Quarta-feira, 21 de Outubro 2020
7:48:21am
Salvador: Bruno Reis larga na 'pole position' para eleições 2020, aponta pesquisa

Salvador: Bruno Reis larga na 'pole position' para eleições 2020, aponta pesquisa

Ainda faltam 70 dias para as eleições municipais, que este ano foi remarcada para 15 de novembro (1º turno), mas o retrato atual mostra um cenário favorável ao vice-prefeito e pré-candidato a prefeito Bruno Reis (DEM). Segundo estudo do Instituto Paraná Pesquisa divulgado ontem, ele é quem soma mais intenções de votos em dois cenários estimulados, com aproximadamente o dobro de pontos percentuais que o segundo colocado em ambos; é, entre os pré-candidatos melhor posicionados o que tem menor rejeição, sendo que todos os adversários apresentam índices superiores a 50%; e, ainda, o que tem o melhor cabo eleitoral, o prefeito de Salvador ACM Neto, cuja administração é aprovada por 83,3% dos eleitores.

Para completar, ele é o segundo mais lembrado na pesquisa espontânea – quando o eleitor cita o primeiro nome que vêm à cabeça pois não recebe ficha com as indicações dos candidatos – alcançando 8,8%. Na frente dele está justamente ACM Neto, com 17,1%. A pesquisa espontânea é um termômetro para medir a consolidação do voto. Quanto mais o nome do político é lembrado espontaneamente, maior é a consolidação de seu eleitorado. A espontânea aponta que 69,8% dos eleitores ainda não têm candidato definido: 58,5% responderam não saber, e outros 11,3% disseram 'Ninguém'.

Na fotografia do momento, o principal adversário de Bruno Reis é o deputado federal Sargento Isidório (Avante) – 1,2% na espontânea e 15,5% e 19,5% nas estimuladas – seguido, a depender do cenário, pela deputada federal Lídice da Mata (PSB), pela deputada estadual Olívia Santana (PCdoB), pela PM Major Denice (PT), pelo deputado federal João Carlos Bacelar, pelo deputado estadual Hilton Coelho (PSOL) (ver gráfico).
À exceção do PSOL, todos os demais partidos estão na base do governador Rui Costa, que pode influenciar o voto dos eleitores, pois sua administração é aprovada por 80,1% dos eleitores O que parece ser bom, pode não sê-lo. São muitos candidatos disputando o mesmo apoio enquanto a base do prefeito tem apenas um concorrente. Bruno Reis, inclusive, cresce tanto quanto Isidório – cerca 4 pontos – no cenário sem a participação de Lídice da Mata.

Potencial
Os números da Paraná Pesquisa apontam que o vice-prefeito também é o candidato com maior potencial de crescimento. 38,3% disseram que podem votar nele (20,7% garantiram que vão votar com certeza; 28,8% que não votariam de jeito nenhum, 9% que não conhece o suficiente e 3,2% não sabe ou não opinou). A rejeição (não votar de jeito nenhum) indica até onde o candidato pode subir, no caso Bruno Reis, ele pode chegar a 71,2% por esse critério. Seus principais adversários, além de terem percentuais menores de votos consolidados (votar com certeza), apresentam possibilidade de teto maior que 50%. As rejeições de Lídice (8,5% de votaria com certeza) , Major Denice (2%) e Sargento. Isidório (10,1%) são, respectivamente, 58,5%, 54,8% e 52,4%.

O índice de desconhecimento, outro indicador que mostra o potencial de crescimento do candidato – que pode conquistar votos à medida que o eleitor passar a conhecê-lo – do vice-prefeito (9%) só não é maior que o de Major Denice (16%). Lídice da Mata, que foi prefeita na década de 90, só é desconhecida por 1,1% do eleitorado; e Isidório é desconhecido por 1% dos eleitores.

Em um dos cenários analisados – o de menor número de candidatos, que excluiu os nomes de Lídice, João Carlos Bacelar, Celsinho Cotrim e Eleusa Coronel – A distância entre o percentual de votos declarados a Bruno Reis e a soma de todos os adversários é de 4 pontos. Essa diferença sobe para 12,9 no cenário com mais concorrentes. Em ambos os casos, a conta exclui as opções 'Nenhum' e 'Não Sei', que em uma aproximação com a realidade seriam considerados como votos inválidos. Quando a soma dos pontos percentuais de votos do líder das pesquisas é maior que a soma das intenções de escolha para os adversários há uma possibilidade de vitória em primeiro turno.

Avaliação de governos
O cenário eleitoral deste momento apresenta ainda uma melhora nas avaliações dos governos do prefeito ACM Neto (DEM), do governador Rui Costa (PT) e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A aprovação da gestão de ACM Neto subiu de 78,5% em maio para 83,3% em setembro. A desaprovação caiu de 18,2% para 13,4%.

Já a aprovação da administração de Rui Costa foi de 77% em maio para 80,1% neste mês. A desaprovação recuou de 18,8% para 16,5%.

A aprovação da gestão do presidente Bolsonaro variou de 26,2% para 32,1%; e a desaprovação caiu de 70,4% para 64,3% entre maio e setembro.

Confira todos os números da pesquisa:

ESTIMULADA CENÁRIO 1

Bruno Reis 34,9%
Sargento Isidório 15,5%
Lídice da Mata 12,9%
Nenhum 12,7%
Não sabe 4,6%
Olívia Santana 4,5%
Major Denice 4,1%
João Carlos Bacelar 4,0%
Cezar Leite 2,7%
Hilton Coelho 2,7%
Celsinho Cotrim 0,9%
Eleusa Coronel 0,5%


ESTIMULADA CENÁRIO 2

Bruno Reis 38%
Sargento Isidório 19,5%
Nenhum 14,8%
Olívia Santana 8,7%
Major Denice 5,4%
Não sabe 5,2%
Hilton Coelho 4,5%
Cezar leite 3,9%


ESPONTÂNEA
Não sabe 58,5%
Ninguém 11,3%
ACM Neto 17,1%
Bruno Reis 8,8%
Sargento Isidório 1,2%
Major Denice 0,9%
Olívia Santana 0,6%
Cezar Leite 0,4%
João Carlos Bacelar 0,4%
Lídice da Mata 0,4%
Outros 0,5%

Rejeição
Lídice da Mata 58,5%
Major Denice 54,8%
Sargento Isidório 52,4%
Bruno Reis 28,8%

Avaliação Administração do prefeito ACM Neto (estimulada)
Aprova 83,3%
Desaprova 13,4%
Não sabe ou não opinou 3,3%

Avaliação da administração do governador Rui Costa (estimulada)
Aprova 80,1%
Desaprova 16,5%
Não sabe ou não opinou 3,4%

Avaliação da administração do presidente Jair Bolsonaro (estimulada)
Aprova 32,1%
Desaprova 64,3%
Não sabe ou não opinou 3,7%

Fonte: Paraná Pesquisas
Registro TSE: BA-04421/2020
Margem de erro: 3,5% para mais ou para menos
Índice de confiança: 95%
Entrevistas - 820 eleitores com 16 anos ou mais realizadas entre os dias 29/8 e 2/9

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.