Quinta-feira, 3 de Dezembro 2020
7:26:11pm
MP denuncia Cátia Raulino por documento falso, violação de direito autoral e fraude

MP denuncia Cátia Raulino por documento falso, violação de direito autoral e fraude

A suposta jurista Cátia Raulino foi denunciada à Justiça pelo Ministério Público pelos crimes de uso de documento público falso, violação de direito autoral e fraude processual. A denúncia foi apresentada na última terça-feira (17), pelo promotor Waldemir Leão.

No documento, o promotor solicitou a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telemático da falsa advogada, e a instauração de um segundo inquérito policial por conta de indícios de outros crimes não abrangidos na atual investigação. Há oito anos, Cátia vem se fazendo passar por advogada e/ou bacharela em Direito, apresentando a instituições de ensino e congêneres diplomas e títulos que jamais possuíra, e recorrendo, em todos os casos, ao uso de documentos falsos.

Desta forma, ela galgou postos em diversas faculdades, chegando a ocupar o cargo de coordenadora de curso de Direito e integrar bancas de exames de graduação e mestrado em reconhecidas faculdades, diz o promotor.

Segundo a denúncia, Cátia se apresenta nas redes sociais e no currículo lattes como graduada em Administração e em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA); com mestrado em Direito Tributário pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); doutoranda em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA); e pós-doutorada em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco(UFPE), "mas os diplomas são comprovadamente inautênticos".

A suposta jurista teria ainda plagiado e publicado, como sendo de sua autoria, trabalhos acadêmicos e artigos de pelo menos quatro alunos e ex-alunos. Segundo as investigações, os autores dos trabalhos plagiados foram orientandos de Cátia, que os direcionava a escreverem sobre temas de Direito Tributário, justamente a área que ela afirmava ser especialista.

 

Itens relacionados (por tag)

  • Camaçari: MP aciona ex-presidente da Câmara por nomear advogado de forma ilegal na Casa

    O ex-presidente da Câmara de Vereadores de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), José Elídio de Oliveira Sobrinho, foi acionado por manter servidor ilegalmente na Casa. Segundo o promotor Everardo José Yunes Pinheiro, Sobrinho nomeou advogado Carlos Eduardo Pessoa Oliveira Malheiros como subprocurador-chefe do Município, sem a prestação do serviço diário na Câmara. O advogado também foi acionado pelo Ministério Público do Estado (MP-BA).

    Conforme o promotor, Carlos Malheiros cumpria uma jornada de trabalho de quatro horas a cada dia de trabalho, no entanto comparecia, em média, duas vezes por semana, totalizando 8 horas semanais e não 20 horas. Ainda segundo o promotor, o advogado ocupou indevidamente cargo privativo da advocacia. Enquanto o atestado da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aponta a inscrição em 29 de dezembro de 2011, o advogado já estava há cinco meses nomeado para o cargo de subprocurador do Município. Na ação, o MP pede o bloqueio de bens dos acionados e afirma que o valor recebido indevidamente por mês foi de R$ 4.580,59, soma correspondente às horas que o primeiro acionado recebeu sem realizar a efetiva contraprestação do trabalho.

    “Considerando os seis meses em que esteve nomeado, recebeu indevidamente R$27.483,54, que atualizado, através da página do Branco Central do Brasil, resulta em aproximadamente R$41.458,44”, afirmou Everardo Yunes. O MP requer ainda que a Justiça determine que Carlos Malheiros e José Elísio sejam obrigados, solidariamente, a ressarcimento, devidamente atualizado, da totalidade dos valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio de Carlos.   

    Fonte: Bahia Notícias

    Camaçari: MP aciona ex-presidente da Câmara por nomear advogado de forma ilegal na Casa

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.