Teve de tudo: missa, feijoada, procissão e reza para celebrar Santo Antônio

Teve de tudo: missa, feijoada, procissão e reza para celebrar Santo Antônio

Uma fé que arrasta multidões. Foi assim que aconteceu na segunda-feira (13), quando crianças, jovens e idosos saíram de suas casas para participar da alvorada, reza popular, carreata, missa e procissão dedicadas a Santo Antônio, conhecido como “pai dos pobres” e “santo casamenteiro”. Os devotos se reuniram em peso depois de dois anos de pandemia para, além de pedir por paz, abertura de caminhos e fartura, agradecerem por terem sobrevivido ao vírus da covid-19. Em Salvador, a santidade foi celebrada em mais de seis missas em bairros diferentes.

Às 6h, os fiéis realizaram uma alvorada, seguida da reza popular e carreata pelas principais ruas do Santo Antônio Além do Carmo. Neste período, alguns devotos fizeram a entrega de alimentos. É o caso de Gustavo Nascimento, de 53 anos, que oferta pães para as pessoas no dia de Santo Antônio todos os anos. “Levei dois sacos com 56 pães que foram abençoados pelo padre depois da missa. O último pão é o meu, que vai me dar energia para continuar o ano todo e fazer outras oferendas nos próximos anos”, disse.

Já Raimunda Amparo, 66, distribuiu 95 quentinhas de feijoada no bairro. “Faço isso há 20 anos e minha tia já fazia antes de mim, é sempre bom ajudar todos que precisam, é um trabalho muito bonito. Faço com muito amor”, declarou.

De noite, a programação foi farta: uma missa comandada pelo bispo auxiliar, Dom Valter Magno de Carvalho; uma reza popular na última casa amarela do bairro, que é dedicada ao santo; uma feijoada feita pela ialorixá do Ilê Axé Oyá Ogum Silé Omin, mãe Marta de Iansã; e uma procissão que levou muita gente atrás da santidade. Nessa última, que percorreu as principais ruas dos bairros Santo Antônio Além do Carmo e Barbalho, a santidade foi levada com 400 pães aos seus pés.

Quem acompanhou o percurso do início ao fim foi Augusto Antônio, 63. “Essa fé veio do meu avô, que construiu uma igreja para Santo Antônio no município de Ubaíra e eu, desde lá, já era devoto. Morei 30 e poucos anos aqui no Carmo e, hoje, mais agradeço do que peço”, contou.

Responsável por fazer o altar de Santo Antônio para a procissão, o artista plástico Rodrigo Guedes, 31, contou que o pão representa o alimento do corpo e do espírito, além de simbolizar o corpo de Cristo. É do artista também a exposição na casa amarela do bairro, que é de sua avó, uma das responsáveis por passar a tradição de devoção do santo casamenteiro para o neto.

Rodrigo ainda realizou mais uma edição da reza pública Santo Antônio na casa de sua avó, que estava de portas abertas para receber o público. A estimativa do artista plástico é que mais de 300 pessoas tenham passado pelo local para rezar, agradecer e fazer seus pedidos. “Esse ano completamos 17 anos de reza pública, oriunda de uma devoção centenária por parte de minhas avós, materna e paterna”, afirmou.

Santo Antônio é sincretizado com Ogum, orixá que assim como ele abre caminhos. “Essa é uma tradição milenar na minha vida, minha ligação com Santo Antônio e com Ogum, tenho por herança de família. Assim como Santo Antônio saía nas ruas dividindo os pães, peguei a missão de sair às ruas para distribuir quentinha de feijão, então eu sirvo 600 quentinhas no dia, 300 meio-dia e 300 de noite, são mais de 60 quilos de feijão”, explicou mãe Marta de Iansã.

A ialorixá afirmou que, além dos pedidos por paz e fartura, as pessoas se reuniram no Santo Antônio Além do Carmo para agradecer por terem conseguido sobreviver depois de dois anos de pandemia. A mãe de santo também relatou ter visto pessoas com muita fome na porta de sua casa.

“Eu vi que chegavam aqui pessoas realmente com fome. Teve gente que chegou aqui chorando, dizendo que tinha dois dias sem comer. Então, fazer isso é muito compensador”, finalizou.

Itens relacionados (por tag)

  • Professor da Ufba é acusado de assédio em processo seletivo de pós-graduação

    Desde a formação em física na Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Mariana** se interessou em investigar o papel das mulheres nas diversas atividades científicas. Para aprimorar o conhecimento sobre gênero e ciência, se inscreveu no processo seletivo da Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da Universidade Federal da Bahia (Ufba). No entanto, onde buscou progresso, a potencial mestranda conta que sofreu, junto a ao menos duas candidatas ao doutorado, uma série de ofensas e tentativas de descredibilização por parte de um docente durante entrevista avaliativa em maio.

    “O primeiro parecerista [profissional com respaldo para análise] fez perguntas técnicas sobre meu projeto. O segundo fez avaliação tentando descredibilizar, anular meu conhecimento. Chegou em um ponto que ele começou a falar que eu não gostava de homem. Começou a falar ‘você odeia homens’. Falou de uma forma tão ruim ao ponto do outro parecerista intervir. Ele falou que eu era nova para entender essas coisas, foram muitos comentários ruins”, denuncia.

    Por o processo ter sido online, a entrevista está gravada. A Associação de Pós-Graduandos/as das Universidade Federal da Bahia (APG/Ufba) solicitou a gravação e apuração das provas orais por parte do Programa da pós-graduação (PPGEFHC). Mariana lembra que o vídeo também é prova para dar seguimento à denúncia. O advogado, que pediu para não ser identificado, e tem orientado a candidata afirma que seguirá a linha de assédio moral e discriminação com base no gênero.

    Conforme consta na cartilha de assédio moral, sexual e discriminação da Defensoria Pública da Bahia, a vítima pode desenvolver estresse, esgotamento profissional e fadiga crônica.

    "Depois fiquei mal, sem dormir direito. Desenvolvi refluxo. Fiquei com enxaqueca. Muito angustiada em saber o quanto nós mulheres somos barradas de ocupar esses espaços em pleno 2022 e dentro da universidade”, conta.

    Segundo a física, uma das colegas que passou pela mesma situação “ficou chorando, tremendo sem conseguir levantar da cama”.

    A fim de preservar as identidades, Mariana e outras duas candidatas levaram a situação até a APG para representação no caso. A entidade de base enviou a carta com posicionamento e cobrança de averiguação para o PPGEFHC. O texto ainda questiona a capacidade avaliativa do docente acusado, uma vez que as estudantes optaram pela linha da História das Mulheres nas Ciências, enquanto o posicionamento do avaliador vai de encontro com as teses defendidas.

    “Estamos tomando providências quanto ao ocorrido. Vamos formar uma comissão para averiguar o problema e entrar em contato com o presidente da associação de pós-graduandos para indicar um representante discente para fazer parte da comissão”, afirmou o programa em nota. Coordenadora do PPGEFHC, Fabiana Hussein afirmou que teve acesso à carta apenas na última sexta-feira (03), portanto, ainda está averiguando o caso. Com relação ao compartilhamento do áudio, Fabiana diz que ainda está avaliando as possibilidades, pois a divulgação poderia invalidar toda a seleção.

    A APG tem atuado no acolhimento e orientação de procedimentos de assédio, como o de Mariana. Para evitar mais casos, está cobrando da Ufba a criação de comissão com representantes de estudantis, técnicos administrativos e professores. O grupo teria como objetivo implementar protocolos específico de casos de assédio moral e sexual e propor medidas normativas educativas coibir o assédio na universidade.

    Em apoio à carta, assinaram a APG, Movimento Sociais da Associação Nacional de Pós-graduandos/as (ANPG), Sindicato Dos trabalhadores do Poder Judiciário Federal da Bahia (SINDJUFE-BA), Movimento Nacional Quilombo Raça & Classe, Associação do Quilombo Quingoma, Movimento Aquilombar, Movimento de Mulheres em Luta Nacional, CSP Conlutas Nacional, setor de mulheres, Laboratório de Estudos e Pesquisas Marxistas (LeMarx) e representações estudantis da Ufba.

    Assédio moral

    Mestre em direito e advogada trabalhista, Cinzia Carvalho define o assédio moral como constrangimento, violência psicológica que atinge a dignidade da pessoa. A violência não se dá por um ato isolado, mas repetitivo e prolongado, como uma “jornada de humilhação” até a vítima duvidar de sua competência. O assédio se faz comum em, sobretudo, estruturas de hierarquia, nas quais quem está em posição superior consegue projetar articulações sobre pessoas em cargos inferiores.

    Segundo o advogado consultado por Mariana, a definição se enquadra no que ocorreu durante o processo seletivo. A estudante ainda lembra que, durante apresentação das colegas, o professor questionou até mesmo as referências utilizadas para a tese apresentada.

    “Em um processo seletivo, seja acadêmico, seja de trabalho, a pessoa que se candidata normalmente expõe suas ideias e intenções futuras naquele ambiente. A pessoa responsável pela seleção está ocupando um espaço de poder, ao menos durante o processo seletivo, e pode tecer comentários jocosos e desqualificadores do trabalho ou mesmo da pessoa da vítima”, explica a juíza do trabalho e pesquisadora em direito antidiscriminatório com foco em gênero e sexualidade Adriana Manta.

    Machismo

    A violência se torna ainda mais comum quando se fala do gênero feminino. Os alvos mais frequentes nas condutas de assédio são mulheres, servidoras, terceirizadas e estagiárias, aponta a cartilha da Defensoria. Dentro da universidade e no mercado de trabalho, o preconceito também é fruto do sexismo histórico que gera estranheza a ver mulheres ocupando espaços acadêmicos, explicam especialistas.

    Mariana acredita que a discriminação aconteceu como consequência do machismo e intolerância do professor em questões de igualdade de gênero. “Ele falou que eu estava querendo criar um conflito de mulheres contra homens. Mas o que a gente quer é igualdade. Homens e mulheres ocupando os mesmos espaços”, esclarece.

    “Não por acaso, as mulheres são as maiores vítimas de assédio moral no ambiente de trabalho. Uma pesquisa do Instituto Patrícia Galvão, aponta que, para 92% das pessoas que trabalham, as mulheres sofrem mais constrangimento e assédio no mercado de trabalho”, salienta Adriana.

    A juíza do trabalho orienta que a denúncia seja feita às ouvidorias das instituições e também às instâncias superiores. É possível buscar canais de denúncia internos, a depender do local do ocorrido. Além disso, havendo provas do assédio, existe a possibilidade de ajuizar ação buscando indenização por danos morais e reparação material com eventuais tratamentos psiquiátricos ou psicológicos.

  • Tarifa de ônibus será R$4,90 a partir deste sábado em Salvador

    A passagem de ônibus vai ser reajustada para R$ 4,90. O aumento passa a valer a partir deste sábado (4).

    O novo valor foi confirmado pelo prefeito Bruno Reis, nesta sexta-feira (3), durante entrevista coletiva. O reajuste já havia sido anunciado em março deste ano, mas foi adiado até este mês.

    "Eu gostaria de estar aqui avisando que não haveria reajuste esse ano, com o subsídio, e a isenção do ICMS", lamentou o prefeito. Em contrapartida ao aumento, as empresas devem colocar em circulação 170 novos ônibus.

    Durante a entrevista coletiva, o prefeito explicou o contexto de crise do transporte coletivo urbano. O sistema teve uma queda de arrecadação de R$24,5 milhões por mês, com a perda de passageiros durante a pandemia. O prefeito também citou a participação do insumo óleo diesel sobre o custo total do serviço de transporte público, que subiu de 18,5% para 28,5%.

    Bruno explicou que a prefeitura vai anistiar débitos das empresas e assumir custos causados pelo óleo diesel e outros insumos. Com isso, a prefeitura já investiu R$ 398 milhões no sistema nos últimos anos.

    A expectativa era de que o Projeto de Lei 4.392/21 que garante o subsídio federal para o transporte público fosse aprovado na Câmara dos Deputados, mas até o momento o PL não entrou na pauta de votações. Se aprovada pela Câmara dos Deputados, a proposta destinará R$ 5 bilhões para financiar a gratuidade oferecida a idosos no sistema.

    Bruno Reis esteve em Brasília na terça-feira (31), e contou que fez reuniões com líderes partidários como esforços para aprovar o projeto que destina o subsídio sobre o transporte público. A matéria aguarda por votação. Nesta sexta-feira, ele voltou a cobrar do governo do estado a isenção do ICMS sobre o óleo diesel.

  • Casal morto na Avenida ACM é identificado pela polícia

    O casal que foi morto em um carro na Avenida ACM na noite dessa quinta-feira (2) já foi identificado pela polícia. Gesse Altair Soares de Jesus, de 24 anos, e Maria Clara Souza Assunção, de 21 anos, trafegavam pela avenida quando foram surpreendidos por dois homens em uma moto.

    A jovem havia saído do trabalho quando foi atingida pelos disparos. O casal seguia em direção a um supermercado, para fazer compras. As vítimas saíam da Avenida Santiago de Compostela, quando foram surpreendidas por dois homens que estavam em outro veículo. Os suspeitos dispararam contra o casal.

    Gessé, que dirigia o carro, tentou fugir dos disparos mesmo baleado, acabou perdendo o controle da direção e bateu em outro veículo. Depois disso, ele chegou a acelerar o carro novamente e seguiu em direção à Avenida ACM, onde parou.

    “Eu só ouvi a pancada. E nessa pancada, meu carro deu um 360 na pista, e os meliantes passaram do local, foram parar lá na pista principal. Foi tudo muito rápido. Eu ouvi os cinco disparos, depois mais cinco. Eu tentei jogar no posto aqui, mas só que só vi a pancada. Meu carro ‘rabiou’ na pista, e eles pararam lá na avenida principal", disse o motorista do carro atingido por Gessé.

    O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado, mas as vítimas não resistiram aos ferimentos e a equipe já encontrou o casal sem vida. Agentes do Departamento de Polícia Técnica (DPT) foram ao local e removeram os corpos por volta das 21h. Familiares das vítimas acompanharam a situação, consternados.

    O delegado Almir Góes, responsável por investigar o caso, disse que câmeras de segurança serão analisadas para identificar os suspeitos do crime.

    “Estamos em estágio preliminar, colhendo as primeiras informações. O que nós sabemos que ele estava vindo, tinha ido pegar a esposa dele no trabalho e, aqui no caminho, um veículo – que nós não conseguimos identificar, mas já estamos em busca das câmeras de monitoramento da área – efetuou os disparos contra ele”.

    Os corpos de Maria Clara e Gessé estão no Instituto Médico Legal (IML). Ainda não há detalhes sobre os sepultamentos das vítimas.

    Segundo a Polícia Civil, Gesse tinha passagem pela polícia por tráfico de drogas e crimes contra o patrimônio.

    Foram expedidas as guias de perícia e de remoção. A autoria e a motivação do crime são investigadas pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.