Sábado, 8 de Maio 2021
1:23:02pm
Sputnik V vai processar Anvisa por difamação: 'Espalhou informações falsas'

Sputnik V vai processar Anvisa por difamação: 'Espalhou informações falsas'

Através de um post no Twitter, a equipe jurídica da vacina Sputnik V, produzida pelo Instituto Gamaleya da Rússia, anunciou que irá processar a Agência Nacional de Vigilância Santinária (Anvisa).

Na última segunda-feira (26), o órgão regulador reprovou o pedido de importação e uso do imunizante, que já foi adquirido pelo governador da Bahia, Rui Costa. O relator Alex Machado Campos destacou a "falta de documentação" e os possíveis riscos do imunizante à saúde como critérios determinantes para a negativa.

O próprio órgão, no entanto, admitiu que não testou os replicantes virais encontrados na vacina. Por conta disso, a Sputnik V, quer processar o órgão.

Antes, os representantes da vacina já argumentavam que a proibição da Anvisa ocorreu por motivos políticos. Um relatório dos Estados Unidos mostrou que, no ano passado, o país norte-americano pressionou autoridades brasileiras a não usarem a Sputnik por medo da Rússia aumentar sua influência no país.

O imunizante já foi aprovado em 62 países, incluindo a Argentina. De acordo com o Instituto Gamaleya, a Sputnik V tem eficácia de 91,2%.

Itens relacionados (por tag)

  • Arábia Saudita suspende importações de 11 frigoríficos brasileiros

    A Arábia Saudita anunciou a suspensão de importações de carnes de aves e produtos derivados de sete unidades da JBS e outros quatro frigoríficos brasileiros. De acordo com comunicado publicado no site oficial da Saudi Food & Drug Authority (SFDA), a agência governamental que regula alimentos e medicamentos no país, as restrições começarão a valer a partir do dia 23 deste mês. O motivo não foi informado.

    Da JBS, serão vetadas as compras das unidades de aves que ficam localizadas em Passo Fundo e Montenegro, e de plantas da Seara Alimentos de Brasília, Campo Mourão, Amparo, Ipumirim e Caxias do Sul. Acionada pela reportagem, a JBS afirmou em nota que procurou a Saudi Food and Drug Authority (SFDA), autoridade sanitária do governo da Arábia Saudita, para dialogar e entender as motivações para o bloqueio das exportações de carne de frango para o país. "A produção antes destinada à Arábia Saudita já foi redirecionada para outros mercados", segundo a empresa.

    As outras proibições são referentes à importação de produtos de três fábricas da Vibra Agroindustrial S/A e uma da companhia Agroaraçá Alimentos.

    Surpresa

    O Ministério da Agricultura e o Ministério das Relações Exteriores afirmam que receberam com "surpresa e consternação" a decisão da Arábia Saudita de suspender as importações de carne de aves de 11 frigoríficos brasileiros. Em nota publicada no site oficial, após acionadas pela reportagem, as pastas comentam que não houve nenhum contato prévio das autoridades sauditas - e que ainda não estão claras as justificativas para as proibições

    O documento também diz que o governo brasileiro já está em contato com a Arábia Saudita e com a embaixada do país em Brasília para esclarecer a informação. "Todas as vias bilaterais e multilaterais serão empregadas com vistas à pronta resolução da questão. Caso se comprove a interposição de barreira indevida ao comércio, o Brasil poderá levar o caso à Organização Mundial do Comércio (OMC)."

    Os ministérios acrescentaram que o Brasil obedece a todos os requisitos sanitários estabelecidos pelo mercado da Arábia Saudita e "reitera os elevados padrões de qualidade e sanidade seguidos por toda nossa cadeia de produtos de origem animal, assegurados por rigorosas inspeções do serviço veterinário oficial".

    A decisão do governo saudita consta em documento publicado nesta quinta-feira (6) no site oficial da Saudi Food & Drug Authority (SFDA).

    Arábia Saudita suspende importações de 11 frigoríficos brasileiros

  • Para russos, reprovação da Sputnik V pela Anvisa foi 'influenciada pelos EUA'

    Horas depois de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ter negado o pedido de dez Estados brasileiros para a importação da vacina russa Sputnik V, o CEO do Fundo Russo de Investimento Direto, Kirill Dmitriev, acusou a agência de ter tomado uma "decisão política" e de ter sido influenciada pelos Estados Unidos. A declaração foi dada em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, 27.

    "A decisão da Anvisa de adiar a aprovação da Sputnik V é, infelizmente, de natureza política e nada tem a ver com o acesso do órgão regulador à informação ou à ciência. Em nossa opinião, essa decisão é consequência direta da pressão dos Estados Unidos", disse em nota o fundo russo, que financia o desenvolvimento do imunizante.

    A nota afirma ainda que as questões técnicas levantadas pela Anvisa na reunião desta segunda-feira (26) "não têm embasamento científico e não podem ser tratadas com seriedade na comunidade científica e entre os reguladores internacionais." Diz também que a equipe da agência "teve pleno acesso a todos os documentos relevantes, bem como aos locais de pesquisa e produção."

    Um dos problemas da Sputnik V apontados pela Anvisa foi a presença de adenovírus replicante. Sobre isso, o Instituto Gamaleya, que desenvolve a vacina, falou que tem um controle de qualidade rigoroso e que "nenhum adenovírus competente para replicação (RCA) foi encontrado em qualquer um dos lotes da vacina Sputnik V que foram produzidos."

    Na coletiva de imprensa conduzida na manhã desta terça-feira, o CEO do fundo russo falou que a Anvisa não foi "profissional" e nem "ética" e acusou a agência brasileira de estar tentando barrar a entrada do imunizante no País. Também disse que a Anvisa solicitou mais documentos do que todos os órgãos reguladores dos outros 60 países onde a vacina foi aprovada - e que todos os documentos pedidos foram entregues.

    Outro fato mencionado pela Anvisa para negar a autorização de importação da vacina foi que os servidores da agência não puderam entrar em algumas instalações, como o Instituto Gamaleya Dmitriev disse que há "certos procedimentos" que devem ser feitos para visitar o instituto, sem mencionar quais, e que isso pode ser um pouco demorado, mas não especificou quanto tempo.

    Diante disso, segundo Dmitriev, os servidores teriam pedido para o Gamaleya apresentar os documentos de controle de qualidade. "Nós mostramos (os documentos) e eles ficaram felizes com isso", afirmou. Sobre este ponto, o CEO acusou a Anvisa de ser "injusta" e "antiprofissional".

    Dmitriev acredita que a Anvisa ainda possa revisar a sua decisão e lembrou que vários Estados brasileiros já estavam negociando a compra do imunizante russo. "Vamos fazer de tudo para que isso seja possível. Mas, se o Brasil não quiser, vamos focar nos outros países", disse. A Anvisa ainda não se posicionou sobre as críticas do Fundo Russo de Investimento Direto.

  • Anvisa avalia pedidos de importação da vacina Sputnik V

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) marcou para esta segunda-feira (26), às 18h, uma reunião extraordinária da diretoria colegiada para avaliar os pedidos de estados e municípios para importação da vacina Sputnik V, usada na imunização contra a covid-19. O imunizante é produzido pelo Instituto Gamaleya, da Rússia.

    A reunião de deliberação foi marcada dentro do prazo estipulado pela lei e de acordo com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, que determinou a análise da questão dentro do prazo de 30 dias.

    Amanhã (27), a Anvisa deve analisar o pedido de uso emergencial da combinação dos medicamentos banlanivimabe e etesevimabe para o tratamento da covid-19. Os remédios são produzidos pela farmacêutica Eli Lilly do Brasil. O pedido foi protocolado no dia 30 de março.

    Na quinta-feira (29), a diretoria colegiada também vai se reunir para a 8ª reunião ordinária, na qual serão discutidas pautas relacionadas às áreas de regulação da agência.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.