Quinta-feira, 5 de Agosto 2021
7:06:46am
Bahia registra 1º semestre com mais óbitos e menos nascimentos em toda história

Bahia registra 1º semestre com mais óbitos e menos nascimentos em toda história

Os cartórios baianos registraram o primeiro semestre com mais óbitos e menor número de nascimentos em toda a história do estado. Nunca se morreu tanto e nem se nasceu tão pouco como no primeiro semestre de 2021, segundo apontam estatísticas da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen).

Os dados certamente têm relação com a pandemia de covid-19, que já tirou a vida de mais de 24,7 mil baianos e impôs temor a quem planejava constituir família.

A diferença recorde entre nascimentos e óbitos altera a demografia e, no futuro, pode levar a impactos na economia. Até o final de junho, os cartórios do estado registraram 52.834 mortes de todo tipo de natureza. Maior número da história para um primeiro semestre, esse dado é também 22% maior do que o ocorrido no mesmo período do ano passado, quando a pandemia já estava instalada há quatro meses.

Quando comparado com 2019, ano anterior à pandemia, o aumento no número de mortes foi de 18,4%. Os dados são compilados pelos cartórios desde 2003.

Presidente da Arpen-BA, Daniel Sampaio detalha que o que se verificou na prática é que os nascimentos, que vinham em crescimento constante, deram uma desacelerada significativa — ao passo que as mortes, que vinham crescendo na mesma proporção do crescimento populacional, tiveram um aumento exponencial.

Com relação aos nascimentos, a Bahia registrou o menor número de nascidos vivos em um primeiro semestre desde o início da série histórica em 2003. Até o final do mês de junho foram registrados 89.960 nascimentos, número 18% menor que a média de nascidos no estado desde 2003, e 2% menor que no ano passado. Com relação a 2019, ano anterior à chegada da pandemia, o número de nascimentos caiu 13% na Bahia.

“A constatação não é outra senão a de que, com a pandemia, as famílias ficaram com um pouco de receio de fazer o planejamento familiar”, diz o presidente. Neste período de intranquilidade no país, provavelmente as pessoas entenderam que o tempo é arriscado para a saúde de bebês, grávidas e puérperas, o que fez com que casais adiassem ou desistissem do plano de ter filhos, acredita ele.

O presidente regional da Arpen-BA explica que esse desbalanço pode promover impactos no desenvolvimento econômico do país lá na frente. Quando fatores como a covid-19 influenciam negativamente na demografia, cria-se aí um risco para o avanço, podendo, no futuro, ocorrer problemas como oneração da previdência e falta de mão de obra qualificada no mercado de trabalho, por exemplo.

O resultado da equação entre o maior número de óbitos da série histórica em um primeiro semestre versus o menor número de nascimentos da série no mesmo período é o menor crescimento vegetativo da população em um semestre na Bahia, aproximando, como nunca antes, o número de nascimentos do número de óbitos.

A diferença entre nascimentos e óbitos que sempre esteve na média de 72.276 mil nascimentos a mais caiu para apenas 37.126 mil em 2021, uma redução de 49% na variação em relação à média histórica. Em relação a 2020, a queda foi de 23%, e em relação a 2019 foi de 37%.

Por trás dos números
As estatísticas não são suficientes para dimensionar o tamanho do drama. Por trás delas há histórias como a do comunicador esportivo Flávio Gomes, 43 anos, que perdeu três amigos num intervalo de três dias na semana passada. O primeiro deles tinha 45 anos, vinha se recuperando de um câncer e era seu grande amigo de infância. Juntos, compuseram músicas que cantavam nas festas.

A segunda vítima foi sua colega de trabalho, uma gerente de marketing que, com 49 anos, foi infectada ao cuidar da mãe, que também teve a doença. O terceiro amigo deu entrada no hospital para uma cirurgia de vesícula, pegou covid-19 na unidade e faleceu.

“Isso me abalou porque foi um após o outro. Quando eu ainda estava incrédulo com a perda de um amigo, recebi a notícia de outra amiga e, depois, do terceiro. Sou muito religioso, estou tentando me acostumar com a ideia da perda das pessoas. A gente fica incrédulo, mas precisamos seguir. Foram muitas histórias, chorei bastante. O plano de imunização tem que acelerar porque senão vamos perder mais gente. Temos que lutar e exigir vacina, não tem outro caminho”, diz Flávio.

Conhecido por tratar de forma acessível a psicanálise através das redes sociais, Lucas Liedke escreveu sobre como as pessoas estão passando pela perda ambígua — um termo cunhado pela psicóloga Pauline Boss para explicar quando se vive o luto pela metade. O que Lucas observa é que o mundo continua aí, fisicamente presente, mas é impossível não sentir a ausência de uma vida que não existe mais, ou milhares de vidas.

“São tempos estranhos. Dias em que a gente se sente meio fora da realidade, como num sonho ou pesadelo que continua se repetindo”, diz.

O psicanalista avalia que, desde o início da pandemia, parece que tão difícil quanto enfrentar as perdas em si, é lidar com diferentes formas que cada um enfrenta o que está acontecendo: uns se deprimem, outros enraivecem, há quem se negue a aceitar os fatos. “Não estamos acostumados a essa dimensão do luto coletivo e a um período tão longo de incertezas”, completa ele.

Itens relacionados (por tag)

  • Novo lote com 86,6 mil doses de vacinas contra a covid chega à Bahia

    Uma nova remessa com 86.600 doses de Coronavac chegou a Salvador na manhã desta quarta-feira (4). O avião pousou no aeroporto de Salvador às 9h20, segundo a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab).

    A aeronave com a segunda carga de vacinas prevista para chegar hoje deve pousar às 16h50. São mais 165.630 doses da vacina da Pfizer/BionTech. Com isso, no total a Bahia recebe mais 249.230 doses hoje.

    Segundo a Sesab, as doses da Coronavac serão divididas para primeira e segunda aplicação. Já as da Pfizer serão integralmente usadas para a primeira dose.

    As vacinas serão conferidas pela equipe da coordenação de imunização da Secretaria da Saúde do Estado e devem começar a ser enviadas para as regionais de saúde, de onde serão encaminhadas para os municípios nesta quinta-feira. Elas serão remetidas, exclusivamente, aos municípios que aplicaram 85% ou mais das doses anteriores. Esta foi uma decisão da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que é uma instância deliberativa da saúde e reúne representantes dos 417 municípios e o Estado.

    Com as duas remessas desta quarta, a Bahia chegará ao total de 11.582.140 doses de vacinas recebidas, sendo 4.120.500 da Coronavac; 5.586.900 da AstraZeneca/Oxford; 1.619.940 da Pfizer e 254.800 da Janssen.

  • Mais 249 mil doses de vacinas chegam à Bahia nesta quarta

    Mais vacinas vão chegar à Bahia nesta quarta-feira (4). Serão 249 mil doses das vacinas Coronavac e Pfizer, segundo informações da Secretaria Estadual da Saúde (Sesab).

    A primeira remessa, com 86.600 doses de Coronavac, vem em um voo previsto para pousar na capital às 9h35. Já a segunda carga, com 162.630 doses da Pfizer, desembarca por volta das 16h50.

  • Após ofensas contra chef, secretário de Saúde da Bahia pede exoneração do cargo

    Um dia após a divulgação das ofensas do secretário estadual de Saúde Fábio Vilas-Boas contra a chef e empresária Angeluci Figueiredo, do Preta, o gestor pediu exoneração o cargo. A saída de Fábio Vilas-Boas do cargo que ocupava desde janeiro de 2015, ainda no primeiro mandato de Rui Costa, foi anunciada pelo Governo do Estado, através de nota divulgada à imprensa, e minutos depois reafirmada pelo próprio Vilas-Boas nas suas redes sociais. O cardiologista entregou uma carta com o pedido de exoneração na tarde desta terça-feria (3) e a solicitação foi aceita pelo governador Rui Costa.

    Na carta, o médico agradeceu a confiança do governador que lhe fez o convite e que "me deu a oportunidade de contribuir para uma verdadeira revolução na saúde visando atender a quem mais precisa". Fábio também desculpou-se por episódios recentes envolvendo a empresária Angeluci Figueiredo.

    O governador Rui Costa agradeceu pelo empenho com que o médico conduziu a pasta durante sua gestão. O substituto de Fábio Vilas-Boas será anunciado nos próximos dias. Interinamente, a Sesab será conduzida pela subsecretária Tereza Paim.

    As ofensas contra a chef do restaurante Preta ocorreram durante uma troca de mensagens de texto no domingo (1º). O ex-titular da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) se exaltou com a chef ao encontrar o restaurante fechado, numa excursão ao lado de parentes e amigos, e enviou diversos insultos à profissional via WhatsApp.

    Na segunda-feira (2), uma carta de Angeluci em resposta às ofensas do secretário e explicando as circustâncias circulou pelas redes sociais. Em seguida, secretário pediu desculpas “pelos comentários inadequados”, “em circunstâncias injustificáveis”.

    Diversas entidades, como a OAB-BA e o Conselho de Turismo da Bahia divulgaram nota para repudiar a atitude do então secretário Fábio Vilas-Boas.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.