Bolsonaro sanciona lei que muda regras para transporte rodoviário de passageiros

Bolsonaro sanciona lei que muda regras para transporte rodoviário de passageiros

O presidente Jair Bolsonaro sancionou lei que altera regras para a prestação de serviços de transporte terrestre coletivo de passageiros. O texto, publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 6, define ainda critérios de outorga mediante autorização para o transporte rodoviário.

Uma das modificações veda a venda de bilhete de passagem para transporte não regular interestadual e internacional. Além disso, há limitação do número de autorizações para o serviço regular de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros em caso de inviabilidade técnica e econômica.

A nova lei dispõe ainda que a outorga de autorização deverá considerar exigência de comprovação, por parte do operador, de requisitos relacionados à acessibilidade, à segurança e à capacidade técnica, operacional e econômica da empresa, além de capital social mínimo de R$ 2 milhões.

Bolsonaro vetou dispositivo que estabelecia taxa de fiscalização de R$ 1,8 mil por ano e por ônibus. "O dispositivo vetado representaria um impacto fiscal negativo, tendo em vista que suprimiria a cobrança da taxa de fiscalização do transporte rodoviário coletivo interestadual e internacional de passageiros, o que acarretaria renúncia de receita sem o acompanhamento de estimativa do seu impacto orçamentário e financeiro e das medidas compensatórias", explicou a Secretaria Geral da Presidência, em nota.

 

Itens relacionados (por tag)

  • ACM Neto testa positivo para covid-19 e cumpre agenda remota

    O ex-prefeito de Salvador e pré-candidato ao governo da Bahia ACM Neto (Democratas/União Brasil) testou positivo para a covid-19. Em um vídeo, o político conta que está com sintomas leves e alerta sobre a importância de fazer teste de detecção da doença.

    "A verdade é que tem muita, muita gente contaminada e todos precisam ficar atentos e testar logo nos primeiros sintomas", disse em vídeo.

    Vacinado, Neto ressalta a importância do imunizante. "Graças a Deus essa variante do coronavírus parece ser menos agressiva e tá claro, bem claro, que quem está vacinado tem muito menos chance de agravar". Ele alerta que ômicron vem para alertar que a pandemia não acabou e que é preciso manter os cuidados.

    Neto está isolado em casa e vai cumprir sua agenda de compromissos de forma remota nos próximos dias.

  • Bolsonaro posa ao lado de médicos e anuncia alta de hospital

    O presidente Jair Bolsonaro publicou nas redes sociais que recebeu alta, após passar dois dias internados no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo. Ele foi hospitalizado após passar mal no domingo (2) e ser diagnosticado com uma nova obstrução intestinal.

    No post, o presidente aparece ao lado da equipe médica e cita uma passagem bíblica.

    A obstrução instestinal do presidente foi resolvida após a passagem de uma sonda nasogástrica. A realização de uma nova cirurgia para o o presidente Jair Bolsonaro foi descartada pelos médicos que o acompanharam no hospital, nessa terça-feira (4).

    O médico do presidente Antônio Luiz Macedo, que estava nas Bahamas, interrompeu as férias para acompanhá-lo.

  • Rui diz que Bahia vai aceitar ajuda da Argentina mesmo com recusa do governo federal

    O governador Rui Costa afirmou nesta quinta-feira (31) que vai aceitar qualquer ajuda oferecida por governos de outros países às cidades atingidas pelas chuvas na Bahia, mesmo com a recusa do governo federal. A declaração foi dada após um apoio oferecido pela Argentina ser recusada pelo governo de Jair Bolsonaro.

    "A Argentina ofereceu ajuda humanitária às cidades afetadas pelas chuvas na Bahia, apesar da negativa do Governo Federal. Me dirijo a todos os países do mundo: a Bahia aceitará diretamente, sem precisar passar pela diplomacia brasileira, qualquer tipo de ajuda neste momento", escreveu Rui nas redes sociais.

    Ele continuou: "Os baianos e brasileiros que moram aqui no estado precisam de todo tipo de ajuda. Estamos trabalhando muito, incansavelmente, para reconstruir as cidades e as casas destruídas, mas a soma de esforços acelera este processo, portanto é muito bem-vinda qualquer ajuda neste momento".

    O presidente Jair Bolsonaro comentou mais cedo que o "fraterno oferecimento argentino" não é necessário no momento, porque as Forças Armadas e a Defesa Civil já prestavam o tipo de assistência oferecido à população afetada.

    Bolsonaro disse ainda que "o governo brasileiro está aberto a ajuda e doações internacionais" e disse que o Itamaraty aceitou doações da Agência de Cooperação do Japão (JICA) de barracas de acampamento, colchonetes, cobertores, lonas plásticas, galões plásticos e purificadores de água.

    A Argentina pretendia enviar profissionais especializados nas áreas de água, saneamento, logística e apoio psicossocial para ajudar os moradores baianos, mas o Ministério das Relações Exteriores negou o apoio.

    As chuvas na Bahia deixaram pelo menos 24 mortos até agora.

     

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.