Quinta-feira, 25th Abril 2019
5:51:08am
Justiça determina que suspeito de matar mestre Moa do Katendê a facadas, na BA, vá a júri popular

Justiça determina que suspeito de matar mestre Moa do Katendê a facadas, na BA, vá a júri popular

A Justiça da Bahia determinou que o barbeiro suspeito de matar o mestre de capoeira Moa do Katendê a facadas, em Salvador, vai à júri popular. Conforme o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), a data do julgamento ainda será agendada.

De acordo com informações do TJ, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) e os advogados de acusação e defesa terão o prazo de cinco dias para apresentarem as testemunhas e juntar documentos que serão apresentados em plenário. O suspeito virou réu após a Justiça da Bahia aceitar a denúncia do MP, no dia 22 de outubro do ano passado.

Pela morte de Moa, Paulo Sérgio Ferreira de Santana é acusado de homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima. Já por ferir o primo da vítima, Germino do Amor Divino Pereira, de 51 anos, que tentou defender o capoeirista das agressões, o barbeiro é acusado de tentativa de homicídio duplamente qualificado.

Caso

Moa do Katende

Moa do Katendê

O crime ocorreu na madrugada de 8 de outubro, horas após a votação do primeiro turno das eleições. As vítimas e o suspeito estavam em um bar, no Engenho Velho de Brotas. A investigação da Polícia Civil concluiu que Paulo e Moa brigaram por divergências políticas.

Segundo a polícia, o capoeirista, de 63 anos, teria criticado o então candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), gerando o desentendimento com o suspeito. Os dois discutiram em voz alta e “agrediram-se mutuamente de forma verbal”, conforme o MP.

Em seguida, ainda segundo o órgão, Paulo Sérgio saiu do estabelecimento em direção à casa dele, onde pegou uma faca tipo peixeira e retornou ao bar para agredir Moa do Katendê. A vítima foi atingida por 13 facadas. Conforme o MP, a maior parte dos ferimentos foi no pescoço e no tórax do capoeirista.

Em depoimento, no entanto, Paulo Sérgio negou que o crime tenha sido motivado por política. A versão, contudo, é contestada pela polícia, que diz que testemunhas confirmam que a divergência política deu origem à discussão.

Paulo Sérgio está preso desde o dia do crime. Ele foi autuado em flagrante, mas, no dia 9 de outubro, o homem passou por audiência de custódia e teve prisão preventiva decretada pela Justiça. O suspeito está Complexo Penitenciário da Mata Escura, na capital baiana.

Homenagens

Desde que morreu, Moa do Katendê foi homenageado por diversos grupos culturais e artistas brasileiros e internacionais. Nomes como Gilberto Gil, Caetano e Roger Waters prestaram tributo ao capoeirista. No dia 23 de outubro, o capoeirista ganhou um documentário.

Na noite de 17 de outubro, Waters chegou a chorar após exibir uma foto de Moa durante um show, em Salvador. O artista também usou as redes sociais para comentar o caso novamente.

Um dia antes, uma multidão lotou o Largo do Pelourinho, no centro da capital baiana, em um ato em homenagem a Moa.

Vestidos de branco, grupos de coletivos de identidades negras e capoeiristas participaram da mobilização após a tradicional missa celebrada às terças-feiras, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Centro Histórico. Integrantes dos grupos Ilê Aiyê, Olodum e Filhos de Gandhy marcaram presença.

Uma faixa grande com a hashtag "Moa vive" foi colocada na fachada do Museu da Cidade. O grupo BaianaSystem também homenageou Moa na faixa "Navio", do álbum "O Futuro Não Demora", lançado recentemente.

O compositor, dançarino, capoeirista, ogã-percussionista, artesão e educador na propagação da cultura afro-brasileira completaria 64 anos de vida no dia 29 de outubro, de 2018.

Fonte: G1

A Justiça da Bahia determinou que o barbeiro suspeito de matar o mestre de capoeira Moa do Katendê a facadas, em Salvador, vai à júri popular. Conforme o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), a data do julgamento ainda será agendada.

De acordo com informações do TJ, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) e os advogados de acusação e defesa terão o prazo de cinco dias para apresentarem as testemunhas e juntar documentos que serão apresentados em plenário. O suspeito virou réu após a Justiça da Bahia aceitar a denúncia do MP, no dia 22 de outubro do ano passado.

Pela morte de Moa, Paulo Sérgio Ferreira de Santana é acusado de homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima. Já por ferir o primo da vítima, Germino do Amor Divino Pereira, de 51 anos, que tentou defender o capoeirista das agressões, o barbeiro é acusado de tentativa de homicídio duplamente qualificado.

 

Caso

 

 
Moa do Katendê foi morto a facadas — Foto: Reprodução/Facebook Moa do Katendê foi morto a facadas — Foto: Reprodução/Facebook

Moa do Katendê foi morto a facadas — Foto: Reprodução/Facebook

O crime ocorreu na madrugada de 8 de outubro, horas após a votação do primeiro turno das eleições. As vítimas e o suspeito estavam em um bar, no Engenho Velho de Brotas. A investigação da Polícia Civil concluiu que Paulo e Moa brigaram por divergências políticas.

 

Segundo a polícia, o capoeirista, de 63 anos, teria criticado o então candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), gerando o desentendimento com o suspeito. Os dois discutiram em voz alta e “agrediram-se mutuamente de forma verbal”, conforme o MP.

Em seguida, ainda segundo o órgão, Paulo Sérgio saiu do estabelecimento em direção à casa dele, onde pegou uma faca tipo peixeira e retornou ao bar para agredir Moa do Katendê. A vítima foi atingida por 13 facadas. Conforme o MP, a maior parte dos ferimentos foi no pescoço e no tórax do capoeirista.

Em depoimento, no entanto, Paulo Sérgio negou que o crime tenha sido motivado por política. A versão, contudo, é contestada pela polícia, que diz que testemunhas confirmam que a divergência política deu origem à discussão.

Paulo Sérgio está preso desde o dia do crime. Ele foi autuado em flagrante, mas, no dia 9 de outubro, o homem passou por audiência de custódia e teve prisão preventiva decretada pela Justiça. O suspeito está Complexo Penitenciário da Mata Escura, na capital baiana.

 

Homenagens

 

 
Homenagem a Moa do Katendê  — Foto: Alan Oliveira/G1Homenagem a Moa do Katendê  — Foto: Alan Oliveira/G1

Homenagem a Moa do Katendê — Foto: Alan Oliveira/G1

Desde que morreu, Moa do Katendê foi homenageado por diversos grupos culturais e artistas brasileiros e internacionais. Nomes como Gilberto Gil, Caetano e Roger Waters prestaram tributo ao capoeirista. No dia 23 de outubro, o capoeirista ganhou um documentário.

 

Na noite de 17 de outubro, Waters chegou a chorar após exibir uma foto de Moa durante um show, em Salvador. O artista também usou as redes sociais para comentar o caso novamente.

Um dia antes, uma multidão lotou o Largo do Pelourinho, no centro da capital baiana, em um ato em homenagem a Moa.

Vestidos de branco, grupos de coletivos de identidades negras e capoeiristas participaram da mobilização após a tradicional missa celebrada às terças-feiras, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Centro Histórico. Integrantes dos grupos Ilê Aiyê, Olodum e Filhos de Gandhy marcaram presença.

Uma faixa grande com a hashtag "Moa vive" foi colocada na fachada do Museu da Cidade. O grupo BaianaSystem também homenageou Moa na faixa "Navio", do álbum "O Futuro Não Demora", lançado recentemente.

O compositor, dançarino, capoeirista, ogã-percussionista, artesão e educador na propagação da cultura afro-brasileira completaria 64 anos de vida no dia 29 de outubro, de 2018.

Itens relacionados (por tag)

  • Petroleiros, aposentados e pensionistas fazem protesto em frente à sede da Petrobras em Salvador

    Petroleiros, aposentados e pensionistas da Petrobras fizeram um protesto na manhã desta quarta-feira (24), em Salvador. O ato ocorreu em frente à sede da empresa, localizada no bairro do Itaigara.

    O protesto ocorreu na via marginal da Avenida ACM, uma da principais da capital baiana, mas de acordo com a Transalvador, não atrapalhou o trânsito na região.

    De acordo com o Sindicato dos Petroleiros, a manifestação é uma forma de luta em defesa do Fundo de Pensão Petros e da Assistência Médica Suplementar (AMS). Além disso, o grupo que faz parte do protesto é contra a privatização da Petrobras e a saída da estatal da Bahia.

    Segundo o Sindipetro, na Bahia, são cerca de 25 mil aposentados e pensionistas petroleiros.

    Por meio de nota, a Petrobras esclareceu que não está de saída da Bahia. A companhia disse ainda que reconhece o direito legítimo de manifestação dos colaboradores e reitera que mantém diálogo permanente junto aos seus representantes.

    Fonte: G1/Bahia

  • Suspeita de atacar a golpes de faca dançarina da banda La Fúria fica em silêncio durante depoimento

    A mulher suspeita de atacar a golpes de faca a dançarina da banda de pagode La Fúria, Elizabeth Gonçalves, conhecida como "Negra Japa", em Salvador, na última terça-feira (16), ficou em silêncio durante o depoimento prestado à Polícia Civil. A vítima foi internada no Hospital Municipal de Salvador e passa bem.

    De acordo com o delegado Nilton Tormes, que investiga o caso, a suspeita de atacar Elizabeth esteve na delegacia na última semana, alguns dias após o crime.

    "Ela estranhamente permaneceu em silêncio. Exerceu o direito de só se manifestar em juízo", afirmou Tormes.

    Após o depoimento, a suspeita, que não teve a identidade revelada, foi liberada.

    Ainda segundo o delegado Nilton Tormes, apesar da vítima ter dito que o ataque foi motivado por ciúmes, a polícia não descarta nenhuma hipótese.

    "O local onde ocorreu o crime foi periciado, Já identificamos todas as pessoas envolvidas no processo, e as oitivas se darão no decorrer da semana", afirmou.

    Ciúmes

    No domingo (21), Elizabeth publicou no Instagram um vídeo em que relatou o momento em que foi atacada, e explicou que a suspeita disse ser esposa do homem que estava com ela no dia do crime.

    "A pessoa chegou golpeando, me deu uma facada nas costas, puxando meu cabelo, me xingando e dizendo que eu sabia que ele tinha namorada", contou

    A dançarina disse ter conhecido o rapaz em uma festa, e que ele afirmou ser solteiro.

    "Ele disse ser solteiro. Tenho print e conversas. Ele disse que tinha terminado um relacionamento recente de três meses, então eu achei que se ele era solteiro e eu era solteira, não vi nada demais a gente sair, beber e curtir juntos. Ele falava em todas as conversas que ele tinha terminado recentemente e não estava mais no relacionamento. Venho esclarecer isso para vocês. Não roubei namorado de ninguém. Não conhecia ele. Conheci ele nessa festa", contou Elizabeth no vídeo.

    Banda La Fúria

    A banda La Fúria ficou conhecida nacionalmente após o hit Fábio Assunção. Além de dançar na banda, Negra Japa também faz vocal de apoio no grupo. "Manuel", um dos sucessos do grupo, é cantado por ela junto com Bruno Magnata, vocalista do Lá Fúria.

    Por meio de nota, a assessoria da banda informou que a produção está prestando total assistência a Elizabeth e suporte à família dela até que ela se recupere.

    O grupo agradeceu as demonstrações de carinho prestadas pelo fãs, disse estar unido em função da recuperação de Elizabeth e não vai mais se pronunciar sobre o episódio.

    Fonte: G1/Bahia

  • Aplicativo de táxi é lançado em Salvador

    Um aplicativo voltado para solicitar taxistas foi lançado na manhã desta segunda-feira, 22, em Salvador, no Palácio Thomé de Souza, pelo prefeito ACM Neto. Os usuários já podem utilizar o serviço.

    Inicialmente 2 mil taxistas estão cadastrados no Táxi Mobi, a pretensão é ampliar o número para 7 mi. A grande novidade é que todas as viagens terão 20% de desconto independentemente do dia e do horário. O aplicativo está disponível para qualquer aparelho por meio de qualquer sistema operacional.

    O funcionamento do aplicativo será monitorado pela Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) objetivando regularizar as demandas dos taxistas. Ou seja, comunicar aos taxistas onde tem mais movimento, ou a demanda está sendo maior para redirecioná-los para esses locais. “Sem contar que é uma maneira da gente prezar pela segurança dos usuários, uma vez que estaremos com as fichas cadastrais dos motoristas”, afirmou o representante da Semob, Fábio Mota.

    Os técnicos da Semob vão poder acionar os taxistas e fazer o remanejamento de veículos, baseando-se na demanda de passageiros. Por exemplo, os taxistas que estejam sem serviço no momento, serão acionados e redirecionados para outra região da cidade que haja mais pedestres solicitando o serviço.

    O prefeito ACM Neto afirmou que existe também a pretensão do lançamento de um aplicativo específico para mototaxistas diante do crescente número de pessoas trabalhando nessa área. “Os mototaxistas passaram a atuar em nossa cidade a partir de uma decisão que tomamos. Por isso pretendemos implantar um aplicativo também para mototaxistas”, comentou.

    "Temos que nos adaptar as mudanças para sobreviver diante de novas realidades. O aplicativo serve para ajudar o motorista a se adaptar a esse novo mundo e a usufruir disso", conclui o prefeito.

    Fonte: A Tarde

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Ad2