Segunda-feira, 28 de Setembro 2020
7:27:59pm
O Jornal da Cidade

O Jornal da Cidade

A Bahia registrou, nas últimas 24 horas, 49 mortes, 2.128 casos de covid-19 (taxa de crescimento de +0,7%) e 1.977 curados (+0,7%). As informações são do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), divulgado às 18h56 deste sábado (26).

Dos 305.186 casos confirmados desde o início da pandemia, 291.362 já são considerados curados e 7.272 encontram-se ativos. O número total de óbitos por covid-19 na Bahia é de 6.552, representando uma letalidade de 2,15%.

Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (28,32%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Ibirataia (6.517,76), Almadina (6.350,66), Madre de Deus (5.940,36), Itabuna (5.917,75), São José da Vitória (5.108,71).

O boletim ainda contabiliza ainda 604.757 casos descartados e 74.451 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas deste sábado (26).

Na Bahia, 25.746 profissionais da saúde foram confirmados para covid-19.

Mortes
O boletim epidemiológico deste sábado contabiliza 49 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da covid-19.

Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

O número total de óbitos por covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 6.552, representando uma letalidade de 2,15%. Dentre os óbitos, 55,77% ocorreram no sexo masculino e 44,23% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 53,45% corresponderam a parda, seguidos por branca com 17,03%, preta com 15,23%, amarela com 0,81%, indígena com 0,11% e não há informação em 13,37% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 72,59%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (75,72%).

Taxa de ocupação de leitos
Dos 2295 leitos disponíveis do Sistema Único de Saúde (SUS), exclusivos para o novo coronavírus na Bahia, 1029 estão com pacientes internados, o que representa uma taxa de ocupação de 45%. Dos 1027 leitos de UTI (adulto) disponíveis no estado, 523 estão ocupados, o que representa uma taxa de 51%.

Em Salvador, 492 estão ocupados (são 1.096 leitos ativos), o que representa uma taxa de ocupação de 45%. Já os leitos de UTI adulto, que são os que contam para a flexibilização do comércio na capital baiana, estão com 43% de ocupação.

A taxa de ocupação de leitos de UTI pediátrica em Salvador está em 37%. Com relação aos leitos de enfermaria, a capital baiana tem taxa de ocupação de 46% (adulto) e 74% (pediátrico).

Durante agenda em Porto Seguro na manhã desta sexta-feira (25), o governador Rui Costa anunciou que vai autorizar a retomada do transporte coletivo intermunicipal, a partir da próxima segunda-feira (28), em 114 cidades do Sul, Extremo Sul e parte do Sudoeste. Com esta decisão, que será publicada na edição de sábado (26) do Diário Oficial, todos os 417 municípios baianos poderão reabrir os terminais rodoviários.

Apesar da autorização, concedida devido à redução dos casos de contaminação da Covid-19 e desocupação dos leitos nas regiões, o governador salientou a importância de preservar as medidas de segurança necessárias, tais como uso de máscaras, medição de temperatura dos funcionários e passageiros, ocupação de até 50% da capacidade, entre outras providências. "Eu, infelizmente, tenho percebido que, com o decréscimo dos números, muita gente vem relaxando. Um mês, dois meses atrás, nós, praticamente, não víamos ninguém na rua sem máscara. Hoje já vemos em algumas cidades da Bahia", alerta o governador.

De acordo com o secretário de infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti, os protocolos são imprescindíveis para a liberação gradativa do serviço até sua totalidade. "Nós avaliamos semanalmente, junto com o secretário da Saúde, como se comporta a disseminação do coronavírus em função da liberação do transporte. Não tendo um impacto negativo, vamos ampliar, inicialmente, para 70% a capacidade, mas isso ainda será no mês de outubro".

Os outros 303 municípios, pertencentes a seis das nove macrorregiões de saúde do estado da Bahia, tiveram o transporte coletivo intermunicipal liberado desde o dia 14 deste mês.

Agendas em Porto Seguro e Eunápolis

Em Porto Seguro, o governador entregou, nesta sexta (25), obras de pavimentação, inaugurou uma creche e assinou ordem de serviço para construção e reforma de praças públicas. Em seguida, Rui Costa seguiu para Eunápolis onde visitou obras da Policlínica Regional de Saúde e participou da inauguração de uma creche, do Complexo Esportivo Itamar Seixas e da Praça do Esporte e Cultura.

Se você acordar neste domingo, às 8h, com um alto-falante, um carro de som ou coisa parecida entoando um jingle, não estranhe: a partir de 27 de setembro, às 8h, os candidatos a prefeitos ou vereadores no Brasil inteiro estão liberados para iniciar a campanha eleitoral. O jingle, inclusive, pode até chegar a você por um áudio no WhatsApp, ou por um vídeo no Instagram, Twitter e no Facebook. Segundo o TSE, o prazo final para registro de candidaturas é neste sábado, às 19h. Por isso, a partir de domingo, os candidatos já podem começar a pedir votos.

Para Jaime Barreiros Neto, que é professor de Direito da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e analista judiciário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA), a chamada campanha “corpo a corpo” ainda tem um peso muito forte nas eleições municipais, principalmente no interior. Mas, este ano, a internet deve ganhar força. “Claro que com a pandemia, a internet vai ter um peso mais significativo do que teria, porque, em tese, [a pandemia] reduz uma proximidade do eleitor com o candidato”, aponta.

E muita gente já está, inclusive, marcando presença nas redes. Vai caber ao candidato saber dosar o envio de material e evitar ser bloqueado pelo público que, na verdade, quer atingir e que vai ser mais difícil de encontrar nas ruas. Este ano, a resolução que adiou as eleições para novembro também autorizou que os juízes restrinjam determinados tipos de propaganda, desde que a decisão esteja fundamentada pelas secretarias estaduais de saúde.

“Na semana passada tivemos uma reunião entre o TRE-BA e o governo. Atualmente, existe uma portaria da Sesab proibindo aglomerações com mais de 100 pessoas. Então, com base nesta portaria, o juiz eleitoral poderá restringir eventos de campanha com mais de 100 pessoas”, explica Jaime.

Se, por um lado, poderá haver uma limitação de presença de público nas ruas, a internet não impõe tantos limites assim - a não ser o da paciência do internauta. Um candidato pode não ter lá muito tempo de rádio e de TV, mas passar o dia inteiro fazendo lives, se quiser - correndo o risco de gerar uma “aglomeração virtual”. Também não há limite para envio de mensagens instantâneas nem de postagens nas redes sociais, desde que não sejam conteúdos com informações falsas ou ofensivas. Confira o que pode e o que não pode na campanha eleitoral pela internet:

A campanha nem começou e já tem candidato me mandando mensagem. Pode?
Não. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) havia liberado o início da campanha, mas ainda sem pedir votos, no dia 16 de agosto, só que o prazo mudou depois que as eleições foram adiadas para novembro. Agora, a campanha mesmo só pode começar no domingo, dia 27 de setembro – 48 dias antes da véspera do 1º turno. O que os pré-candidatos podem fazer é se apresentar, mostrar suas qualificações, aquelAs que podem fazer dele um bom prefeito ou vereador. Mas, pedir voto antes do prazo legal estabelecido configura propaganda eleitoral antecipada.

O candidato pode me mandar mensagens pelo WhatsApp?
Sim, desde que o seu número tenha sido cadastrado na base de dados DELE GRATUITAMENTE – ou seja, que o candidato, o partido ou a coligação não tenham “comprado” uma base cadastral onde consta o seu número de telefone. Se você não está com disposição pAra uma avalanche de mensagens, não quer mais receber informações sobre aquele candidato ou simpleSmente não forneceu seu núMEro para que ele te mande mensagens, uma alternativa é bloqueá-lo através das ferramentas do próprio aplicativo de mensagens. A outra é pedir para ser descadastrado da lista de envio (leia mais abaixo).

Não quero mais receber mensagens de um ou de mais candidatos, e agora?
É só pedir o descadastramento. A Resolução nº 23.610/2020, em que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabelece as regras da propaganda eleitoral este ano, diz que o envio de mensagens só pode ser feito por meio de aplicativos que permitam o descadastramento – uma espécie de seguro “anti-abuso”. Se não quiser mais receber mensagens, o eleitor pode informar que quer ser descadastrado e o responsável pelo envio tem um prazo de 48 horas para providenciar isto. Qualquer mensagem enviada após este prazo está sujeita a multa de R$ 100 – por mensagem.

Eu posso receber propaganda nas redes sociais?
Pode. Este ano, com a redução da proporção da campanha nas ruas, os candidatos devem apostar ainda mais nas redeS sociais. Além do rádio e da TV, nas ruas, em outdoors, a propaganda está autorizada também na internet, o que inclui, além das mensagens instantâneas, o site oficial do candidato, blogs, redes sociais e aplicativos semelhantes, previamente cadastrados por ele junto à justiça eleitoral. Então, sim, é provável que candidatos comecem a aparecer mais nas redes e QUE você passe a ver uma espécie de “aglomeração virtuaL” com propagandas nos próximos dias. O que não é permitido pela resolução do TSE é contratar o envio de conteúdo em massa. Também fica proibida a veiculação de propaganda em sites de pessoas jurídicas ou da administração pública.

Existe limite de tempo de vídeos ou lives nas redes sociais?
Não. Diferente do cálculo de tempo que cada candidato ou coligação tem para propagnda em rádio e televisão, não há limite de tempo nas redes sociais. Se quiser, o candidato pode ficar ao vivo por 24 horas. Segundo o professor de Direito da Ufba e analista judiciário do TRE-BA, Jaime Barreiros Neto, o candidato é livre para fazer lives o dia inteiro - desde que as plataformas permitam essa duração. Mas, para isso ser efetivo, vai ser preciso ter público. O eleitor não é obrgado a assistir às tranmissões - e, convenhamos, pode até se cansar de tanta informação.

O candidato pode impulsionar conteúdo de propaganda?
Pode, mas há restrições. O pagamento pelo impulsionamento tem que ser feito pelo perfil jurídico do candidato ou do partido. É proibido ainda usar ferramentas para impulsionamento - mesmo que sejam gratuitas - que não façam parte do provedor onde a postagem está hospedada. Por exemplo, o candidato pode impulsionar o conteúdo postado no Instagram pelas ferramentas do próprio aplicativo, mas não pode usar outros meios para alterar o teor ou o alcance daquela publicação – isso pode se configurar como atuação de robôs, o que não é permitido pela legislação.

Existe limite de gastos com a campanha na internet?
Não. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou no dia 1º de setembro deste ano o limite de gastos das campanhas para vereador e prefeito em todos os municípios do Brasil. O valor varia de acordo com o cargo almejado e com o tamanho da cidade. Em Salvador, a campanha para vereador pode custar, no máximo, R$ 451.919,94. Para prefeito, o teto é R$ 16.722.661,99 no primeiro turno e R$ 6.689.064,80 no segundo turno. Se quiser, o candidato pode investir todo o orçamento destinado à campanha em ações na internet. Vai depender de uma estratégia, no entanto, para não cansar o eleitor.

O candidato ou a coligação podem compartilhar conteúdo postado por outra pessoa?
Podem. Mas, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entende que, ao compartilhar o conteúdo, o candidato, o partido ou a coligação também checaram com alguma segurança a veracidade das informações compartilhadas. Se aquele conteúdo for desinformação – as famosas fake news –, eles estão sujeitos às penalidades previstas no art. 58 da Lei n° 9.504/1997, que fala sobre as penas para informação caluniosa, difamatória, injuriosa ou sabidamente inverídica. As publicações falsas podem, inclusive, ser denunciadas pelos eleitores.

O eleitor pode divulgar fake news sem punição?
Não. O eleitor pode se manifestar pela internet, desde que não ofenda a honra ou a imagem de candidatos, que não divulgue fatos que saiba que são inverídicos ou, ainda, que utilize a internet para falsear identidades. Caso esse tipo de prática seja confirmado, o responsável pelo conteúdo pode pagar multa de R$ 5 mil a R$ 30 mil. Segundo o TSE, candidato beneficiado com a divulgação de conteúdo contra as regras também poderá pagar a mesma multa que o autor da postagem, se for comprovado de que sabia previamente o que estava sendo feito e que aquela informação era inverídica.

O eleitor postou conteúdo ofensivo ou inverídico nas redes. Ele pode se negar a conceder direito de resposta?
Não. Se a justiça conceder direito de resposta sobre uma propaganda divulgada na internet, a responsabilidade de divulgar a resposta, no tempo e tamanho estabelecido pela justiça eleitoral, é do usuário responsável pelo conteúdo. Se existir uma plataforma responsável, que validou essa publicação – como um site ou rede social oficial, por exemplo –, cabe à plataforma cumprir a determinação judicial. Mas, se não houver alguém validando aquela publicação, é o próprio autor da postagem quem tem que providenciar um espaço para o direito de resposta da pessoa ofendida. Portanto, vale a dica: cuidado com o que posta.

O transplante de rim do policial civil aposentado Roberto Lopes de Oliveira, 63 anos, marcou o fim de sete anos de hemodiálise e de espera por mais qualidade de vida. Felizmente para ele, em agosto, em plena pandemia do novo coronavírus, um órgão compatível foi doado. “Eu fui abençoado”, descreve o idoso, consciente de que, em 2020, a quantidade de transplantes realizados no estado despencou.

Segundo os dados da Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), a redução de doações e transplantes de órgãos realizados na Bahia entre janeiro e agosto de 2019 e o mesmo período de 2020 foi de 50% (717 em 2019 e 356 neste ano).

E o motivo para essa queda é consenso entre os especialistas ouvidos pelo CORREIO: a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

“No começo da pandemia, ficou praticamente inviável para os pacientes fazerem avaliação pré-transplante, ir a consultas e fazer exames, pois os laboratórios estavam fechados. As cirurgias eletivas também diminuíram e a quantidade de potenciais doadores caiu. Tudo isso fez despencar a quantidade de transplantes realizados”, explicou Rita Barreto, diretora médica do Instituto de Nefrologia e Diálise (Ined) de Salvador.

Esse instituto faz parte da Fresenius Medical Care. A diretora médica nacional, Ana Beatriz, relata que a queda no transplante de órgãos na pandemia é um fenômeno nacional. “A gente sempre estimula o transplante, pois ele dá muita qualidade de vida. Por isso, sempre medimos a quantidade de pacientes que conseguiram transplantar. Vimos que reduziu na pandemia e só a partir de agosto começou a aumentar, mas ainda longe do suficiente”, disse.

Coordenadora do Sistema Estadual de Transplantes da Sesab, Rita Pedrosa explica que cada transplante tem suas particularidades e isso explica as várias oscilações entre os números de acordo com o órgão. Por exemplo, o exame de córnea foi paralisado durante a pandemia porque estudos do Ministério da Saúde apontaram que não é um transplante tão urgente como o de um fígado, que normalmente precisam ser realizados de forma urgente para salvar a vida dos pacientes. O número de transplantes de córnea reduziu em 66% quando comparado ao mesmo período do ano passado.

Outra particularidade é relativa ao transplante de rim, o que registoru a menor queda entre todos os realizados na Bahia, com 23% de retração. Rita Pedrosa explica que pacientes que podem fazer o transplante renal normalmente estão em hemodiálise e apresentam quadros estáveis quando comparados a pacientes que precisam de um fígado ou medula, por exemplo.

"Pacientes renais às vezes optam por não fazer o transplante porque é possível ter uma vida fazendo as hemodiálises regularmente e há o medo do corpo rejeitar o novo órgão ou enfrentar complicações ainda maiores", explicou a especialista.

Um outro fato curioso é a questão dos transplantes de pele. Em 2019 não houve nenhum procedimento do tipo aqui na Bahia. Já em 2020, com pandemia e tudo, foram dois transplantes desse órgão aqui no Estado. Rita Pedrosa atribui esse fato à pouca informação de que é possível realizar esse procedimento aqui na Bahia, mais especificamente no Hospital Geral do Estado (HGE), em Salvador.

"Não temos um banco de pele aqui, o que temos é um local que realiza esse transplante, que é o HGE. Então não é comum porque normalmente os transplantes de pele acontecem onde se tem o banco, casos de São Paulo ou Rio Grande do Sul. Ainda é pouco informado aqui na Bahia sobre essa situação de termos médicos capacitados a realizar o transplante. Como ele é pouco divulgado, acredito que seja esse o motivo de ter tão poucos procedimentos", afirmou.

A pandemia impôs vários desafios para a Central de Transplantes do Estado. Para a coordenadora, o principal foi o de não deixar os transplantes caírem em esquecimento, mesmo com a necessidade de reduzir a intensidade dos trabalhos. Por conta disso, foram realizadas lives, rodas de conversa virtuais e ações educativas para que o tema continuasse permeando o imaginário dos profissionais e dos pacientes. "Em agosto, que foi um mês de platô da pandemia, tivemos 25 transplantes renais, que é um número expressivo num momento tão grave como a pandemia", disse Pedrosa.

No país
Segundo os dados do Ministério da Saúde, em todo o país, de janeiro a julho de 2019, foram realizados 15.827 transplantes. No mesmo período de 2020, o número de procedimentos foi de 9.952. Isso representa uma queda de 37%. Até 31 de julho, eram 46 mil pessoas aguardando por transplante.

Uma delas é o baiano Moisés Oliveira dos Santos, 54 anos, que há dois anos espera por um rim. Sobre a queda no número de transplantes, ele diz que não foi uma surpresa. “Eu já esperava por isso, pois a pandemia fez com que muitas pessoas morressem de forma muito trágica, o que impediu a doação. Resta a mim pedir forças a Deus para seguir na hemodiálise e sem ser contaminado pelo vírus”, afirma.

A doutora Ana Beatriz explicou que Mateus está correto quando diz que pessoas que morreram infectadas pelo coronavírus não podem ser doadoras de órgãos. ”A gente ainda desconhece a doença. Não se estabeleceu com coerência se o vírus pode estar circulando e contaminando as pessoas que receberem o órgão. Não se transplanta com qualquer infecção que seja, a não ser que haja uma bem controlada”, explicou.

Para um órgão ser doado, tem que ter o diagnóstico de morte encefálica. “A covid-19 geralmente não é isso. Quem doa é quem sofre acidentes, que reduziram no início da pandemia, Acidente Vascular Cerebral (AVC), traumatismo craniano, dentre outros problemas”, explicou a doutora Rita Barreto, do Ined. O local é especializado no tratamento de pacientes renais.

Estado
Na Bahia, a redução de transplantes de rins foi de 23%, a menor em comparação aos outros órgãos transplantados no estado, segundo a Sesab. A maior redução foi de medula (66%), seguido pela córnea (62,8%). Em um caso atípico, a pele foi o único órgão que registrou aumento no número de transplantes, mas pelo fato de no ano passado nenhum procedimento ter sido realizado no estado. Neste ano, apenas dois ocorreram (veja números abaixo).

A médica nefrologista Carolina Neves, que realiza transplantes pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Hospital Ana Nery, comemorou o fato da Bahia, mesmo no auge da pandemia, não ter parado de realizar as operações. “De fato, houve uma queda, mas o estado da Bahia não fui um dos piores. Nunca paramos a atividade transplantadora. Nunca fechamos o serviço. Tínhamos uma média de 15 a 20 por mês. No pico, isso reduziu para três ou cinco, mas nunca paramos completamente, por ser uma atividade essencial”, disse.

Cárdio Pulmonar
Carolina também trabalha no Hospital Cárdio Pulmonar, que em outubro vai passar a realizar transplante de rim. Vai ser a primeira vez que esse hospital realizará transplante de órgãos. “Nós fomos credenciados para isso em junho, após um processo de avaliação demorado do Ministério da Saúde. Eles avaliam a qualidade do hospital e a estrutura para realização da operação e acompanhamento”, explicou.

“Dentro da nossa proposta do cuidado integral do paciente renal, vamos dar um novo caminho de tratamento. Isso vai contribuir com a sociedade baiana e com a medicina local, já que, na Bahia, apenas o São Rafael realiza o procedimento na rede particular e Ana Nery, Roberto Santos e Pedro de Alcântara, em Feira de Santana, fazem pelo SUS”, lembrou.

Ainda não há uma estimativa de até quantos transplantes poderão ser realizados na unidade, o que vai depender da demanda. “O Cárdio Pulmonar não é um hospital público como o Ana Nery, onde trabalho. Lá será diferente, pessoas que tem um plano de saúde. Aproximadamente 15% de todos os pacientes que fazem diálise possui um plano. Desses, 40% são elegíveis para transplante. Eles terão o Cárdio Pulmonar como opção”, concluiu.

Doações de órgãos na Bahia, entre janeiro e agosto:

Múltiplos órgãos
2019: 111
2020: 85
Redução de 23%

Córnea
2019: 510
2020: 228
Redução de 45%

Transplantes de órgãos realizados na Bahia entre janeiro a agosto:

Fígado:
2019 - 28
2020 - 18
Redução de 35.5%

Rim:
2019 - 204
2020 - 157
Redução - 23%

Córnea:
2019 - 455
2020 - 169
Redução - 62.8%

Medula:
2019 - 30
2020 - 10
Redução - 66%

Pele:
2019 - 0
2020 - 2

Chegou ao fim a relação entre Luis Suárez e o Barcelona. Seis anos depois de sua contratação, o centroavante uruguaio de 33 anos disse adeus ao Camp Nou nesta quinta-feira (24) em uma entrevista coletiva cheia de emoção. Novo jogador do Atlético de Madrid, o jogador chorou ao falar sobre a sua passagem pelo clube catalão.

"Foi um sonho que virou realidade, mas nunca imaginei chegar a estes números. Acho que devemos sempre dar o nosso melhor porque nunca sabe quantos anos podemos durar. Estou mais do que orgulhoso e satisfeito com os anos espetaculares e maravilhosos que passei no Barcelona", disse Suárez, que se emocionou depois de ouvir as palavras de agradecimento do presidente Josep Maria Bartomeu.

O uruguaio participou, ao todo, de 283 jogos e marcou 198 gols pelo Barcelona. Ele é o terceiro maior artilheiro da história do clube. Além disso, conquistou quatro edições do Campeonato Espanhol, quatro da Copa do Rei, duas da Supercopa da Espanha, uma da Liga dos Campeões da Europa, uma do Mundial de Clubes da Fifa e uma da Supercopa da Europa.

"Levo daqui muitos momentos na memória. Muitos troféus e alguns maus momentos também, mas prefiro me lembrar da primeira LaLiga (Campeonato Espanhol), de chegar à Champions (Liga dos Campeões), de fazer um gol, de jogar com jogadores maravilhosos que costumava ver no PlayStation. Depois, a despedida... Cada jogador tem a sua maneira de se despedir e de viver. Ter os meus colegas e a minha família é o que levo comigo", afirmou Suárez.

O centroavante indicou que a sua saída tem como motivo a opção do técnico holandês Ronald Koeman, contratado para esta temporada.

"Por mais que se tenha contrato, os clubes e os jogadores precisam de trocas. Neste caso foi que o treinador não contava comigo. Saio sabendo que cumpri as expectativas, como terceiro melhor artilheiro da história e feliz por deixar uma bela marca para que se lembrem de mim por tudo que fiz nos momentos bons e maus. Também tive momentos maus, temos que ser autocríticos", admitiu.

"Quando o treinador me comunicou que não contava comigo, eu já estava à espera porque já tinha sido dito antes. Mas posso aceitar, tenho um contrato e vou continuar treinando até conseguir uma solução como profissional que sou. O treinador não teve problemas", acrescentou Suárez, lembrando depois do acerto com o Atlético de Madrid.

"Quando o Barça me disse que não contava comigo, me colocou no mercado. Houve muitas ofertas, mas não tive dúvidas quando me ofereceram a oportunidade de ir para o Atlético de Madrid".

Questionado sobre o que o craque e amigo Lionel Messi tinha dito sobre a sua mudança de clube, Suárez admitiu que nada. "É uma coisa estranha porque vou embora, primeiro, e depois porque vou para um rival direto. Mas já nos enfrentamos entre Argentina e Uruguai. Isso não afetará o relacionamento pessoal que temos", garantiu.

O governo da Bahia, através da Bahiafarma, formalizou a parceria com o laboratório ucraniano Indar para a construção da primeira fábrica de insulina do hemisfério sul. A reunião foi realizada nesta quinta-feira (24). Na quarta (23), o governador havia discutido a parceria com a presidente da Indar, Liubov Vishnevska.

“Todo o ciclo fabril será realizado aqui no município, o que envolve a fabricação do insumo farmacêutico ativo da insulina e o envase. É um projeto de três a quatro anos, e pretendemos iniciar a parte de implementação fabril já no início de 2021”, explica o diretor-presidente da Bahiafarma, Tiago Moraes.

A Bahiafarma é detentora da Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) de insulina humana e tem como desafio tecnológico nacionalizar a produção deste insumo essencial. Essa PDP garante que o Ministério da Saúde adquira da Bahiafarma 50% da demanda nacional do SUS.

A fábrica será construída na cidade de Dias D’Ávila e a expectativa é que sejam gerados 400 empregos. A lei que institui a Companhia Baiana de Insulina (Bahiainsulina) foi sancionada pelo governador Rui Costa, no último mês de agosto.

Após cair ao longo do primeiro ano de governo, a popularidade do presidente Jair Bolsonaro disparou agora em setembro, na comparação com dezembro do ano passado. Pesquisa realizada pelo Ibope a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que a fatia da população que considera o governo ótimo ou bom é de 40%, 11 pontos a mais do que em dezembro de 2019 (29%). O índice é o maior desde o início do mandato.

A avaliação negativa, ou seja, aqueles que classificam a administração federal como ruim ou péssima caiu de 38% para 29% em nove meses. Entre uma pesquisa e outra, o País enfrentou a pandemia de covid-19, que matou 139.065 pessoas até quarta-feira, 23, de acordo com dados de levantamento feito por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL. Nesse período, o governo liberou um auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais e desempregados. Bolsonaro, porém, foi criticado pela postura em relação à crise sanitária.

O Ibope também perguntou os entrevistados se aprovam ou desaprovam a maneira do presidente administrar o País. Nesse quesito, a aprovação pessoal de Bolsonaro subiu de 41% para 50%, voltando ao nível observado em abril de 2019 (51%). Foram consultadas 2 mil pessoas em 127 municípios no período de 17 a 20 de setembro. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Em relação à primeira pesquisa do Ibope no governo Bolsonaro, em abril de 2019, a avaliação positiva do governo está maior. O presidente tinha 35% de ótimo e bom no início da administração e agora tem 40%. Entre os entrevistados, 29% consideram a gestão do chefe do Planalto como regular.

O desfile de escolas de samba do Rio de Janeiro de 2021 foi adiado para uma data ainda não definida. A decisão, tomada de forma unânime, foi comunicada nesta quinta-feira (240 pela Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa).

“Em função de toda essa insegurança, essa instabilidade em relação a área da ciência, de não saber se lá em fevereiro vamos ter ou não a vacina, chegamos à conclusão que esse processo tem que ser adiado. Não temos como fazer em fevereiro – as escolas já não vão ter tempo nem condições financeiras e de organização de viabilizar até fevereiro”, disse, ao G1, Jorge Castanheira, presidente da Liesa.

Com os desdobramentos da pandemia da Covid-19, os trabalhos nos barracões das escolas de samba do Rio de Janeiro ainda não tiveram início. Os presidentes entenderam que a realização do carnaval na data normal, em fevereiro, seria um grande desafio de tempo e logística.

Fonte: G1

Em operação para desarticular uma organização que utiliza o Porto de Salvador para escoar drogas para a Europa, a Polícia Federal prendeu preventivamente dois motoristas de caminhão suspeitos de tráfico internacional de entorpecentes e cumpriu cinco mandados de busca e apreensão na capital, em ação iniciada na última semana. Um terceiro mandado de prisão preventiva ainda está em aberto.

Os mandados são relacionados com a apreensão de 3 toneladas de cocaína no Porto de Salvador desde 2018. O primeiro suspeito foi preso na última quinta-feira (17), já o segundo foi detido na sexta (18). Os detidos são motoristas que transportavam a droga para o porto e serão indiciados pelos crimes de tráfico internacional de entorpecentes. O suspeito que ainda não foi encontrado cooptava novos condutores para o esquema. Nesta semana, foram realizadas as buscas e apreensões em Salvador.

As investigações são fruto de apreensões de drogas realizadas por meio de ações conjuntas de fiscalização da Polícia Federal com a Receita Federal no Porto de Salvador. Anteriormente, outros mandados de prisão preventiva e busca e apreensão foram cumpridos no âmbito da operação, que continua atuante mesmo após as últimas detenções. Segundo o órgão que trata do controle aduaneiro, já foram apreendidas mais de 6 toneladas de cocaína no porto da capital neste ano. Na Bahia, a quantidade já passa das 10 toneladas só em 2020.

“Já cumprimos outros mandados antes desses. É uma ação contínua para identificar os envolvidos e descapitalizar a organização criminosa. Não estamos focados apenas na apreensão da droga. Desejamos identificar o patrimônio, de recursos e a rede existente, dos traficantes para poder coibir o tráfico e reduzir o poder do grupo”, explica o delegado da Polícia Federal, Rodrigo Mota, que chefia a Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal na Bahia.

No Brasil, foram apreendidas 32,4 toneladas de cocaína nos portos até julho de 2020, segundo a PF. A quantidade já ultrapassou o total de 2018, que fechou o ano com 32,3 toneladas interceptadas. Em 2019, o total do entorpecente apreendido nos portos brasileiros foi de 66,8 toneladas.

Esquema
O esquema montado para enviar a cocaína para a Europa conta com o apoio de motoristas de caminhões que levam produtos de exportação para o porto. Primeiramente, relata o delegado da PF, os condutores são cooptados pela organização, em seguida, eles passam a informar o grupo sobre as cargas que serão transportadas. Com base no material e seu destino, é enviada a ordem para que a motorista desvie do seu caminho antes de chegar no porto para colocar a droga junto com o material legal de exportação. Em uma viagem, o motorista ganha entre R$ 50 mil e R$ 70 mil.

Em caso de êxito do esquema, a cocaína é enviada para a Europa, principalmente, para os portos de Roterdã, na Holanda, e Antuérpia, na Bélgica. De acordo com o auditor-fiscal Marconi Andrade, da Receita Federal, que é responsável por fiscalizar as importações e exportação portuárias, pelo menos, um navio sai semanalmente de Salvador em rota direta à Europa.

“Os navios que saem de Salvador seguem diretamente para algum porto da Europa ou do Marrocos, com cerca de 600 contêineres.Também existe a rota para a América do Norte, mas nesta não é encontrada muita droga. Enviar a cocaína pelo mar é uma forma de conseguir mandar uma grande remessa do entorpecente de uma só vez”, afirma o auditor-fiscal. Segundo ele, até hoje, não foi encontrada nenhum outro tipo de droga no porto de Salvador.


Parte da droga foi encontrada em caixas de frutas qeu seriam enviadas para a Europa (Foto: Divulgação/Polícia Federal)
Procurada, a Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) afirma investir na segurança portuária com “ações que envolvem atividades de inteligência, capacitação da Guarda Portuária, instalação de barreiras físicas e modernização do sistema de controle de acesso dos Portos administrados pela Companhia”. De acordo com a empresa, em média, 60 navios partem, mensalmente, do Porto de Salvador com destino a Europa.

A ação não é exclusividade soteropolitana, mas a capital está entre os três portos do Brasil na ocorrência de crimes do tipo, junto com o de Santos e de Paranaguá, informa o delegado da PF. O auditor-fiscal complementa que as organizações criminosas atuam em vários locais para escapar da fiscalização mais pesada.

“Quando aperta em um porto, eles migram para outro. Essa é uma atividade muito rentável. A organização criminosa não busca apenas a vulnerabilidade do porto, mas também a logística dele, como ele funciona e quais rotas atende”, explica Andrade.

Fiscalização
O trabalho de fiscalização no Porto de Salvador vem se intensificando nos últimos dois anos, garante o delegado da PF. O aumento na fiscalização permitiu que mais cocaína pudesse ser apreendida na capital, mas a maior quantidade de droga interceptada também é consequência do crescimento da atuação dos traficantes.

Em 2017, segundo a receita federal, foram interceptadas 2 toneladas da droga no Porto de Salvador, a quantidade caiu para 1,5 tonelada em 2018, subindo para 2,1 em 2019, até chegar às mais de 6 toneladas neste ano.

Mesmo com toda a fiscalização, parte da droga acaba chegando na Europa, por isso, não é possível precisar a quantidade que é exportada. A Polícia Federal e a Receita Federal mantém contato direto com os agentes fiscalizadores dos portos europeus já que parte do entorpecente é interceptada ao chegar no continente.

Tecnologia
Os órgãos possuem um esquema tecnológico para conseguir impedir o envio de drogas para o exterior por meio do porto. Segundo o auditor-fiscal, um cruzamento de dados aponta quais containers possuem maior chance de carregarem as mercadorias ilegais. As cargas suspeitas passam por uma fiscalização manual. Além disso, todos os produtos enviados para a Europa e o Marrocos passam por um scanner e toda mercadoria que entra no porto é registrada. O trabalho é árduo já que 25 mil contêineres passam pelo Porto de Salvador por mês, estima a Receita Federal.

“Temos que usar um trabalho de inteligência com o apoio da tecnologia, que é a área que mais temos investido atualmente. Com isso, buscamos conseguir achar o alvo correto nesse universo gigante de containers”, afirma Andrade.

Após a apreensão da droga, as investigação ficam apenas por parte da Polícia Federal. Todas as informações sobre a carga são compartilhadas com o órgão para que seja possível identificar os suspeitos de cometer o crime.

Rota da cocaína
O Brasil não produz a cocaína, mas é principal responsável por escoar a droga para a Europa, afinal, o uso do oceano atlântico reduz as distâncias que o entorpecente deve percorrer para chegar ao velho continente. Segundo o delegado da PF, Bolívia, Peru e Colômbia são os produtores da substância, que tem na Europa seu grande mercado consumidor.

A PF acredita que se trata de vários grupos que atuam de forma separada em prol do tráfico internacional da cocaína. Ou seja, uma organização é responsável por cada passo do processo, desde a produção da droga até a distribuição para os consumidores do outro lado do Atlântico.

Além de ser um grande mercado consumidor, o envio da cocaína para a Europa permite que a droga escoe para outros continentes, como a Ásia, ressalta o auditor-fiscal. Os Estados Unidos recebem o entorpecente por outras rotas.

Apreensões de cocaína no Porto de Salvador em 2020

31 de janeiro: uma carga de mais de 1.2 toneladas de cocaína foi apreendida em meio a uma remessa de celulose com destino ao Porto de le Havre, na França.
25 de fevereiro: foram apreendidos 650 kg da droga em uma carga de limão com destino ao Porto de Roterdam, na Holanda.
20 de abril: foram interceptados 800 kg do entorpecente em um carregamento de manga, com destino ao Porto de Roterdã.
27 de abril: uma carga de 1,13 toneladas da droga foi apreendida em meio a uma remessa de manga para o Porto de Roterdã
11 de maio: uma remessa de 550 kg de cocaína foi apreendida em uma carga de uva, com destino ao porto de Roterdã
15 de junho: um carregamento de 673 kg foi apreendido em uma carga de coquinhos secos, com parada no porto de Roterdã e destino ao Egito
14 de agosto: foram apreendidos 915 kg da droga em meio a uma carga de fumo, com destino ao Porto de Antuérpia, na Bélgica
Recentemente, um carregamento de 340 kg de cocaína foi apreendida, mas a data não foi divulgada devido às investigações do caso

Uma criança de 5 anos vítima de disparo de arma de fogo, no município de Conde, foi transportada para Salvador em aeronave do Grupamento Aéreo (Graer) da Polícia Militar nesta quinta-feira (24).

Por volta das 12h, a Central do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) de Camaçari realizou contato com a Central de Operações do Graer da PM solicitando o resgate aeromédico da criança.

Durante a coleta de dados realizada pelo tripulante operacional do Graer, uma equipe do Hospital Municipal do Conde, por iniciativa própria, deslocou com a criança a bordo de uma ambulância básica para Salvador.

Diante do cenário, a aeronave decolou para interceptação da ambulância, o que aconteceu nas imediações de Barra de Pojuca, sendo necessário o pouso na rodovia. A criança foi transferida para a aeronave. A ambulância só chegaria em Salvador em 2h, na aeronave o trajeto durou 15 minutos até o pouso no heliponto do Departamento de Polícia Técnica (DPT), onde prepostos do Samu aguardava para realizar a condução da vítima para o Hospital Geral do Estado.

Pagina 1 de 251