Terça-feira, 27 de Outubro 2020
3:09:10am
Apps TikTok e WeChat estão proibidos nos EUA a partir de domingo (20)

Apps TikTok e WeChat estão proibidos nos EUA a partir de domingo (20)

O departamento de Comércio dos EUA anunciou nesta sexta-feira (18) que o download dos aplicativos TikTok e WeChat ficará proibido a partir do domingo (20). O governo de Donald Trump alega que os apps chineses são uma ameaça à segurança nacional.

Quem já tem os apps baixados poderão continuar com eles nos celulares, mas as atualizações não ficarão mais disponíveis.

O TikTok tem atualmente cerca de 100 milhões de usuários só nos EUA. Já o WeChat tem 19 milhões de americanos usando.

"O Partido Comunista da China mostrou que tem os meios e a intenção de usar esses aplicativos para ameaçar a segurança nacional, a política externa e a economia dos Estados Unidos", diz comunicado do departamento.

As ameaças dos dois apps são consideradas diferentes, diz a nota, mas ambos criam "riscos inaceitáveis" para a segurança nacional.

"Cada um coleta vastas faixas de dados de usuários, incluindo atividade de rede, dados de localização e históricos de navegação e pesquisa. Cada um é um participante ativo na fusão civil-militar da China e está sujeito à cooperação obrigatória com os serviços de inteligência do PCCh", afirma.

Acordo
A ByteDance, responsável pelo TikTok, fez um acordo com a Oracle para fazer uma parceria que permita que o app continue disponível nos EUA. A China precisa aprovar, contudo, afirma a empresa.

Pela proposta, o TikTok Global se tornaria uma empresa com sede nos EUA.

A Oracle é uma empresa voltada ao mercado corporativo, com soluções na nuvem. O gerenciamento de banco de dados é uma das suas especialidades. A empresa negociava também uma participação nas operações do app nos EUA.

Na quarta (16), Trump criticou os planos da ByteDance manter uma participação majoritária nas operações do TikTok nos EUA. Ele disse que é contra à ideia do controle continuar com a empresa chinesa.

A ByteDance afirma que não compartilha dados dos usuários com as autoridades chinesas.

Itens relacionados (por tag)

  • Estados Unidos pedem uso obrigatório de máscara em aviões e trens

    O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) divulgou nesta segunda-feira (19) "forte recomendação" para que passageiros e funcionários em aviões, trens, metrôs, ônibus, táxis e veículos de carona compartilhada utilizem máscaras para prevenir a propagação da covid-19.

    A orientação provisória também pede a utilização das proteções faciais em hubs de transporte, como aeroportos e estações de trem.

    "A utilização ampla e rotineira de máscaras nos sistemas de transportes vai proteger norte-americanos e oferecer confiança para que se possa novamente viajar com segurança mesmo durante a pandemia", afirmou o CDC.

    Companhias aéreas, o sistema de trens Amtrak e a maioria dos sistemas públicos de trens e aeroportos norte-americanos já exigem que todos os passageiros e trabalhadores cubram seus rostos, assim como as empresas Uber e Lyft.

    Mas, em julho, a Casa Branca foi contrária a um projeto que tornaria obrigatório o uso de máscaras por todos os funcionários e passageiros de companhias aéreas, trens e sistemas de transporte público. A Casa Branca não comentou imediatamente a recomendação do CDC.

    O gabinete de Administração e Orçamentos da Casa Branca disse na época que o projeto de lei que obrigava o uso de máscaras era "restritivo demais", e acrescentou que essas decisões deveriam ficar com os estados, governos locais, sistemas de transporte e autoridades de saúde pública.

    Segundo o CDC, os operadores de transportes deveriam garantir que todos os passageiros e funcionários utilizassem máscaras durante toda a viagem, e que deveriam oferecer informações para pessoas que estão comprando ou reservando viagens e/ou transporte sobre a necessidade de uso de máscaras, assim como, onde fosse possível, disponibilizar essa proteção.

  • Donald Trump é levado para hospital após ser diagnosticado com covid-19

    Donald Trump foi levado para o Centro Médico Militar Nacional Walter Reed para observação dos sintomas de covid-19 nesta sexta-feira (2). O presidente norte-americano foi diagnosticado com coronavírus.

    Trump está com tosse e febre baixa, de acordo com duas pessoas ouvidas pelo jornal The New York Times. O vice-presidente Mike Pence, Joseph R. Biden Jr. e a palestrante Nancy Pelosi tiveram resultados negativos.

    Trump, e a primeira-dama, Melania Trump, "estão bem" e apresentam sintomas leves, informou o médico da família, Sean Conley. Trump anunciou pouco antes que ele e Melania estão infectados com o novo coronavírus.

    Conley informou ainda, em nota, que Trump vai permanecer trabalhando, apesar do isolamento imposto pela covid-19. O presidente americano cancelou um comício que faria nesta sexta-feira na Flórida, mas confirmou a participação em uma conferência telefônica em apoio a idosos vulneráveis à doença.

  • Estados Unidos suspendem restrição de voos saídos do Brasil

    Os Estados Unidos decidiram suspender a restrição dos voos saídos do Brasil. O Departamento de Segurança Interna (DHS) dos EUA anunciou a suspensão, que valerá a partir de segunda-feira (14). Além do Brasil, também foram incluídos na decisão a China (excluindo as regiões administrativas de Hong Kong e Macau), Irã, região Schengen da Europa, Reino Unido (excluindo territórios estrangeiros fora da Europa) e Irlanda do Norte.

    A região Schengen da Europa é composta por Alemanha, Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Estônia, Grécia, Espanha, França, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Liechtenstein, Hungria, Malta, Países Baixos, Polônia, Portugal, Eslovênia, Eslováquia, Finlândia, Islândia, Noruega, Suécia e Suíça.

    A restrição de voos saídos do Brasil teve início em 28 de maio. Outros países tiveram a restrição imposta antes. O governo dos EUA informou que está mudando sua estratégia em relação à prevenção da covid-19 e “priorizando outras medidas de saúde pública” para reduzir o risco de transmissões relacionadas a viagens. Segundo o governo, há um melhor entendimento sobre as formas de transmissão do vírus.

    “Hoje temos um melhor entendimento sobre a transmissão da covid-19, que indica que sintomas baseados em processos de triagem tem eficácia limitada porque pessoas com covid-19 podem não ter sintomas ou febre no momento da triagem, ou apenas sintomas leves”, informou a embaixada dos EUA no Brasil.

    Dentre as ações a serem adotadas pelos Estados Unidos a partir de agora estão a prestação de informações sobre saúde para passageiros antes, durante e depois do voo; a possibilidade de testagem para reduzir o risco de transmissões do vírus, a ampliação dos treinamentos e informações para parceiros do setor de transporte e portos para garantir o reconhecimento da doença e imediata notificação ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC); recomendações depois da chegada de passageiros para que monitorem a si mesmos e tomem precauções, incluindo ficar em casa por até 14 dias, dentre outras medidas.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.