Cigano já tem sete filhos mortos após mortes de PMs em Vitória da Conquista

Cigano já tem sete filhos mortos após mortes de PMs em Vitória da Conquista

Se a perda de um único filho é uma dor imensurável, imagina sete, e num espaço de 15 dias? Preso acusado de envolvimento na morte de dois PMs em Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, o cigano Rodrigo Silva Matos tinha conhecimento até o dia 20 deste mês que quatro dos seus 10 filhos tinham sido mortos pela polícia. Mas a baixa na família não parou. Anteontem, mais três foram mortos numa outra caçada aos ciganos restantes que estão sendo acusados de participar da execução do tenente Luciano Libarino Neves, 34 anos, e do soldado Robson Brito Matos, 30. Três ainda são procurados pela polícia, sendo dois adolescentes.

Parentes temem que a família seja dizimada. “O pai está inconsolável. A mãe, a mesma coisa. Eles perderam sete filhos e três estão sendo caçados iguais a bicho. Eles [policiais] estão aterrorizando, invadindo casas de pessoas inocentes. A situação está muito difícil. Os que estavam envolvidos nas mortes dos policiais já foram mortos no início. Agora, eles [policiais] querem matar todos os irmãos, que são 10 no total”, declarou uma parente dos ciganos mortos. Por medo de represália, ela abandonou a casa em Vitória da Conquista. 

No dia 13 deste mês, o tenente e o soldado, ambos lotados na 92ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/ Vitória da Conquista / Ronda Rural), foram mortos no distrito de Josué Gonçalves quando foram à paisana apurar denúncias de roubos na região e acabaram sendo identificados e baleados.

O primeiro filho do cigano Rodrigo a ser morto foi Ramon da Silva Matos, baleado no mesmo dia da execução dos PMs no bairro de Lagoa das Flores. Ele teria reagido a tiros. No dia seguinte, mais três vieram a óbito. Morais da Silva Matos, 13, foi baleado dentro de uma farmácia em Vitória da Conquista. Apesar de a circunstância ainda não ter sido esclarecida, a família acusa a polícia. Já na cidade de Itiruçu, Arlan e Dalvan da Silva Matos estavam num CrossFox, de cor preta, e teriam reagido a tiros ao avistarem uma barreira da PM. Foram atingidos.

“Estive com o seu Rodrigo no último dia 20. Ele já estava fragilizado, pois naquele momento, ele só sabia da morte dos três, Arlan, Dalvan e do Ramon. Quando eu falei que Morais também tinha sido morto, os olhos dele encheram de lágrimas, balançou a cabeça e ficou muito triste. Abalado, ele perguntou pelos outros e eu falei que a gente estava tentando achá-los para perguntar o que, de fato, aconteceu naquele dia e ajudar de alguma forma”, contou o cigano Rogério Ribeiro, presidente do Instituto Cigano do Brasil (ICB).

Rodrigo foi preso no dia 14, acusado de ser um dos autores dos disparos que mataram os PMs. Ele contou ao cigano Rogério Ribeiro que estava sendo ameaçado por causa de umas terras que comprou na região. “Um corretor vendeu as terras a ele. Dias depois, apareceu um suposto dono dizendo que Rodrigo teria que sair, em um tom de ameaça, dizendo que: ‘se não saíssem por bem, sairiam por mal’. Então, todos estavam com os ânimos à flor da pele, pois esperavam que viriam pistoleiros ou outras pessoas para matá-los”, relatou Rogério.

Vídeo
Anteontem, o ICB recebeu um vídeo e várias fotos dos corpos de Sólon, Diogo e Bruno Silva Matos, mortos na zona rural do município de Anagé. Na gravação, aparece a voz de um homem e de mais duas pessoas tratando com desdém os corpos dos ciganos no hospital de Anagé. “Eles estavam rindo, comemorando as mortes, aproximavam a câmera e desdenhavam dos corpos. Conseguimos identificar que a voz é de um servidor do hospital. As famílias vendo tudo isso, como ficam? Não é só porque são ciganos. Mas não se deve agir desta forma com ninguém”, declarou Rogério.

O instituto encaminhou o vídeo e um ofício ao presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Hélio Leitão, pedindo providências contra o servidor de Anagé e contra todos que participaram da gravação. Procurada, a OAB disse que ainda não recebeu o ofício.

Um dia após as mortes do tenente e do soldado, Rodrigo estava com Arlan quando foi baleado. “Ele relatou que estava cavando uma cerca lá no terreno junto com Arlan, ajeitando um galinheiro, recebeu um tiro no braço direito e caiu. Quando acordou, estava no hospital da cidade. Alguém levou ele para lá, mas não soube dizer quem”, contou Rogério. No mesmo dia, Arlan acabou morto com o irmão Darlan em Itiruçu.

Proteção
Uma família de ciganos de Vitória da Conquista está sendo acompanhada pela Defensoria Pública do Estado (DPE/BA) após a instituição receber denúncias de perseguição de policias militares à comunidade cigana depois do assassinato dos PMs. Cinco mulheres e sete crianças da família foram para um município vizinho, e a Defensoria busca a inserção delas em um programa de proteção a testemunhas. “A mãe dos meninos, as mulheres dos meninos, os filhos dos meninos que foram mortos correm risco de morte, assim como todos nós. Toda a comunidade cigana está apavorada”, contou uma parente dos ciganos que não vive mais na região de Conquista.

A assessoria da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) foi procurada, mas pediu que a reportagem entrasse em contato com a Polícia Militar, que não retornou até o fechamento desta edição.

Entenda a cronologia dos crimes:

13 de julho – O tenente Luciano Libarino Neves, 34 anos, e o soldado Robson Brito Matos, 30, são mortos durante uma investigação no distrito de Josué Gonçalves, em Vitória da Conquista. Um grupo de ciganos seriam os assassinos.

13 de julho – No mesmo dia do assassinato dos policiais o cigano Ramon da Silva Matos foi morto pela polícia, no bairro de Lagoa das Flores, durante confronto. Ele foi socorrido, mas chegou sem vida ao hospital.

14 de julho – O cigano Rodrigo Silva Matos é preso suspeito de envolvimento na morte dos dois policiais militares. Ele é pai de Ramon e dos outros ciganos que seriam assassinados nos dias seguintes.

14 de julho - Arlan e Dalvan da Silva Matos são assassinados na cidade de Itiruçu em confronto com PMs, após a prisão do pai. No mesmo dia Morais da Silva Matos, 13, morre depois de ser baleado em uma farmácia em Vitória da Conquista. Apesar da circunstância ainda não ter sido esclarecida, a família acusa a polícia.

18 de julho - O empresário Diego Santos Souza, 29 anos, morreu em Conquista. Ele foi encontrado dentro de um carro carbonizado. Testemunhas afirmam que o jovem foi confundido com um cigano, mas a polícia investiga as hipóteses de acidente ou homicídio.

28 de julho - Sólon, Diogo e Bruno Silva Matos são mortos durante confronto com a polícia no município de Anagé. Segundo a PM, eles estavam às margens do rio Gavião e revidaram a abordagem.

Itens relacionados (por tag)

  • Facção ostentou por 6 meses sigla em igreja ao lado da sede da Polícia Civil, na Piedade

    Sacrilégio, mais um recado afrontoso ou os dois? O fato é que a inscrição da facção Bonde do Maluco (BDM) estava a 30 passos do prédio-sede da Polícia Civil, na Piedade. Há cerca de seis meses, as paredes da Igreja e Convento Nossa Senhora da Piedade exibiam as iniciais do maior grupo criminoso do estado e vinham deixando todos preocupados, principalmente quem está diariamente no tempo religioso.

    “Vandalismo já aconteceu bastante, mas pichação como essa de agora, referente à uma facção, não. Estamos todos assustados. Qual o objetivo deles expressando isso em nossa parede? Faz medo porque a gente não sabe o que está por trás disso. Pode ser recado à polícia, pode sim, como também pode ser uma direta a outros grupos que também atuam aqui no centro. Quais as consequências disso para todos nós? ”, declarou o reitor do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, padre Albervan Pinheiro.

    As inicias “BDM” estavam até a última sexta-feira (10) nas paredes frontais da Igreja e Convento Nossa Senhora da Piedade, onde o portão de entrada está defronte à Praça da Piedade. “Já tinha visto as pichações, mas não sabia que as letras indicavam uma facção”, disse o padre Albervan. Ao tomar conhecimento do significado das três letras através do CORREIO, o religioso aproveitou que o templo passa por uma reforma e determinou que a pichação fosse apagada. “Viajei no último sábado (18), mas antes disso ordenei para o pessoal da obrar cobrisse aquilo lá. Quando retornei na segunda (13), não havia mais nada”, contou.

    A reportagem repercutir o caso com alguns fiéis. De acordo com um deles, o BDM quis mandar um recado para a à Secretaria de Segurança Pública (SSP). “Com certeza foi para chamar a atenção da polícia, para dizer: ‘estamos aqui e não temos medo’. Esta é a minha leitura. Como é possível fazerem isso sem que a polícia percebesse, bem debaixo do nariz dela? Aqui tem câmera para todos os lados, inclusive na praça. E o pior: isso está aí há uns seis meses e ninguém apaga”, declarou o economista João Paulo de Freitas, 54, morador do bairro e um dos frequentadores assíduos da igreja Nossa Senhora da Piedade.

    As iniciais teriam sido colocadas por moradores de rua da região. “Certamente. Eles são usuários ao mesmo que tempo que também trabalham para a facção, levando e trazendo informações e pichando as iniciais do grupo a pedido dos gerentes do tráfico”, contou João Paulo.

    Questionada sobre o acontecido, a SSP informou que " combater o tráfico de drogas é prioridade das polícias Militar e Civil". "Informa ainda que de janeiro a agosto, em 2021, cerca de 15 toneladas de entorpecentes foram apreendidos e 1,2 milhão de pés de maconha foi destruído", disse a SSP em nota.

    Já a Polícia Civil disse que " a ação de quadrilhas " é investigada pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco). A nota enviada pontua que a PC "vem atuando por meio de atividades de inteligência, diligências, operações e outras ações de Polícia Judiciária em todo território baiano".

    A Polícia Militar, por sua vez, informou que "o policiamento ostensivo na região da Praça da Piedade conta com duplas de policiais militares a pé ao longo dos seus subsetores, reforçado por guarnições ordinárias embarcadas em viaturas duas e quatro rodas e pela Companhia de Emprego Tático Operacional (CETO) do 18º BPM". A PM também informou que conta com uma base móvel de segurança e com o reforço operacional de policiais atuando 24h. Ainda segundo o órgão, no mês de setembro, "o policiamento foi reforçado com mais uma viatura de rádio patrulhamento acrescida, durante o dia, ao efetivo já existente, tendo em vista a aproximação da alta estação e dos meses de final de ano".

    Esta não foi a primeira vez que siglas de facções são ostentadas próximas a unidades policiais. Em setembro do ano passado, o CORREIO registou também as iniciais do Comando da Paz (CP) e o Comando Vermelho (CV) em frente à Base Comunitária e a menos de 500 metros da 40ª Companhia Independente da Polícia Militar (Nordeste de Amaralina). No seguida à publicação, as inscrições foram apagadas pela polícia.

    Missas
    Antes das inscrições, os assaltos já faziam parte da rotina dos fiéis. Por conta do aumento da criminalidade no entorno Igreja e Convento Nossa Senhora da Piedade e também na Paróquia de São Pedro que, apesar de não ter sido pichada com as iniciais do BDM, vem sofrendo as consequências por estar situada na Praça da Piedade, as tradicionais missas nas tardes de domingo foram suspensas desde o início da pandemia.

    “Quando encerrávamos as celebrações das 17h, os fiéis eram assaltos nos pontos de ônibus ou quando andavam para casa, pois muitos moravam no entorno. Isso aqui aos domingos é muito deserto e as pessoas estavam vulneráveis. Bandidos levavam bolsas, correntes, o que podia carregar. Então, por uma questão de segurança, tanto aqui, como na Paróquia de São Pedro, ficou decido pelo encerramento das missas nas tardes de domingo”, declarou o reitor do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, padre Albervan Pinheiro.

    A reportegem perguntou à Polícia Civil sobre o que tem a dizer sobre o cancelamento das missas às 17h e também em relação aos constantes assaltos. Até o fechamento desta edição não houve um posicionamento. Os mesmos questionamentos foram realizados à Polícia Militar (PM), que por sua vez também não respondeu.

    Barra
    As marcas das facções são encontradas cada vez mais no centro de Salvador. Ou seja, os criminosos estão saindo da periferia, deixando os locais escondidos, para ostentar o poder em bairros turísticos, como a Barra.

    Na Rua Barão de Sergy iniciais de grupos rivais foram deixadas em pontos distintos ao logo da via, a cerca de 250 metros da 14ª Delegacia (Barra). Na parede de uma farmácia que dá no início rua no sentido Porto da Barra, a letras “C” e “P”, postas lado a lado, fazem referência de que o comando do tráfico no local é do Comando da Paz. “Eu não sabia do que se tratava, mas está aí há quase um ano. Mas não é novidade pra ninguém que a Barra hoje virou o point da malandragem, principalmente nos finais de semana, pois o tráfico rola solto”, disse um morador de um dos edifícios no local.

    Uma gaúcha, que mora há poucos mais de cinco meses em um dos prédios da rua, disse que assim que chegou, foi orientada pelos vizinhos sobre a situação do tráfico na Barra. “A gente percebe através de comentários, que aqui já foi um lugar mais tranquilo. Agora, vem muita gente de outros lugares atrás de drogas. Isso acontece com mais frequência no sábado e no domingo, quando tem o maior fluxo de pessoas, consequentemente um número maior de consumidores”, disse ela.

    Já no final da Barão de Sergy, no muro do Edifício Rosário, é possível perceber, ainda que apagadas, uma das simbologias do Bonde do Maluco, "TD 3", que siginfica "Tudo 3", a mesma coisa que "BDM" , além da sigla CP, que, ao que tudo indica, sobrepõe a marca rivcal. Algumas pessoas disseram que foram os próprios moradores do prédio que trataram de retirar as pichações. Nenhum deles quis falar soibre o assunto.

    Um porteiro que trabalho há mais de 20 anos em um edifício disse que a Barra está igual ao bairro que ele mora, o Tororó. “ Não tem muito tempo que acordamos com tudo pichado do BDM. A cada dia eles (traficantes) estão mais ousados, querendo ficar em evidência e dão testa onde for. Foi o que a aconteceu no domingo. Alguém deu o canal que o rapaz estava no local e foram lá para apagar ele”, disse o porteiro, se referindo ao episódio do último domingo, quando dois homens e uma mulher foram baleados durante tiroteio no Porto da Barra.

    Tiroteio
    O Departamento de Homicídios a Proteção à Pessoa (DHPP) investiga a autoria e a motivação dos tiros que mataram o acusado de tráfico Rodrigo Cerqueira de Jesus, o Tosca no domingo (05), no Porto da Barra. No dia, a mãe dele e outro homem também foram baleados.

    As vítimas foram socorridas para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde Rodrigo chegou sem sinais vitais. O estado de saúde das outras duas vítimas não foi divulgado. Moradores da região contam que foram, ao menos, cinco disparos efetuados na esquina da Rua Cézar Zama com a Barão de Sergy.

    De acordo com a assessoria da Polícia Civil, informações preliminares dão conta de que Rodrigo seria integrante de um grupo criminoso com atuação no bairro de Cosme de Farias e um dos alvos de investigações do DHPP.
    Ainda segundo informações preliminares, ele seria o principal alvo dos criminosos. A disputa pelo tráfico de drogas é a principal linha de investigação para o crime.

    A Barra vem sofrendo com uma onda de violência. Para minimizar a situação, a 11ª Companhia Independente (Barra) conta atualmente com um novo comandante quer assumiu o cargo nesta quinta-feira (16).

    Pavilhão
    Um dos cinco grupos criminosos mais atuantes na Bahia, e considerado o mais violento, o Bonde do Maluco (BDM) surgiu em 2015 no pavilhão V do Presídio Salvador, no Complexo Penitenciário da Mata Escura. Liderado pelo assaltante de banco José Francisco Lumes, o Zé de Lessa, morto em dezembro de 2019, o grupo nasceu como uma ramificação da extinta facção Caveira, comandada por Genilson Lima da Silva, o Perna, custodiado em presídio federal.

    Seguindo modelo semelhante às maiores organizações criminosas do país - Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, e Comando Vermelho, do Rio de Janeiro -, o BDM foi criado para ampliar a área de atuação da facção Caveira, nesse caso, na Bahia, em alguns pontos estratégicos do tráfico da capital, como Subúrbio e Cajazeiras, e principalmente na Região Metropolitana de Salvador.

    No entanto, houve um racha e uma parte do grupo mais agressiva ficou sob o comando de Zé de Lessa, que tinha como fornecedor de armas e drogas o PCC. Atualmente, em Salvador, o BDM tem atuação em Cajazeiras, Brotas, parte do Subúrbio e orla (entre a Boca do Rio e Itapuã), Cabula, Garcia, Pau da Lima, Federação e parte da Ilha de Itaparica. A expansão começou por Cajazeiras X.

  • Primeira Delegacia da Mulher itinerante é criada na Bahia

    A primeira Delegacia Especial de Atendimento a Mulher (Deam) Itinerante é criada na Bahia. Um ônibus da Polícia Civil, com equipe especializada no atendimento de casos de violência contra mulher, visitará quatro cidades baianas até o começo de outubro: Ipiaú, Jaguaquara, Itatim e Itapetinga. O objetivo é reduzir a subnotificação destes crimes, principalmente no interior, assim como acolher e explicar às vítimas sobre seus direitos. A expectativa, segundo a delegada-geral Heloísa Campos de Brito, é que haja, pelo menos, 10 atendimentos por dia, em cada cidade.

    Em toda a Bahia, existem somente 15 delegacias especializadas para a mulher - duas em Salvador, nos bairros do Engenho Velho de Brotas e Periperi, e duas na Região Metropolitana de Salvador (RMS). Com a Deam Itinerante, cidades que não têm essa estrutura poderão se beneficiar, mesmo que por alguns dias, desse serviço. Daí que surgiu a ideia para a ação. A apresentação do projeto ocorreu durante o 1º Encontro Estadual das Delegacias e Núcleos Especiais de Atendimento às Mulheres, nesta terça-feira (14), no auditório do prédio-sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), no CAB.

    “Esse projeto veio da necessidade de estarmos mais próximos em comunidades onde não tínhamos uma estrutura voltada diretamente para a violência contra mulhe”, explica Heloísa. A delegada também esclarece que uma equipe de fora da cidade pode incentivar possíveis denúncias. “A ideia é que as mulheres se sintam mais à vontade para fazer o registro, porque a equipe não é da cidade. Normalmente, em cidades pequenas, o policial conhece a família e a pessoa fica inibida de ir à delegacia”, acrescenta.

    Mesmo com a redução de 17,6% do número de feminicídios na Bahia, os números ainda preocupam a Polícia Civil. Em 2021, entre janeiro e setembro, foram 63 mulheres mortas só pelo fato de serem mulheres. Em 2020, foram 74 casos no mesmo período. “Ainda é um número substancial. E pior, a gente não sabe quantos outros tipos de violência aconteceram com essa mulher, como a violência emocional, patrimonial, que vão numa crescente, até que a mulher não aguenta mais e faz a denúncia”, alerta a delegada-geral.

    Por isso, a Deam Itinerante tem ainda um viés educativo. A equipe será composta por uma delegada, uma escrivã e duas a três investigadoras. “Nossa equipe vai poder, inclusive, falar acerca dos direitos, quais medidas podem ser adotadas pelas mulheres vítimas de violência, para onde ela pode recorrer e qual a rede de proteção de apoio”, enumera a delegada.

    O ônibus ficará, em média, três a quatro dias em cada município. As quatro cidades foram escolhidas por demandas de representações políticas locais. “O projeto ainda é piloto, vamos avaliar a demanda de cada cidade, fazer a primeira escuta, e isso servirá de subsídio para a gente fazer o planejamento para novos Núcleos de Atendimento à Mulher”, acrescenta a delegada-geral.

    Vereadoras propõem DEAM em Cajazeiras
    Uma proposta para se criar uma terceira Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), em Salvador, tramita na Câmara Municipal de Salvador (CMS). O projeto de indicação PIN-438/2021, enviado pelo mandato coletivo Pretas por Salvador, sugere ao governo estadual que uma Deam seja criada no bairro de Cajazeiras, o maior da América Latina, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ele está na pauta do dia da sessão ordinária desta terça-feira (14).

    “Cajazeiras é uma cidade, é enorme e o processo de acesso a transporte público não torna as Deams acessíveis. Uma é em Brotas, que é no final de linha do Engenho Velho de Brotas, e a outra em Periperi. Não são como o Fórum, por exemplo, que tem uma estação de metrô na frente. Inclusive, pela norma técnica de padronização das Deams, Salvador já deveria ter muito mais do que duas Deams. Então esse projeto visa garantir que as mulheres de Cajazeiras tenham acesso a uma política pública de enfrentamento de violência contra mulheres”, explica Laina Crisóstono, co-vereadora do mandato Pretas por Salvador.

    Sobre a possibilidade da criação de uma Deam em Cajazeiras, a delegada-geral Heloísa Brito, afirma que existe um limitador estabelecido durante a pandemia da covid-19. “A gente não pode criar cargos nem aumentar nenhum tipo de estrutura, em razão da pandemia. Mas, a longo prazo, a Polícia Civil já pensa em superar essa demanda, considerando o tamanho de Cajazeiras”, argumenta Heloísa.

    Rede de serviços públicos de enfrentamento a violência contra as mulheres**
    Ligue 180
    Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência 24 horas, todos os dias da semana, para orientação. O Ligue 180 não tem caráter emergencial, ou seja, a polícia não vai até o local em que a agressão ocorreu. Para acionar o socorro imediato, Disque 190, da Polícia Militar.

    Disque 100
    Disque Direitos Humanos é o canal oficial do governo federal que recebe denúncias de qualquer violação de direitos humanos.

    Aplicativo Direitos Humanos BR
    Nova plataforma digital do Disque 100 e Ligue 180. Disponível na AppleStore (Iphone) e na GooglePlay (celulares com sistema Android).

    Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) do Engenho Velho de Brotas
    Rua Padre Luiz Figueira, SN. Telefone: (71) 3116-7000.

    Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) de Periperi
    R. Dr. Almeida, 72. Telefone: (71) 3117-8217.

    Defensorias Públicas e Defensorias Especializadas na Defesa dos Direitos das Mulheres
    Rua Arquimedes Gonçalves, nº 482, Jardim Baiano. Atendimento de segunda a sexta das 07h às 16h. Distribuição de senhas até às 15h30min. Tel. (71) 3324-1587

    Justiceiras
    Iniciativa dos institutos Justiça de Saia, Bem Querer Mulher e Nelson Wilians, o projeto oferece apoio jurídico, psicológico e assistencial para mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. O contato pode ser realizado pelo Whatsapp (11) 99639-1212. Saiba mais: https://justiceiras.org.br | Instagram @justiceirasoficial

    TamoJuntas
    Organização feminista composta por mulheres profissionais que atuam voluntariamente na assistência multidisciplinar (jurídica, psicológica, social) a mulheres em situação de violência e que possui voluntárias em diversas regiões do Brasil. Saiba mais: https://tamojuntas.org.br | Instagram @atamojuntas | Facebook: @tamojuntas

    Mapa do Acolhimento
    Plataforma digital que conecta mulheres que sofrem ou sofreram violência de gênero a uma rede de psicólogas e advogadas dispostas a ajudá-las de forma voluntária. Saiba mais: www.mapadoacolhimento.org | Instagram: @mapadoacolhimento | Facebook: @MapaDoAcolhimento

    Rede Feminista de Juristas
    Composta por juristas de diversas áreas do Direito, a rede atua na promoção da igualdade de gênero no Brasil a partir de uma perspectiva interdisciplinar e interseccional. Instagram: @defemde | Facebook: @deFEMde

    PenhaS
    Iniciativa da Revista AzMina, o app apresenta um mapa de delegacias, além de oferecer acolhimento e prestar informações sobre direitos das mulheres. Disponível na GooglePlay e na AppleStore.

    Robô ISA.bot
    Desenvolvida pela Think Olga e pelo Mapa do Acolhimento, a ISA.bot oferece respostas e orientações rápidas para mulheres vítimas de violência doméstica ou online. Pode ser acionada pelo inbox do Facebook ou ativada no Google Assistente. Saiba mais: www.isabot.org.

    Mete a Colher
    Por meio de plataformas digitais e redes sociais, a startup oferece orientação a mulheres vítimas de violência. Saiba mais: www.meteacolher.org | Instagram: @appmeteacolher | Facebook: @appmeteacolher.

    Safernet Brasil
    A organização conta com um canal de denúncia e outro de orientação de forma online e gratuita sobre segurança na Internet e como prevenir riscos e violações, como intimidação, humilhações (cyberbullying), troca e divulgação de mensagens íntimas não-autorizadas (sexting ou nudes), encontro forçado ou exposição forçada (sextorsão), entre outras violências. Canal de denúncias: https://new.safernet.org.br/denuncie | Canal de orientação: https://www.canaldeajuda.org.br/helpline.

    Marias da Internet
    A ONG oferece apoio psicológico e jurídico a mulheres vítimas de violência de gênero online. O contato pode ser feito pela página do Facebook e também pelo (44) 99103-0957. Saiba mais: www.mariasdainternet.com.br | Instagram: @mariasdainternet | Facebook: @MariasDaInternet

    **Fonte: Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM)

  • Tenente da Rondesp é morto em tiroteio no bairro de Cosme de Farias

    Um tenente de Polícia Militar foi morto a tiros na noite de domingo (12) em Cosme de Farias. Equipes da 58ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) e da Rondesp faziam ronda por volta das 20h na Rua Araçatuba, no Alto do Cruzeiro quando foram surpreendidos por um grupo com dezenas de homens armados. O PM Mateus Grec de Carvalho Marinho, 35 anos, foi baleado na região do tórax.

    Socorrido ao Hospital Geral do Estado (HGE), Mateus não resistiu e acabou morrendo. Na mesma ação, um suspeito foi baleado e também morreu. Com ele foi apreendida uma pistola calibre 45. "Nossas equipes foram atacadas por um grupo de cerca de 20 a 30 homens armados, com armas de fogo semiautomática e automáticas. Durante esse enfrentamento, o tenente Mateus Grec veio a ser atingido e veio a óbito. Foi atingido na abertura do colete a prova de balas, lateralmente", disse à TV Bahia o major Valdino Sacramento.

    O policiamento foi reforçado na região do bairro. Uma base comunitária está no local. "Trouxemos um aporte ainda maior para região, o que já estava intensificado ficará mais ainda. Não existe prazo para terminar. vamos dar uma resposta mais incisiva à marginalidade", acrescentou.

    O tenente Grec era lotado na Rondesp Atlântico e estava na PM há cerca de 8 anos. Ele deixa esposa. Em nota, a PM lamentou a morte. O sepultamento será realizado hoje, no cemitério Bosque da Paz às 14h.

    Em um dos últimos posts feito em rede social, Mateus publicou uma foto fardado celebrando a apresentação de um fuzil. "Apresentar o primeiro fuzil da Rondesp atlântico foi uma realização pessoal. É lama, é mato, chuva, é charco. Menos um fuzil na área, menos um perigo para nossos irmãos policiais", escreveu. "É isso que estamos enfrentando todos os dias. No mais, agradeço muito ao meu pelotão. Tem sido uma experiência, incrível, irmãos", escreveu.

    Ele também usava as redes sociais para compartilhar momentos da sua rotina fora da polícia - era flamenguista, apaixonado por cachorros e gostava muito de ler, com preferência para o "mestre do terror", Stephen King.

    Depois da morte do PM, um dos suspeitos ainda fez uma família refém no Alto do Cruzeiro. Três adultos e três crianças foram mantidos na casa durante negociação com a polícia. A situação acabou por volta das 23h.

    A morte de Mateus foi a segunda de policial militar no final de semana na Bahia. Na madrugada do sábado, em Porto Seguro, no sul baiano, o soldado Antonio Elias Matos Silva, 31 anos, foi morto durante abordagem a duas pessoas, que reagiram atirando. Antonio foi atingido e encaminhado ao hospital Regional de Eunápolis, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade de saúde.

    O governador Rui Costa lamentou as mortes. "Infelizmente ontem perdemos um tenente. Vai aqui minha solidariedade e sentimentos a seus familiares. Sábado perdemos um soldado em Porto Seguro. Vai minha indignação e revolta com esse modelo juridicional, criminal, existente no Brasil. Não quero jogar a culpa nos juízes. A lei criminal brasileira precisa mudar rapidamente. Não é possível, é inaceitável, que a mesma pessoas seja presa 1, 2, 5, 6 vezes, muitas vezes respondendo por homicídio. Eventualmente, aqueles que respondem são condenados com 1/6 da pena e possam ter algum tipo de liberdade. Considero como cidadão e pai de família inaceitável", disse em entrevista à Rádio Metrópole.

    Ele ainda associou a criminalidade crescente ao tráfico de drogas. "Brasil virou um grande consumidor de droga no mundo, em várias camadas sociais. A gente precisa dizer com todas as letras: o consumo de drogas é que financia crime organizado, morte de adolescentes, morte de policiais", afirmou. "Isso acrescido à atitude irresponsável do presidente da República, que liberou e facilitou compra e disseminação de armas. É visível o crescente número de armas, e o poderio de armas, dos bandidos". Para Rui, os controles de quem compra o armamento não é suficiente. "Independente de quem compra, as armas, mais cedo ou mais tarde, acabam chegando na mão de bandidos. E o policial tem que ir pra rua pra enfrentar bandido com fuzil, com pistola automática, com metralhadora".

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.