deus (6.338,60), Apuarema (5.920,87).

    O boletim epidemiológico contabiliza ainda 688.298 casos descartados e 78.921 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta quarta-feira (21).

    Na Bahia, 28.066 profissionais da saúde foram confirmados para covid-19.

    Óbitos
    O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 21 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da covid-19.

    Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

    O número total de óbitos por covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 7.384, representando uma letalidade de 2,17%.

    Perfis
    Dentre os óbitos, 56,03% ocorreram no sexo masculino e 43,97% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,27% corresponderam a parda, seguidos por branca com 17,62%, preta com 15,10%, amarela com 0,77%, indígena com 0,11% e não há informação em 12,13% dos óbitos.

    O percentual de casos com comorbidade foi de 72,10%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (75,23%).

    A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

  • Bolsonaro sabia que vacina seria comprada, mas voltou atrás após pressão, diz jornal

    O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tinha sido informado sobre a possibilidade de compra de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan. Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, na ocasião, o presidente não se opôs à aquisição, contudo, voltou atrás após sofrer pressão de apoiadores nas redes sociais.

    De acordo com a publicação, após as críticas, o presidente teria entrado em contato com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na terça-feira (20) para informar que iria se posicionar contra a compra. Nesta quarta (21), os dois teriam tentado ajustar uma mudança no discurso e ainda a divulgação de uma nota pública dizendo que teria ocorrido uma “interpretação equivocada”.

    Na terça, o Ministério da Saúde anunciou a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa, contudo, o presidente afirmou a um apoiador na rede social que o imunizante “não será comprado”.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.