Sábado, 25th Maio 2019
7:15:32am
"Se Bebianno me cobrar o mínimo, eu to fod...", diz Bolsonaro em novo áudio vazado

"Se Bebianno me cobrar o mínimo, eu to fod...", diz Bolsonaro em novo áudio vazado


Mais um dia, mais um áudio. Em conversa com Onyx Lorenzoni (DEM), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) pediu para que o ministro da Casa Civil negocie um acordo com Gustavo Bebianno, exonerado na segunda-feira da Secretaria-Geral da Presidência da República, de acordo com gravação divulgada nesta quarta-feira pelo jornal O Globo. Além de ex-ministro, Bebianno é advogado de Bolsonaro em processos judiciais. "Você vai conversar com ele sobre as ações?", pergunta Bolsonaro a Lorenzoni. "Se ele me cobrar individualmente o mínimo, eu estou fodido. Tem que vender uma casa minha para poder pagar", acrescentou o presidente.


No áudio, que foi obtido pelo jornal O Globo no momento da conversa após uma ligação "aparentemente acidental" - frisa o jornal - de Lorenzoni ao jornalista nesta quarta, o ministro da Casa Civil também mostra estar negociando com Bebianno uma espécie de armistício. Ele menciona informação da Folha de S. Paulo, publicada nesta quarta, que afirma que Bebianno estaria juntando documentos sobre a campanha de Bolsonaro e o período em que ficou no Governo. Lorenzoni garante ao presidente que o ex-ministro não dará mais nenhuma palavra.

"A Folha deu uma nota e o [portal] Antagonista acabou de reproduzir e ele [Bebianno] acabou de ligar e pediu para tirar. Que é o seguinte… Que ele estava preparando documentos e não sei o quê para atacar. Ele disse ao Jorge [possivelmente Jorge Oliveira, subchefe de Assuntos Jurídicos do Planalto, segundo O Globo]: 'O que eu tinha para fazer, eu fiz ontem. Eu não dou mais nenhuma palavra, acabou tudo ontem. Eu to te dando a minha palavra. Ok?' Então, agora, no fim da tarde, para tu saber, eu vou lá dar uma conversada com ele", disse Lorenzoni ao presidente.

Ao jornal O Globo Bebianno disse que não irá cobrar o presidente pelos processos judiciais. "O trabalho foi feito por acreditar na causa, ele não deve nada pra mim e nem para os advogados que engajei".

Este é o segundo dia consecutivo em que áudios de conversas de Bolsonaro são vazados para a imprensa, desta vez no mesmo dia da apresentação da reforma da Previdência para o Congresso. Na terça-feira, a revista Veja divulgou os áudios de WhatsApp entre Bebianno e Bolsonaro que comprovam que os dois conversaram durante a estadia do presidente no hospital. Carlos Bolsonaro havia chamado Bebianno de mentiroso após o então ministro afirmar que estava conversando normalmente com o presidente, apesar das denúncias da Folha de S. Paulo sobre desvio de dinheiro público para candidaturas laranjas no PSL.

Leia a transcrição do novo áudio vazado:

Onyx: A Folha deu uma nota e o Antagonista acabou de reproduzir e ele (Bebianno) acabou de ligar e pediu para tirar. Que é o seguinte… Que ele estava preparando documentos e não sei o quê para atacar. Ele disse ao Jorge (possivelmente Jorge Oliveira, subchefe de Assuntos Jurídicos do Planalto): “o que eu tinha para fazer, eu fiz ontem. Eu não dou mais nenhuma palavra, acabou tudo ontem. Eu to te dando a minha palavra. Ok?” Então, agora, no fim da tarde, para tu saber, eu vou lá dar uma conversada com ele.

Bolsonaro: Você vai conversar com ele sobre as ações?

Onyx: Vou conversar com ele sobre as ações.

Bolsonaro: Se ele me cobrar individualmente o mínimo, eu to f… Tem que vender uma casa minha para poder pagar.

Onyx: Deixa eu acertar… deixa eu acertar!

*Com informações do El País 

Itens relacionados (por tag)

  • Nos EUA, Bolsonaro chama manifestantes da educação de 'idiotas úteis'

    Em sua chegada a Dallas, nos Estados Unidos, nesta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que os estudantes em manifestação contra o corte de verbas para a Educação são "massa de manobra" e "idiotas úteis". Em sua opinião, eles são manipulados por uma minoria que comanda as universidades federais.

    — É natural, é natural, mas a maioria ali é militante. Se você perguntar a fórmula da água, não sabe, não sabe nada. São uns idiotas úteis que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais no Brasil — disse o presidente na porta do hotel onde ficará hospedado, cercado de manifestantes a seu favor.

    Bolsonaro ainda afirmou que não gostaria de fazer o corte, mas culpou a situação herdada dos governos anteriores:

    — Na verdade não existe corte. O que houve é um problema que a gente pegou o Brasil destruído economicamente também, com baixa nas arrecadações, afetando a previsão de quem fez o orçamento, e se não tiver esse contingenciamento eu simplesmente entro contra a lei de responsabilidade fiscal. Então não tem jeito, tem que contingenciar. Mas eu gostaria (que não cortasse) nada, em especial na educação.

    Bolsonaro reiterou que a educação está deixando muito a desejar no Brasil:

    — Se você pega as provas, que acontecem de três em três anos, está cada vez mais ladeira abaixo — disse. — A garotada, com 15 anos de idade, na oitava série, 70% não sabe uma regra de três simples. Qual o futuro destas pessoas? Fala-se que tem muito desempregado, 14 milhões, mas parte deles não tem qualquer qualificação porque esse cuidado não teve pelo PT ao longo de 13 anos.

    Fonte: O Globo

  • Bolsonaro afirma que poderá acabar com horário de verão

    O presidente Jair Bolsonaro declarou nesta sexta-feira (5) que deve acabar com o horário de verão já neste ano.

    A declaração foi dada durante café da manhã com jornalistas convidados no Palácio do Planalto.

    Segundo Bolsonaro, “está quase batido o martelo” sobre o tema.“Não teremos horários de verão este ano, está quase certo”, disse o presidente.

    De acordo com Bolsonaro, a sugestão do fim do horário de verão é do deputado João Campos (PRB-GO) e foi discutida com o Ministério de Minas e Energia.

    O fim do horário de verão chegou a ser avaliado em 2017 pelo governo do ex-presidente Michel Temer. Na época, o Ministério de Minas e Energia apontou que a economia gerada havia caído de R$ 405 milhões para R$ 159 milhões.

    O motivo da queda na economia foi a mudança no perfil de uso da energia: os picos de consumo estavam nas horas mais quentes do dia devido ao ar-condicionado.

    Em 2018, o início de vigência do horário de verão precisou ser alterado para não coincidir com a data da eleição. No entanto, o adiamento causou outro problema porque coincidiu com a data de início das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A mudança causou apreensão porque poderia confundir os candidatos em relação ao fechamento dos portões. 5,5 milhões de estudantes estavam inscritos para a prova.

    De acordo com o ministério, o Brasil economizou pelo menos R$ 1,4 bilhão desde 2010 por adotar o horário de verão. Segundo números já divulgados, entre 2010 e 2014, o aproveitamento da luz do sol resultou em economia de R$ 835 milhões para os consumidores – média de R$ 208 milhões por "temporada".

    Horário de Verão
    No horário de verão, parte dos estados do país adianta o relógio em uma hora, geralmente entre os meses de outubro e fevereiro. O período de vigência do horário de verão é variável, mas, em média, dura 120 dias.

    O objetivo é economizar energia elétrica, retardando o início da noite e, assim, diminuindo, por exemplo, o acionamento de lâmpadas.

    O Horário Brasileiro de Verão foi instituído pelo então presidente Getúlio Vargas, pela primeira vez, entre 3 de outubro de 1931 até 31 de março de 1932. Sua adoção foi posteriormente revogada em 1933, tendo sido sucedida por períodos de alternância entre sua aplicação ou não, e também por alterações entre os Estados e as regiões que o adotaram ao longo do tempo.

    horario-de-verao

    No mundo, o horário diferenciado é adotado em 70 países - atingindo cerca de um quarto da população mundial.

    O horário de verão é adotado em países como Canadá, Austrália, Groelândia, México, Nova Zelândia, Chile, Paraguai e Uruguai.

    Por outro lado, Rússia, China e Japão, por exemplo, não implementam esta medida.

    Fonte: G1

  • Bolsonaro anuncia 13º do Bolsa Família na semana que vem

    O presidente Jair Bolsonaro confirmou hoje (4) que o governo pagará o 13º benefício do Bolsa Família no final deste ano. A medida está entre as metas dos primeiros 100 dias de governo e será oficialmente anunciada na próxima semana, em um evento no Palácio do Planalto.

    "O 13º do Bolsa Família será anunciado na semana que vem, para atingir diretamente os mais necessitados. O recurso virá do combate a fraude [no programa]", afirmou Bolsonaro, durante transmissão ao vivo em sua página no Facebook.

    Na live, o presidente estava acompanhado dos ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). A transmissão semanal, que começou às 19h, durou pouco mais de 27 minutos.

    Bolsonaro-transmisso-da-live-para-as-redes-sociais
    O presidente Jair Bolsonaro faz transmissão ao vivo ao lado dos ministros de Segurança Institucional (GSI), General Augusto Heleno, da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e da intérprete de libras, Elizângela Castelo Branco. - Marcos Corrêa/PR


    O custo total com o pagamento extra do benefício de combate à miséria será de R$ 2,5 bilhões, como já havia estimado o ministro da Cidadania, Osmar Terra. O Bolsa Família é pago a mais de 13 milhões de famílias pobres do país.

    100 dias
    Segundo Bolsonaro, o governo cumprirá praticamente todas as metas que estavam previstas para os primeiros 100 dias de governo.

    "Semana que vem estaremos aqui entrando no centésimo dia [de governo]. Cada ministro tem sua meta a ser atingida. Pelo que vi até agora, 95% da meta vai ser atingida, o 5% restante [será] parcialmente atingida. Estamos lutando para ver se a gente cumpre 100% da meta", disse.

    Pacote
    Bolsonaro e Moro também comentaram, durante a transmissão, a tramitação do pacote anticrime apresentado pelo governo em fevereiro. O projeto prevê alterações em 14 leis, como Código Penal, Código de Processo Penal, Lei de Execução Penal, Lei de Crimes Hediondos, Código Eleitoral, entre outros.

    O objetivo, segundo o ministro, é endurecer o combate a crimes violentos, como o homicídio e o latrocínio, e também contra a corrupção e as organizações criminosas.

    "O projeto ele foca basicamente o crime organizado, crime violento e corrupção. Ele endurece o tratamento penal para esses crimes, mas além disso traz meio de investigação mais eficazes, para esses tipos de crime, e ele tenta destravar a legislação processual. Não adianta nada endurecer a pena, se o processo não funciona. Então, o processo tem que chegar a um fim em um tempo razoável", afirmou Moro.

    De acordo com o presidente Bolsonaro, há compromisso dos presidentes da Câmara e do Senado em acelerar a tramitação da medida. "Quem decide a pauta na Câmara e no Senado são, respectivamente, o deputado Rodrigo Maia e o senador Davi Alcolumbrepor parte deles, não há qualquer objeção para a tramitação desse projeto. Se Deus quiser, brevemente teremos uma legislação que endureça a pena para quem pratica crimes graves e dificulte a progressão, a saída mais cedo depois de começar a cumprir a pena", assegurou.

    Operação
    Outro tema abordado durante a live do presidente foi a Operação Luz da Infância, de combate aos crimes de abuso sexual e exploração sexual de crianças e adolescentes, deflagrada no último dia 28 de março pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

    Segundo o ministro Sergio Moro, ela inaugurou uma série de operações integradas, entre governo federal e forças de segurança estaduais no combate ao crime organizado. "O que funciona é integrar as atividades da polícia, para agirem juntos em inteligência e operações contra essa criminalidade mais complexa", destacou.

    Fonte: Agência Brasil

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Ad2