Surto em Salvador provoca corrida às emergências e farmácias

Surto em Salvador provoca corrida às emergências e farmácias

Segundo especialistas, o fenômeno é comum nesta época do ano. “Nesse período de outono-inverno, já esperamos um aumento da procura por unidades de emergência por pacientes com sintomas virais; é época de umidade, menos calor. Mas outra coisa que precisamos levar em conta é a retomada das atividades e a flexibilização do uso de máscaras. Isso acaba favorecendo a circulação de vírus respiratórios através das secreções que transmitimos ao falar, tossir e espirrar”, diz a infectologista da Secretaria Municipal de Salvador (SMS), Adielma Nizarala.

“Parecia que ia ficar igual uva passa de tanta água que perdi”, “Tô me acabando pelo fundo igual balaio velho”, “Virei rei. Desde 3 da manhã indo ao trono”. Salvador vive um surto de virose e, como perrengue na Bahia vira logo motivo de piada, esses são alguns dos relatos publicados no Twitter por quem pegou a doença. Apesar da corrida para as emergências e farmácias, autoridades de saúde garantem que não há motivo para alarme.

“Estamos observando uma quantidade maior de pacientes em Salvador procurando as emergências e UPAs por conta de quadro intestinal com diarreia, náusea, vômito, dor abdominal e alguns com febre e sintomas respiratórios”, coloca a infectologista do Hospital Aliança Áurea Paste. A virose não é específica de Salvador, já há relatos de surtos também em cidades do Rio Grande do Norte, Santa Catarina e Pará, por exemplo.

A estudante Alana Soares, de 22 anos, foi uma das infectadas. Ela diz que não chegou a procurar atendimento médico. “Eu tive ainda em abril. Passei o dia todo indo ao banheiro com diarreia e vômito. Aí veio logo um mal estar, uma fraqueza. Mas fui colocando iogurte, fruta e água de côco para dentro e melhorei. No dia seguinte, ainda fiquei com uma diarreia leve, mas, no terceiro dia, acordei como se nada tivesse acontecido”, lembra.

A farmacêutica Débora Almeida diz que, há cerca de uma semana, vem aumentando a procura por medicamentos para tratar viroses. “Tem muita demanda por probióticos e soro de reidratação oral, os clássicos para dor de barriga e vômito. E muitos colaboradores das farmácias estão apresentando esses sintomas também”, conta. Além desses, outros medicamentos procurados são os xaropes, para tosse, e pastilhas para garganta por conta de incômodo e rouquidão.

Que vírus é esse?

No Twitter, alguns relatos mencionaram que médicos deram o diagnóstico de rotavírus para quem apresentou como principal sintoma a diarreia. “Eu peguei e foi uma desgraça!!! Rotavírus segundo os médicos, e disse que tava um surto mesmo. Quando fui atendida vários estavam lá com o mesmo sintoma, terrível terrível”, trouxe uma das publicações. “Rapaz, a médica deu a ideia a minha mãe na emergência que era um surto de rotavírus, que tá todo mundo assim”, apontou outra.

A infectologista Adielma Nizarala explica que, mesmo com a diversidade de sintomas apresentados, é possível que o surto seja de apenas um vírus.

“Muitos vírus respiratórios podem provocar sintomas gastrointestinais também. E cada organismo vai receber o vírus de uma forma. Algumas pessoas podem evoluir de uma gripe para desconforto abdominal, outras podem ter só sintomas de gripe e outras só uma diarreia”, diz.

O infectologista Antônio Bandeira, coordenador do serviço de infectologia do Hospital Aeroporto, acredita que possam ser doenças diversas.

“Tem uma virose intestinal e uma respiratória espalhadas por aqui. 90% das amostras de doenças respiratórias estão dando vírus sincicial respiratório e rinovírus. A parte intestinal tem tido múltiplas causas, como norovírus, rotavírus e adenovírus”.

A infectologista Ceuci Nunes explica que a classificação geral de virose acontece porque a identificação específica da doença é muito difícil. “É complicado identificar porque são diversos e isso demanda metodologia de laboratório específica e complexa que não se faz com todos os pacientes que chegam no hospital. O que pode-se dizer é que é uma virose e que existem surtos desses vírus, principalmente, quando temos chuvas, frio e aglomerações”, coloca.

Há motivo para se preocupar?

Para Ceuci Nunes, o surto tem uma certa duração e deve ter fim sem causar grandes problemas ao sistema de saúde da cidade, já que essas viroses não apresentam gravidade. “É uma coisa sazonal, já espera-se um aumento desse tipo de caso nessa época. O alerta só é ligado se começarmos a perceber quadros incomuns. Com a covid, por exemplo, foi notado um quadro grave e isso chamou a atenção”, complementa Adielma Nizarala.

Viroses podem ser tratadas em casa e, apenas em casos graves, a emergência deve ser procurada

A infectologista diz ainda que não há motivo para a corrida às emergências. “A emergência deve ser procurada em casos graves, com dificuldade respiratória, febre persistente ou outro sintomas que, mesmo com medicamento, não melhoram. Essas doenças duram cerca de três a sete dias. Se passar disso, é motivo de alerta. Quanto aos sintomas gastrointestinais, o risco é a desidratação, que é muito rara, então a emergência deve ser buscada se houver diarreia e vômito por vários dias”, destaca.

A médica, que é infectologista da SMS, afirmou que não há comprometimento das emergências das unidades públicas de saúde em Salvador. Mauro Adam, presidente da Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia (AHSEB), afirmou que o cenário é o mesmo em relação às unidades privadas.

Cuidado extra com as crianças

As irmãs Gabriela, de 9 anos, e Giovanna, de 13, são algumas das vítimas da virose em Salvador. A mãe, Stela Carvalhal, de 45 anos, conta que os sintomas começaram há cerca de três dias e persistem até hoje. “Depois de um resfriado leve, apareceram sintomas como mal estar, dor abdominal, falta de apetite, vômito e diarreia. Não está sendo nada tão grave, então não levei ao hospital”.

Segundo especialistas, as viroses são mais comuns nas crianças. A pediatra Ludmila Carneiro, coordenadora de Pediatria da Clínica de Saúde e Imagem (CSI), explica o que justifica isso. “Alguns vírus incidem mais sobre as crianças por elas estarem sempre brincando juntas, colocarem as mãos no chão e levarem as mãos e objetos à boca. Além disso, elas têm um organismo menos preparado para receber a virose do que os adultos”, diz.

A infectologista Áurea Paste afirma que cerca de 50% das demandas nas emergências pediátricas estão sendo por sintomas gastrointestinais. “O alerta principal para as crianças é se houver vômito por conta do risco de desidratação, já que dificulta a reposição de líquido. Se a criança estiver prostrada, sonolenta e não aceitando alimento ou líquido, deve, sim, procurar a emergência”, orienta.

A pediatra Ludmila Carneiro acrescenta que os pais não devem levar crianças infectadas às escolas. "Se a criança está apresentando sintomas de infecção, não deve ir à escola para não passar a doença para os colegas e professores, mas também porque o sistema imunológico dela está mais fragilizado, focado em combater os sintomas, então é importante que ela fique em casa para se recuperar", alerta.

Quais são os sintomas comuns das viroses?

Diarreia
Febre
Vômito
Enjoo
Falta de apetite
Dor muscular
Dor na barriga
Dor de cabeça
Secreção nasal
Tosse


Como as viroses são transmitidas?

As viroses respiratórias são transmitidas por gotículas da boca ou do nariz da pessoa infectada para a pessoa saudável. As viroses gastrointestinais também têm essa forma de transmissão, além da transmissão fecal-oral. Nos dois casos, podem ser transmitidas através de objetos ou alimentos contaminados.

Como prevenir viroses?

Como a maioria das viroses é transmitida por gotículas da boca ou do nariz a prevenção para essa doença se dá através de bons hábitos de higiene. Ou seja, lavar as mãos com água e sabão com frequência, higienizar alimentos e evitar o contato com pessoas doentes. Usar máscara é uma excelente opção e, inclusive, é obrigatória para pessoas já infectadas com sintomas respiratórios. Para as viroses com transmissão fecal-oral, inclui-se também a ingestão de água sempre tratada.

Peguei a virose. E agora?

É importante que a pessoa mantenha-se hidratada, ou seja, faça a ingestão de bastante líquido, mantenha alimentação leve e equilibrada e faça repouso. Caso os sintomas piorem, a pessoa apresente febre acima de 38,5ºC por mais de três dias, não consiga se alimentar direito, apresente sangue nas fezes ou tenha vômitos frequentes, é importante que o médico seja consultado para que seja iniciado o tratamento para combater a virose de forma mais eficaz.

A infectologista Ceuci Nunes lembra ainda que, em casos de sintomas respiratórios, principalmente, em pessoas não vacinadas, é importante fazer isolamento e um teste para covid-19.

 

Itens relacionados (por tag)

  • Antigo Colégio Isba deve ser transformado condomínio residencial

    Dois anos após encerrar suas atividades, o imóvel onde funcionou o Colégio Isba, no bairro de Ondina, está sendo demolido. Desde o dia 1° de agosto, uma empresa de demolição está trabalhando no local que, de acordo com funcionários, já teve 50% da estrutura derrubada.

    A propriedade é um dos edifícios educacionais mantidos pela Associação Brasileira de Educação Familiar e Social (Abefs) até 2020, quando resolveu encerrar seu trabalho de 56 anos na Educação Básica. O CORREIO não conseguiu contato com a instituição para informar quantos imóveis eram administrados por ela.

    Na época, a Abefs também se desfez da operação do Centro Universitário Unisba, que foi vendido ao Grupo Educacional Faveni, que adquiriu, além do prédio central, as torres em que funcionavam a área clínica e a área de saúde, separadamente, da universidade. O teatro também foi arrematado pela empresa. Esse, diferentemente dos espaços acadêmicos, ainda não foi reaberto.

    Já a empresa que comprou o colégio, não teve o nome divulgado. Segundo um dos funcionários do local afirmou, trata-se de uma companhia do ramo imobiliário com planos de construir um condomínio de três torres. Para isso, foi contratada uma empresa de demolição. Nenhum outro deles comentou sobre o futuro do espaço, mas alguns profissionais esclareceram como o trabalho está sendo feito.

    A engenheira Vanessa Lima explica que devido ao tamanho do prédio, a demolição está sendo realizada em três etapas. O primeiro espaço a ser derrubado foi uma casa que ficava localizada no fundo da escola. Na segunda-feira (15), o serviço começou a ser feito no Isbinha - ala infantil do colégio -, e o último local a ser derrubado será o prédio principal.

    “Quando entramos aqui, começamos com a demolição manual e só depois entramos com as máquinas. O tempo que levaremos para finalizar é incerto, porque se trata de uma obra de grande porte, o que posso dizer é que, após a demolição total, o próximo passo será a terraplanagem e por último a entrega para a construção”, detalha a engenheira, afirmando não ter informações sobre o próximo empreendimento.

     

  • Somatropina: Anvisa alerta para lotes falsificados de 'hormônio do crescimento'

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) comunicou nesta segunda-feira, 15, que determinou a apreensão de dois lotes da solução injetável Somatropina 20mg. O órgão tem recebido denúncias de falsificação do produto, usado para estimular o crescimento de crianças com produção insuficiente do hormônio do crescimento (GH).

    Foram identificados no mercado medicações com rótulos não originais ou com a impressão de lotes não reconhecidos pelos fabricantes, como o lote AB000569 do produto de nome Saizen, fabricado pela Merck, e o lote Lk96m38 do Norditropin, da empresa Novo Nordisk.

    Diante das denúncias, a agência emitiu alertas rápidos e publicou medidas preventivas de apreensão, inutilização e proibição de comercialização, distribuição e uso dos produtos. A Anvisa informou que encaminhou um dossiê de investigação sanitária à Polícia Federal, para auxiliar nas investigações das suspeitas de falsificação.

    Como saber se o remédio que comprei é falsificado?

    Para os consumidores, a orientação da Anvisa é contatar o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do fabricante e verificar se o lote do medicamento comprado é reconhecido pela empresa.

    Os dados para contato podem ser encontrados na embalagem ou na bula do produto, assim como o seu lote. Outra recomendação da agência é que a medicação seja adquirida em estabelecimentos regulares, as farmácias e drogarias.

    Caso a empresa suspeite de falsificação, também deve encaminhar as informações para a Anvisa.

  • Varíola dos Macacos: Feira volta atrás e retira obrigatoriedade das máscaras

    A prefeitura de Feira de Santana modificou, na manhã dessa sexta-feira (12), o decreto que estabelecia o uso obrigatório de máscara em locais fechados e transporte coletivo. Em vez de obrigar, o município passa a recomendar o uso do item de segurança. A medida foi tomada depois que o paciente, de 29 anos, infectado pela varíola dos macacos, informou, nesta quinta-feira, para a equipe de infectologia do município, que teria pegado a doença em outro estado.

    Ele disse, ainda, que só voltou para Feira de Santana depois dos primeiros sintomas. Pessoas que tiveram contato com o paciente não apresentaram sintomas da doença. O primeiro caso de varíola dos macacos foi registrado em Feira de Santana, na última quarta-feira, 10. Além desse caso, o município tem o registro de dois casos suspeitos, que aguardam conclusão dos exames.

    A Prefeitura de Feira confirmou o primeiro caso da varíola dos macacos na última quarta-feira (10). Agora, três pessoas com suspeita de contaminação aguardam o resultado do exame. Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde de Feira, o paciente tem histórico de viagens no próprio Brasil e a Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde já está fazendo o monitoramento dos contatos.

    O prefeito Colbert Martins explicou que Feira de Santana enfrenta duas epidemias, uma da covid-19 e outra da varíola dos macacos, e que o número de casos das duas doenças está aumentando, por isso é necessário que o governo municipal adote medidas preventivas. "Nós não podemos esperar para tomar medidas posteriores. Ainda não temos medicamentos e nem vacina contra a varíola e o cruzamento dos dois vírus, que é possível que ocorra, pode levar a sintomas fatais em quem possa se contaminar com as duas doenças", destacou.

    "Nós devemos procurar formas de evitar a transmissão. Eu entendo que utilizar máscara em ambientes fechados e no transporte público, onde a transmissão é muito mais alta, é uma precaução natural, normal e indispensável", pontuou Colbert Martins. Entre os principais sintomas da varíola dos macacos estão a febre, forte e intensa, náuseas, exaustão, cansaço e o aparecimento de gânglios, que podem acontecer tanto na região do pescoço, na região axilar, como na região perigenital, além de feridas ou lesões no corpo. A transmissão da doença acontece através do contato direto pele a pele, ou compartilhando objetos pessoais de pacientes que possam estar infectados.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.