Sábado, 8 de Maio 2021
2:18:32pm
Ataque a tiros em Itabuna deixa três mortos, incluindo menina de 6 anos

Ataque a tiros em Itabuna deixa três mortos, incluindo menina de 6 anos

Três pessoas foram assassinadas em Itabuna, no sul da Bahia, incluindo uma menina de 6 anos. O atentado ocorreu na noite desse domingo (2), na Rua da Bananeira, no bairro Lomanto.

De acordo com testemunhas, dois homens que estavam no local foram assassinados em via pública. No momento em que efetuavam diversos disparos, um dos tiros atingiu a pequena Maikele de Jesus Santos, que estava dentro de casa.

A menina morava com a mãe, e ambas estavam na residência, assistindo TV. A criança foi atingida no peito, e não resistiu.

Além dela, Taique Silva Rodrigues, 21 anos, e Romerio Ferreira dos Santos, 40, foram mortos com diversos disparos no meio da rua. A ação foi realizada por homens que chegaram ao local de carro.

Segundo o site Verdinho Itabuna, equipes da Polícia Militar e Departamento de Polícia Técnica (DPT), da Polícia Civil, estiveram no local do crime para fazer a perícia. Várias cápsulas de pistola de calibre 9mm foram encontradas perto do corpo de um dos homens.

A motivação do crime ainda é desconhecida e ninguém havia sido preso até essa segunda (3). O caso é investigado.

Itens relacionados (por tag)

  • Caso Atakarejo: 'racismo estrutural e ódio aos pobres', diz titular da SSP

    A Polícia Civil da Bahia já tem indicativo de autoria dos assassinatos e Bruno Barros da Silva e Yan Barros da Silva, ocorrido no bairro da Polêmica na última segunda-feira (26). As investigações sobre a autoria e motivação do crime estão avançando, informou a coorporação, em nota. Os dois, que são tio e sobrinho, foram executados por traficantes após serem flagrados furtando alimentos no mercado Atakarejo, em Amaralina.

    Na mesma nota, o secretário de Segurança Pública, Ricardo Mandarino, afirmou que casos como este são reflexo de uma concepção errônea sobre justiça que tomou conta de parte da sociedade.

    "Trata-se de um delito resultado desse conceito vil, tosco, desumano, deturpado de que 'bandido bom é bandido morto'. Há, nessa ação abjeta, um componente forte de racismo estrutural e ódio aos pobres. Na cabeça dessa gente torpe todo pobre e preto é bandido. É uma gente perversa, desprovida de qualquer sentimento de empatia e que demonstra claramente que o trabalho da Polícia não satisfaz, porque a polícia não mata, não pode e não deve matar. A polícia prende em flagrante, ou com ordem judicial, e entrega o infrator à justiça", declarou.

    "É assim que se procede em todas as sociedades civilizadas, em todos os países que têm uma constituição como a nossa, que somos obrigados a respeitar e a respeitamos, acima de tudo, porque esse é o nosso valor. Se alguém se valeu de milicianos, de integrantes do crime organizado para obter o resultado infame que obteve, é co-autor do delito. Uma vez identificado, será indiciado. Esteja a sociedade certa disso", acrescentou o secretário.

    Investigação

    Após coletar novas imagens do circuito de câmeras de vigilância, de um supermercado, no bairro da Amaralina, na terça-feira (4), o Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) analisa os vídeos e a Coordenação de Perícia em Audiovisuais do Departamento de Polícia Técnica (DPT) realiza perícia no material. Laudos cadavéricos e periciais do local do crime complementarão as investigações.

    A delegada-geral Heloísa Campos de Brito acompanha as investigações e pontua a devida aplicação da legislação penal. “Cada desdobramento do DHPP sobre este caso é acompanhado por mim. Todos os envolvidos com este crime serão responsabilizados, sejam eles quem forem, no rigor da Lei”, afirmou.

    De acordo com a diretora do DHPP, delegada Andrea Ribeiro, mais de 10 pessoas já foram ouvidas. “Seguimos com desdobramentos das apurações, para a identificação e localização dos autores”, afirmou. Outras providências não podem ser reveladas para não atrapalhar as investigações.

  • Tiros, explosões e reféns: moradores do Largo do Tanque têm noite de terror

    A madrugada foi de tensão e terror para os moradores do Largo do Tanque após um grupo explodir uma agência da Caixa Econômica. Além do ataque ao banco, os bandidos fizeram cerca de 30 pessoas como reféns.

    De acordo com testemunhas, os bandidos abordavam as pessoas que passavam pelo local, entre moradores, rodoviários e mototaxistas, para fazer uma espécie de escudo humano e bloquear a via. Quatro bandidos controlavam o trânsito de quem passava pelo local. Os reféns ficaram ajoelhados no meio da pista, enquanto os bandidos tentavam roubar a agência.

    Outros dois ficaram dentro da agência explodindo os caixas eletrônicos. A ação durou 20 minutos, mas foi o suficiente para instalar o clima de terror entre os moradores da região. Eles contaram que ouviram mais de 100 tiros.

    "Eles deram mais de 100 tiros para o alto, mas ninguém saiu ferido. Eles atiravam para fazer as pessoas parem. Rodoviários, taxistas, mototaxistas, todo mundo que passava na hora. Um dos caras chegou descarregar um fuzil atirando para cima. Foi um terror", disse um morador.

    O esquema para roubar a agência aparentava ter sido muito organizado, de acordo com testemunhas. "Uma coisa é a adrenalina de um filme. Outra coisa é a vida real. Os caras estavam muito bem articulados, cronometrando tudo, se comunicavam com rádios", contou um morador.

    O tiroteio e as explosões assustaram os moradores, que não conseguiam mais dormir. "Ninguém conseguiu dormir hoje. Muita gente passou mal em casa, mas ninguém pôde dar socorro com medo de morrer, porque uma certa vez, numa outra explosão no ano passado, um manobrista foi morto quando chegava do trabalho. Ele não entendeu a ordem de parar e os caras do assalto atiraram nele", relatou outro morador.

    Na ação desta madrugada, os bandidos conseguiram fugir levando alguns malotes. "Daqui de casa deu pra ver eles saindo com três malotes, retirados após cada explosão. O último parecia que tinha mais dinheiro porque foi preciso dois deles para carregar", finalizou uma testemunha. A agência ficou destruída após a ação e o teto chegou a desabar.

    A polícia chegou após as explosões. Em nota, a Polícia Militar informou que, por volta das 3h40 desta sexta-feira (30), policiais militares da 9ª CIPM foram acionados pelo Cicom, para averiguar informação sobre a explosão de caixas de autoatendimento.

    "Com apoio da 37ª CIPM e Rondesp/BTS, as guarnições da unidade realizaram buscas na região, mas nenhum suspeito foi encontrado. A área foi isolada e preservada para realização da perícia pela Polícia Federal que investigará o caso", diz a nota enviada pela instituição.

  • Empresário preso por sonegar R$ 12 mi tem passagem por formação de quadrilha

    Um proprietário de empresas supermercadistas em Irecê foi preso na manhã desta quinta-feira (29), após deflagração da Operação Marca-Passo. O comerciante é acusado de sonegar cerca de R$ 12 milhões em impostos. Nas buscas, foram encontrados na residência dele quatro armas sem registros, diversas munições e documentos.

    O empresário já acumula passagens na polícia pelos crimes de furto qualificado, formação de quadrilha e receptação - pelo qual cumpriu pena em regime fechado por oito meses.

    A ação foi realizada pela Coordenação Especializada de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro (Ceccor-LD/Dececap) do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), pelo Ministério Público Estadual e pela Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia.

    Os cinco mandados de busca e apreensão, expedidos pela comarca de Irecê, foram cumpridos nos estabelecimentos comerciais do proprietário. "O resultado da busca foi muito exitosa: conseguimos encontrar documentos que permitirão aprofundar a investigação. Além do mais, foi possível a localização de um importante armamento, sem o registro devido, razão pela qual o investigado será autuado em flagrante por posse ilegal dessas armas", relatou o diretor do Draco, delegado José Alves Bezerra Júnior.

    Já a delegada Nayara Brito, Núcleo Fiscal da Dececap, conta como o crime se baseava. "O investigado principal utilizou a estratégia de criar de forma sucessiva empresas com razões sociais diferentes em nome de terceiros, 'laranjas', mas com nomes fantasias e endereços similares, para manter a mesma clientela, o mesmo fundo de comércio, crédito com fornecedores, valor da marca e ponto comercial. Inclusive, o investigado principal e a esposa passaram a ser registrados como empregados dos estabelecimentos, sendo que são os verdadeiros proprietários", explicou.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.