Dia mais violento do ano: Salvador e RMS registram 11 assassinatos em 24h

Dia mais violento do ano: Salvador e RMS registram 11 assassinatos em 24h

A terça-feira é o dia da semana com menos histórico de homicídios, revelam dados da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) compilados entre 2011 e 2021. O período mais violento costuma ocorrer no sábado e domingo. Mas, contrariando as estatísticas, a última terça-feira (11) foi de terror em Salvador e na Região Metropolitana (RMS). Foram 11 assassinatos em nove localidades diferentes e o maior número registrado em 2022. A média dos dias anteriores, a partir de 1º de janeiro, era de 3,3 mortes violentas por dia.

O salto ainda não tem uma explicação. As investigações estão em andamento e, até o momento, a polícia não identificou relação entre as mortes, com exceção de dois duplos homicídios. O primeiro foi de um casal de adolescentes e aconteceu em Lauro de Freitas. Duas horas depois, em Dias D’ávila, dois ciganos foram assassinados e, no caso deles, os crimes não pararam por aí.

Em um intervalo de 12 horas, a família de ciganos foi praticamente exterminada na Região Metropolitana de Salvador (RMS). Foram quatro mortos no total: um homem, sua mulher, seu irmão e um sobrinho. Os crimes são investigados pela Polícia Civil, que apura se os casos estão relacionados.

As primeiras mortes aconteceram na cidade de Dias d'Ávila por volta das 19h30 da terça-feira (11). O casal Orlando Alves, 59 anos, e Luciene Alves de Oliveira, 56, estava dentro de casa, na Rua dos Jardins, no bairro de Petrópolis, quando foi baleado por um homem em uma moto. Segundo alguns ciganos vizinhos das vítimas, na hora, o neto do casal, um rapaz de 14 anos, correu para o banheiro, onde permaneceu escondido. Eles relataram que o criminoso parou a moto em frente à residência das vítimas. "Ele chamou o velho pelo nome. Quando abriu a porta, ele recebeu os primeiros disparos. A mulher estava um pouco distante de Orlando e foi baleada logo em seguida", contou a testemunha.

Ainda segundo os vizinhos, os corpos foram encontrados com várias perfurações na cabeça e no tórax. "O que fizeram com eles foi uma tamanha crueldade. Orlando e a mulher foram os primeiros ciganos a chegarem aqui no bairro. Todo mundo gostava dos dois. Era um casal pacato, que não mexia com ninguém", declarou um vizinho. Orlando trabalhava com a venda de terrenos na localidade.

Já o irmão e sobrinho de Orlando, Alcides, 76 anos, e Nilson Alves, 44, sofreram a violência em Camaçari, por volta das 7h30 de ontem, não entrando na estatística dos 11 mortos da terça. Eles estavam na Rua Serra Verde quando foram baleados. Os dois morreram no local. Um segundo sobrinho de Orlando, chamado Joel, 45 anos, também foi atingido e está internado no Hospital Geral de Camaçari. Não há informações sobre o seu estado de saúde. Os três irmãos estavam dentro de um Palio vermelho e foram atingidos em frente à igreja Assembleia de Deus Peniel - ao lado da casa onde moravam.

A história de terror não para por aí. Há cerca de 40 dias, um outro filho de Orlando foi assassinado numa emboscada na localidade de Cascavel, em Dias d'Ávila.

"Do nada, chegam, matam e ninguém sabe o porque", disse um cigano amigo da família, que preferiu não revelar o nome. No entanto, informações preliminares da polícia dão conta de que as mortes teriam sido encomendadas por outro cigano, que responsabiliza a família de Orlando pela morte de seu neto.

Dois adolescentes mortos em Lauro de Freitas

O outro duplo homicídio da terça (11) aconteceu na Rua Direta do Capelão, em Areia Branca, Lauro de Freitas. Cauane Lima dos Santos, 15 anos, e Josafá dos Santos Menezes, 17, foram vítimas de tiros às 17h22. Segundo a Polícia Civil, Cauane chegou a ser socorrida para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itinga e Josafá, para o Hospital Geral Menandro de Faria, mas ambos não resistiram.

A Polícia Civil informou que o caso está sendo investigado pela 27ª Delegacia Territorial (DT/Itinga). A unidade policial já iniciou as investigações a fim de chegar à autoria, motivação e dinâmica do crime e já ouviu, de maneira preliminar, um familiar de cada uma das vítimas. Foram expedidas as guias para o trabalho do Departamento de Polícia Técnica (DPT).

Ainda na terça, na Caixa d’Água, às 9h46, o corpo de Lucas Guerra Santos Conceição, 18 anos, foi encontrado pela mãe, dentro de casa. O rosto da vítima apresentava sangramento. Autoria e motivação estão sendo investigadas. Foram expedidas guias de perícia e remoção.

Em Águas Claras, às 11h08, Davi Cauan Souza de Santana, 17, foi baleado por homens em um veículo. Ele foi socorrido para o Hospital Eládio Lasserre, mas não resistiu. Equipes da Polícia Civil estiveram no local, não há detalhes sobre autoria e motivação do ataque.

Em Pojuca, às 20h23, um latrocínio vitimou Anderson Bruno de Jesus Santos, 21 anos. Ele estava transportando frutas em um caminhão e parou para verificar o estado do veículo, quando dois homens encapuzados anunciaram o assalto e efetuaram disparos. A DT de Pojuca está responsável pela investigação e guias periciais foram expedidas.

No bairro de Valéria, às 21h07, um homem sem identificação foi atingido por disparos. A Equipe Silc/DHPP foi acionada. Autoria e motivação são investigadas. Em Pirajá, às 21h50, um homem também sem identificação foi encontrado com marcas de tiros. O crime estpa com a 3ª DH/BTS.

Em Monte Gordo, às 23h53, um homem sem identificação foi encontrado com marcas de disparos de arma de fogo. A autoria e motivação do crime ainda estão sendo apuradas.

Janeiro vermelho

A soma de assassinatos nos primeiros 11 dias de janeiro é 46 (veja lista no final da reportagem). O número é 28% menor que o registrado nos primeiros 11 dias de 2021, quando ocorreram 64 homicídios. Em relação a janeiro deste ano, a partir das informações dos boletins da SSP, é possível traçar um perfil parcial das vítimas. Das 46 pessoas, 41 são homens, o que representa 89%. Apenas 5 são mulheres (11%). Em relação à idade, somente 24 vítimas tinham essa informação no boletim. Desse total, 13 (54%) são jovens de até 30 anos e 5 são menores de 20.

De acordo com um levantamento do CORREIO a partir de dados da SSP, 20.137 pessoas morreram de forma violenta entre janeiro de 2011 e junho de 2021. Esse número é maior do que a população inteira da cidade de Pindobaçu, no Sertão, por exemplo, e pouco menor do que a população de outras cidades como Abaré, Baixa Grande, Barra da Estiva, Maracás e Maraú, todas com população menor que 21 mil pessoas.

De 2011 a 2021, quem mais morreu vítima de violência em Salvador e na RMS foram homens de 17 a 26 anos. A faixa de idade com o maior número de vítimas foi a de 19 anos. Quatro bairros da periferia de Salvador se destacam na lista de mortes em 2021: São Marcos, onde 87,3% da população se autodeclara preta ou parda, São Caetano, Valéria e Fazenda Grande do Retiro.

Os boletins com os crimes deste ano não informam a cor da pele das vítimas, mas especialistas apontam que a maior parte das pessoas que têm mortes violentas são jovens, negros e moradores da periferia, inclusive aqueles mortos por intervenção policial, que não aparecem nos boletins e, portanto, não integram a lista das vidas já perdidas este ano.

"Infelizmente, é esse o perfil de pessoas que mais morrem vítimas de violência: homens jovens negros. É o que chamamos de genocídio da juventude negra. São homicídios praticados por terceiros ou mortes praticadas pelo Estado. O que nos preocupa, sobretudo, é como essas mortes são vistas pela sociedade como descartáveis. Elas são muitas e não causam grandes abalos na sociedade, são relativizadas e ignoradas. Por isso, a segurança pública precisa ser pensada numa lógica de prevenção à violência e manutenção da vida das pessoas, uma política de paz", ressalta Luciene Santana, pesquisadora da Rede de Observatórios da Segurança na Bahia e da Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas.

O que diz a SSP

Em nota, a SSP disse que o registro de 11 mortes violentas na terça (11) “é considerado atípico, visto que os primeiros dias do ano apresentaram reduções significativas em relação ao mesmo período do ano anterior”. A Secretaria também destacou que os esforços continuam para reduzir ainda mais esses índices e que todos os casos já são acompanhados pela Polícia Civil para identificação e apresentação dos autores à Justiça.

A nota ainda informa que a SSP está trabalhando para conter as trocas de tiros recorrentes em alguns bairros de Salvador nos últimos tempos e que já possui a identificação dos grupos responsáveis por essas ações. “Foi constatado o acirramento pela disputa dos pontos de vendas de drogas após a saída temporária de mais de 400 detentos do sistema prisional no período do final do ano”, diz o órgão.

Já a Polícia Militar disse que o policiamento ostensivo é realizado rotineiramente por guarnições embarcadas em viaturas e motos ou mediante acionamento pela comunidade. “Cada bairro é patrulhado pela respectiva unidade de área, com o apoio de guarnições táticas e especializadas, que reforçam as ações operacionais. Além disso, a Polícia Militar realiza operações especiais programadas com o foco em apreensões de armas e drogas, além da diminuição do tempo-resposta no atendimento dos chamados. É imprescindível, para tanto, que a comunidade acione guarnições da PM em face da suspeita de crimes em andamento”, diz a nota.

A corporação orienta que o cidadão desconfie de um delito em andamento ou de alguém em atitude suspeita que entre em contato pelo 190 ou pelo 181 (disque-denúncia).

Desigualdade acirra a violência

Para o especialista em gestão pública e professor titular do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) Sandro Cabral, que também é professor licenciado da Universidade Federal da Bahia (Ufba), a violência observada nas ruas está associada às desigualdades.

“A gente pode associar esse cenário de violência, dentre outros fatores, à crise econômica, ou seja, amplificação da pobreza e desesperança. Sem emprego e sem ocupação, num cenário de extrema desigualdade em que vivemos, acabamos tendo todos os ingredientes para a emersão da violência como forma de resolução de conflitos e imposição de poder”, afirma.

“É na segurança pública que acabam todas as mazelas sociais, desigualdades econômicas e até o individualismo da sociedade. Tudo isso acaba sendo refletido em violência”, resume.

O professor acrescenta que um dos fatores ligados às mortes violentas é o tráfico de drogas associado ao crime organizado. “Há um cenário de crime organizado Brasil afora, o tráfico de drogas é uma atividade extremamente lucrativa. Na Bahia, a gente vem acompanhando a emersão do poder dos traficantes nos últimos anos. Com isso, vem a disputa por território, conflitos, etc., como grandes motores de violência”, diz.

O especialista em gestão pública traz alguns pontos do que seria um caminho para a diminuição da violência: “Não adianta querer aumentar recursos materiais e humanos se não utilizamos bem os que já temos. No caso de policiais, por exemplo, podemos melhorar as escalas e rever o efetivo que está em desvio de função, temos muitos policiais exercendo funções administrativas, por exemplo. Outra coisa importante é a integração forte entre as forças policiais, como Polícia Civil e Polícia Militar, com compartilhamento de informações e ações coordenadas. Também é preciso trabalhar o princípio de transparência e qualificação porque os policiais não são acima da lei, é necessário rigor na apuração de desvios e combate ao corporativismo”, enumera.

Quem são os 46 mortos em Salvador e RMS até o dia 11:

1/01 – 3 MORTES (Além de 2 tentativas de homicídio)
MARCOS NEVES DAS DORES - 21 anos - SÃO SEBASTIÃO DO PASSÉ
A. J. dos S. L. (masculino) - 17 anos - VERA CRUZ
VALÉRIA MARIA CARDOSO DOS SANTOS TELES - 36 anos - ALTO DE COUTOS

2/01 – 4 MORTES
ROBERT FRANCISCO CARLOS REIS - 22 anos - ARENOSO
IAGO SILVA DOS SANTOS - 22 anos - ARENOSO
JAILSON DA ENCARNAÇÃO MORAIS - 43 anos - CAMAÇARI
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - ALTO DO CABRITO

3/01 – 2 MORTES
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - NOVA BRASÍLIA
DANILO PARANHOS BONFIM SANTOS - 36 anos - PALESTINA

4/01 – 2 MORTES (Além de 2 tentativas de homicídio)
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - JARDIM CRUZEIRO
ELIEZER CONCEIÇÃO COSTA - 58 anos - SUSSUARANA

5/01 – 5 MORTES
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - CALÇADA
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - LOBATO
MARCOS VINICIUS SANTOS PINHEIRO - 30 anos - NOVO MAROTINHO
LUÍS CLÁUDIO AMORIN LIMA - 51 anos - FAZENDA COUTOS 3
MULHER DE IDENTIDADE IGNORADA - VALÉRIA

6/01 – 2 MORTES (Além de 1 tentativa de homicídio)
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - ÁGUAS CLARAS
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - CASSANGE

7/01 – 5 MORTES
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - LIBERDADE
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - DIAS D’ÁVILA
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - DIAS D’ÁVILA
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - PIRAJÁ
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - ALTO DA TEREZINHA

8/01 – 3 MORTES
UIDISLEI OLIVEIRA SANTANA - 28 anos - CANDEIAS
EMERSON FERREIRA SANTOS - 34 anos - CAMAÇARI
VANILSON MENEZES DOS SANTOS - 32 ANOS - BAIXA DE QUINTAS

9/01 – 5 MORTES (Além de 1 tentativa de homicídio)
JACIANE SANTOS DE JESUS - 30 anos - VERA CRUZ
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - SIMÕES FILHO
JANILSON SANTOS SILVA - 28 anos - SALINAS DA MARGARIDA
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - ITAPUÃ
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - SÃO CRISTÓVÃO

10/01 – 4 MORTES
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - ÁGUAS CLARAS
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - CAMAÇARI
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - IAPI
ALESSANDRO DE MEDEIROS - 35 anos - PELOURINHO

11/01 – 11 MORTES
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - MONTE GORDO
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - PIRAJÁ
HOMEM DE IDENTIDADE IGNORADA - VALÉRIA
DAVI CAUAN SOUZA DE SANTANA - 17 anos - ÁGUAS CLARAS
LUCAS GUERRA SANTOS CONCEIÇÃO - 18 anos - CAIXA D’ÁGUA
ANDERSON BRUNO DE JESUS SANTOS - 21 anos - POJUCA
ORLANDO ALVES - 59 anos - DIAS D’ÁVILA
LUCIENE ALVES DE OLIVEIRA - 56 anos - DIAS D’ÁVILA
CAUANE LIMA DOS SANTOS - 15 anos - LAURO DE FREITAS
JOSAFÁ DOS SANTOS MENEZES - 17 anos - LAURO DE FREITAS
OSEAS SANTOS DE SOUZA - 45 anos - CAMAÇARI

*Fonte: Boletins da SSP-BA

Itens relacionados (por tag)

  • Amiga de adolescente recebeu R$ 650 para sair com médico acusado de abuso sexual

    O médico de 38 anos que foi preso em flagrante por estupro de vulnerável de uma adolescente de 13 anos, na Avenida Lucaia, no Horto Florestal, mantinha um relacionamento há cerca de um ano com a amiga da vítima, uma jovem de 18 anos. Segundo a polícia, ele conheceu a moça no Vale das Pedrinhas, onde a mãe dele mora, e eles marcaram um encontro, na quarta-feira (18). O médico negou aos policias ter tido relações com a adolescente. A polícia não divulgou os nomes dos envolvidos.

    A prisão em flagrante aconteceu por acaso. O coordenador da Operação Visão, delegado Thiago Almeida, contou que uma equipe da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos (DRFRV) estava passando pela região do Lucaia quando ouviu o alarme de uma loja disparar. Ao se aproximar do local os policiais avistaram um carro Civic, com vidros escuros, motor ligado e faróis acesos.

    “A Operação Visão da Polícia Civil tem por objetivo coibir os crimes contra o patrimônio, notadamente os roubos de veículos. Pela análise da mancha criminal a região do Horto Florestal e Federação apresentavam um elevando índice desse tipo de crime, por isso as equipes estavam nessa região. Teve uma loja que acionou o alarme e ao passar pelo local percebemos o carro preto e vultos dentro do veículo”, contou o delegado.

    Ele disse que o médico percebeu a viatura e tentou fugir. “Quando a equipe se aproximou o carro tentou engatar a ré e sair, mas os policias abordaram e deram ordem de descida. Desceu o motorista do veículo, que era o médico. Aí, do banco do passageiro, desceu a mulher de 18 anos. Instantes depois, desceu a menor de 13 anos”, afirmou.

    Segundo o delegado, eles desceram do carro se vestindo. O médico procurou saber o motivo da abordagem e disse que estava sendo constrangido. O clínico geral contou para os investigadores que tinha um encontro marcado com a jovem de 18 anos e que ao chegar ao local foi apresentado a adolescente. Ele disse também que matinha um relacionamento com a mulher de 18 anos há cerca de um ano e que a conheceu quando foi visitar a mãe dele. As duas moram no mesmo bairro.

    O médico alegou que não sabia que a jovem tinha 13 anos e negou em depoimento que tenha ocorrido alguma relação sexual entre eles. A mulher de 18 anos confirmou que tinha um encontro com o médico, que os dois se relacionam há cerca de um ano e que recebia dinheiro para sair com ele. O pagamento combinado desta vez era de R$ 650. Ela disse na delegacia que era irmã da jovem, o que é mentira. Ela também negou que a adolescente estivesse sendo aliciada. A jovem ainda não foi ouvida pela polícia.

    Os investigadores apreenderam o celular do médico, solicitaram coleta de material genético no carro e vão ouvir mais pessoas antes de concluir o inquérito. O delegado explicou que o médico está respondendo por estupro de vulnerável e exploração sexual, e a mulher de 18 anos por exploração sexual e corrupção de menor.

    “Levar uma pessoa menor para presenciar um ato sexual ou libidinoso diverso expõe a isso [esses crimes]. Diante da informação de que a menor participaria ou havia a possibilidade de estar ali participando é que ela [mulher de 18 anos] foi flagranteada também”, afirmou.

    A defesa do médico informou que ele está à disposição das autoridades competentes para prestar todos os esclarecimentos necessários. "Desde já informamos que a versão inicialmente veiculada não corresponde com a realidade dos fatos. Entretanto, em razão do sigilo inerente ao caso, ele não dará, por ora, qualquer declaração ou entrevista à imprensa e irá se restringir a provar sua inocência durante o curso da investigação", afirmou o advogado por meio de nota.

    Cajazeiras
    Ainda nesta quinta-feira (19), a polícia apresentou o resultado de outra ação para coibir o abuso sexual de crianças e adolescentes. Um treinador de futebol, que não teve o nome divulgado, foi preso em Cajazeiras acusado de abusar de jovens que eram atendidos no projeto social que ele comandava. A investigação começou há dois meses e o homem atuava há dez anos como treinador, sem licença. A polícia identificou 11 vítimas, mas acredita que existem mais.

    A titular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra a Crianças e o Adolescente (Dercca), Simone Moutinho, contou que foram cumpridos mandados de busca e apreensão na sede da instituição e na casa do treinador. Os investigadores encontraram vídeos com teor pornográfico de crianças e adolescentes em computadores, alguns deles eram jovens atendidos pelo projeto, e apreenderam computadores, celulares e documentos. No alojamento dos jogadores foram localizados mais documentos, preservativos e lubrificantes sexuais.

    “Conseguimos tomar o depoimento de 11 vítimas, mas esse é um projeto que já dura dez anos e tem muitas crianças envolvidas. A partir das oitivas e de tudo que apreendemos temos a dimensão de que existem mais vítimas. Ele ameaçava os jovens, e os pais e responsáveis não tinham conhecimento, estavam investindo no sonho dos filhos”, afirmou.

    As vítimas mais jovens tinham 12 anos. A polícia identificou crimes como estupro e corrupção de menores. O treinador também vai responder por armazenar e transmitir cenas de nudez e de natureza pornográfica envolvendo crianças e adolescentes. “Além das imagens dos alunos, ele contou que recebia pacotes com imagens de teor pornográfico envolvendo crianças e adolescentes, o que também é crime”, contou.

    Inicialmente, ele tinha um mandado de prisão temporária, mas como foi preso em flagrante com as imagens a polícia solicitou a prisão preventiva. Caso seja acatada, o homem ficará preso por tempo indeterminado. Segundo a delegada, ele negou o crime no primeiro momento, mas confessou em depoimento que fazia as imagens. Ele disse que não transmitia o conteúdo. Os jovens foram encaminhados para atendimento psicológico.

    A Operação Flor Lótus, como foi batizada, surgiu de uma denúncia crime do Ministério Público da Bahia, foi deflagrada pela Dercca e a prisão e as apreensões foram realizadas pela Coordenação de Operações Policiais (COP), do Departamento de Polícia Metropolitana (DEPOM).

    Cenário
    Os crimes contra crianças e adolescentes têm crescido na Bahia. Na quarta-feira (18), Dia de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, o CORREIO mostrou que o estado ocupa a 4º posição entre aqueles com maior número de casos de abusos sexuais praticados contra esse público no Brasil.

    Entre 1º de janeiro e 13 de maio de 2022, a Bahia registrou 2.925 denúncias, ou seja, 407 casos a mais do que os 2.518 relatados entre janeiro a junho do ano passado. Os dados são do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e apontam crescimento de 16% no número de ocorrências.

    Todo 18 de maio é celebrado o Dia de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A data é para lembrar os direitos humanos e fortalecer a rede de proteção desse público. Em 18 de maio de 1973, em Vitória (ES), uma menina de 8 anos foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta. O Caso Araceli chocou o país e passou a ser o símbolo da luta contra esse tipo de crime. A temática é debatida durante todo o mês pela campanha Maio Laranja.

     

  • Bahia tem mais beneficiários do Auxílio Brasil que empregados com carteira assinada

    Dentre os 13 estados brasileiros (nove do Nordeste e quatro do Norte) com mais beneficiários do Auxílio Brasil do que trabalhadores com carteira assinada, a Bahia ocupa o segundo lugar do ranking. Até março, eram 2.240.774 de pessoas recebendo o auxílio, frente aos 1.828.484 trabalhadores com CLT. Os dados são do Ministério da Cidadania e do Ministério do Trabalho e Previdência. O estado ainda é o maior do país em taxa de desocupação: 17,6%, conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE. Isso acontece mesmo com a Bahia tendo o 7º maior PIB entre os estados.

    Como destaca Mariana Viveiros, supervisora de disseminação de informações do IBGE, apesar da taxa ser elevada, é a menor para o primeiro trimestre em 6 anos. Mas isso não é motivo de comemoração. “Antes da pandemia a gente já tinha uma crise no mercado de trabalho entre 2015, 2016 e 2017, principalmente. Estamos voltando agora a um patamar de 2016 mais ou menos, mas isso não é tão positivo porque são números de uma crise. Estamos superando os desafios da pandemia e, com isso, voltando a enfrentar os nossos desafios estruturais”, coloca.

    Quanto ao cenário nacional, Mariana afirma que, desde 2012, início da série histórica, a Bahia está entre os cinco piores estados, o que reforça o problema estrutural a ser superado em relação ao mercado de trabalho. “A gente tem um estado muito populoso e há uma dificuldade de atender à demanda, até porque o mercado de trabalho é muito dinâmico e informal. São muitos desafios econômicos e de desenvolvimento e, principalmente, na educação. Temos indicadores de educação bastante insatisfatórios, inclusive, em comparação a outros estados do Nordeste”, acrescenta.

    São esses obstáculos até o mercado de trabalho que fazem crescer o número de beneficiários do Auxílio Brasil. Criado em 2021 em substituição ao Bolsa Família, o programa é direcionado a famílias em situação de extrema pobreza (renda familiar mensal por pessoa no valor de até R$ 100,00) ou em situação de pobreza (renda familiar mensal por pessoa entre R$ 100,01 e R$ 200,00).

    Luana Silva de Souza, de 30 anos, é uma das beneficiárias. Ela atuava como faxineira diarista e está desempregada há 3 anos. “Eu trabalhava em casa de família, fazendo faxina. Com a pandemia, eles pararam de me chamar. Mesmo quando as coisas voltaram ao normal, não quiseram mais. Aí até agora não encontrei nada fixo”, diz.

    Ela se vira como pode, fazendo tranças e também salgados, mas esbarra em dificuldades. “Eu tenho três filhos ainda pequenos, então, para eu sair para trabalhar, preciso que alguém olhe eles. Ainda não consegui colocar minha filha mais nova em uma creche, por exemplo”, conta. O Auxílio Brasil, de R$400, ajuda, mas não é suficiente. Só o aluguel que Luana paga custa R$300.

    Jaimilton Fernandes, coordenador do Auxílio Brasil na Bahia, destaca que, de 2.240.774 que recebiam o auxílio na Bahia em março deste ano, agora em maio o número já é de 2.259.173. Segundo ele, há um aumento sendo percebido desde o ano passado, mas ainda não é possível precisar o que justifica isso em meio à retomada da economia após os piores momentos da pandemia.

    "A gente tem uma demanda reprimida ainda de pessoas solicitando o benefício. No CadÚnico, por exemplo, eram cerca de 3 milhões de famílias cadastradas até o final de 2021 e, até fevereiro, houve um crescimento de pouco mais de 500 mil cadastros", afirma.

    O coordenador ainda destaca o impacto da quantia na economia do estado. "O Bolsa Família tinha um valor entre R$180 e R$190. Hoje, temos aproximadamente o dobro no Auxílio Brasil e mais pessoas beneficiárias. É um impacto considerável. Mas vale ressaltar que, desde 2018, o Bolsa Família não tinha reajustes, mesmo com o salário mínimo perdendo poder de compra".

    Em Salvador, o gerente de Cadastro Único e Benefícios da Secretaria Municipal de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esportes e Lazer (Sempre), Télio Barroso, destaca que, mesmo não sendo uma quantia tão expressiva, o benefício tem impacto positivo. “São pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza que conseguem se inserir aí no ramo de consumo e movimentar a economia. E é ampla a margem de pessoas que podem receber esse benefício e não há dificuldade para solicitar. O único documento obrigatório é o CPF e, por conta das dificuldades de transporte que algumas pessoas podem ter, nós fazemos ações indo diretamente em algumas localidades”, diz.

    Segundo Barroso, Salvador tem 396.843 famílias inscritas, sendo 874.780 pessoas beneficiadas, no total. Vale destacar o aumento desse número. De dezembro de 2021 a abril de 2022, os cadastros saíram de 354.738 mil famílias para 396.843, um aumento de 42.105 lares, o que representa 11,8%.

    Quando somados todos os bens e serviços finais produzidos na Bahia, o estado registra o sétimo maior PIB do Brasil. Apesar disso, o indicativo não reflete um grande problema do estado: a má distrubuição de renda. "Temos problemas estruturais no estado do ponto de vista da distribuição da riqueza que está sendo gerada. Os empregos gerados no mercado de trabalho formal não são suficientes para incorporar a população", explica a professora de Economia da UFBA Diana Gonzaga. Os resultados disso para são alta taxa de desemprego, informalidade e pobreza.

    Sem carteira assinada

    Dos 874.780, apenas 448.019 (51,2%) apresentaram carteira de trabalho. Luana da Silva Souza, mesmo quando estava empregada, não tinha carteira assinada. De acordo com o IBGE, a Bahia é o quinto estado com a menor taxa de trabalhadores com carteira assinada: 55,9% do total do setor privado, empatado com Sergipe. A taxa nacional é de 74,1%.

    Para Rosângela Lacerda, procuradora do Ministério Público do Trabalho na Bahia (MPT-BA) e professora da Faculdade de Direito da Ufba, os números mostram a ineficiência da Reforma Trabalhista. “Mesmo com a reforma, que já tem 5 anos, a gente não teve um aumento do número de empregados de uma forma geral no país. O contrato de trabalho intermitente até ajuda a diminuir o índice de desemprego, mas coloca o trabalhador em uma situação precária. É uma falácia, estatisticamente, dizer que a flexibilização das regras trabalhistas gera mais empregos”, destaca.

    A procuradora acrescenta ainda que a pandemia teve impacto no número de desemprego e informalidade, mas não é a principal culpada. “Mesmo antes da pandemia, em 2018, 2019 e início de 2020, a gente já tinha índices de desemprego elevados. A pandemia teve impacto no cenário que estamos vivendo hoje, mas não é a principal culpada. A gente já voltou para os níveis de desemprego de antes da pandemia, mas o problema é que o país não cresce porque o que faz com que os empregos estejam em alta é o desenvolvimento econômico”, finaliza.

    Como solicitar o Auxílio Brasil?

    Para passar a receber o Auxílio Brasil, é preciso se inscrever no Cadastro Único, o CadÚnico, ou atualizar suas informações, caso já seja inscrito. A concessão do Auxílio Brasil não é imediata e não tem prazo definido para ocorrer.

    Para se inscrever no CadÚnico, o interessado precisa procurar um centro de atendimento social da prefeitura da cidade onde mora. Uma pessoa da família deverá responder às perguntas que serão feitas. Essa pessoa será considerada Responsável pela Unidade Familiar (RF). Ela precisa ter 16 anos ou mais e, de preferência, ser uma mulher.

    Chegando ao local da inscrição, o responsável deverá mostrar um dos seguintes documentos:

    CPF ou título de eleitor;
    Registro Administrativo de Nascimento do Indígena (RANI), quando for responsável por uma família indígena (ele é opcional);
    Para responsáveis por família indígena ou quilombola, são aceitos também certidão de casamento, carteira de identidade (RG) ou carteira de trabalho.
    O responsável deverá mostrar também ao menos um documento de cada uma das pessoas da família. Pode ser: certidão de nascimento; certidão de casamento; CPF; RG; carteira de trabalho ou título de eleitor.

    Diferença entre beneficiários do Auxílio Brasil e trabalhadores CLT:
    (Ministério da Cidadania, através do Portal G1 Bahia, e Ministério do Trabalho e Previdência)

    Maranhão: 576.411
    Bahia: 412.290
    Pará: 332.706
    Piauí: 241.874
    Pernambuco: 155.548
    Paraíba: 188.546
    Alagoas: 118.974
    Ceará: 110.915
    Sergipe: 71.585
    Amazonas: 32.582
    Amapá: 26.643
    Acre: 22.610
    Rio Grande do Norte: 5.898
    *Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins não entraram no ranking porque têm mais trabalhadores com carteira assinada do que beneficiários do Auxílio Brasil.

    Proporção de trabalhadores com carteira assinada:
    (IBGE)

    Maranhão: 47,3%
    Pará: 51,3%
    Piauí: 51,4%
    Paraíba: 55,6%
    Bahia: 55,9%
    Sergipe: 55,9%
    Ceará: 56,2%
    Tocantins: 59,9%
    Alagoas: 61,6%
    Pernambuco: 62,8%
    Acre: 64,9%
    Rio Grande do Norte: 65,6%
    Amazonas: 69%
    Roraima: 69,1%
    Rondônia: 71%
    Goiás: 71,9%
    Amapá: 72,4%
    Minas Gerais: 74,3%
    Espírito Santo: 74,6%
    Mato Grosso do Sul: 76,7%
    Rio de Janeiro: 77%
    Distrito Federal: 77,6%
    Mato Grosso: 78,8%
    Paraná: 81%
    Rio Grande do Sul: 81,1%
    São Paulo: 82,4%
    Santa Catarina: 88,2%

    Taxa de desemprego por estado no 1º trimestre de 2022:
    (IBGE)

    Bahia: 17,6%
    Pernambuco:17%
    Rio de Janeiro: 14,9%
    Sergipe: 14,9%
    Acre: 14,8%
    Paraíba: 14,3%
    Alagoas: 14,2%
    Amapá: 14,2%
    Rio Grande do Norte: 14,1%
    Amazonas: 13%
    Maranhão: 12,9%
    Distrito Federal: 12,6%
    Piauí: 12,3%
    Pará: 12,2%
    Brasil: 11,1%
    Ceará: 11%
    São Paulo: 10,8%
    Minas Gerais: 9,3%
    Tocantins: 9,3%
    Espírito Santo: 9,2%
    Goiás: 8,9%
    Roraima: 8,8%
    Rio Grande do Sul: 7,5%
    Rondônia: 6,9%
    Paraná: 6,8%
    Mato Grosso do Sul: 6,5%
    Mato Grosso: 5,3%
    Santa Catarina: 4,5%
    *Com colaboração de Maysa Polcri.

  • Arrastão, morte e casa invadida: violência aumenta em bairros nobres de Salvador

    "De um tempo para cá, nem para comprar pão, saio a pé. Aqui fora, sinto que posso ser assaltada ou sofrer qualquer tipo de violência a todo momento. Até de carro, não estamos imunes", desabafa uma moradora do Itaigara, que prefere não se identificar, sobre a sensação de insegurança no bairro. Um medo que está presente por lá e em outros bairros com o metro quadrado mais caro da capital baiana como a Pituba, o Horto Florestal e o Canela. Locais antes considerados seguros e que passam por uma escalada de violência, com assaltos, invasões, cárcere privado e até troca de tiros.

    Na noite da última terça-feira (17), no Horto Florestal, um tiroteio entre suspeitos e guarnições da Polícia Militar da Bahia assustou moradores do bairro. De acordo com a PM, equipes faziam rondas na região quando a vítima do roubo informou sobre o crime.

    Os policiais começaram a busca e, ao acionarem a sirene, o suspeito que dirigia o veículo roubado - um Honda City - acelerou e foi perseguido. Já na Rua Maria Regina, em Brotas, os suspeitos abandonaram o automóvel, que ficou com uma marca de tiro, e fugiram correndo, na direção de um matagal atrás do Hospital Aristides Maltez.

    Segundo moradores, eles dormiram na mata e, às 5h15 de quarta, voltaram para roubar outro carro. A vítima era um homem que estava saindo para o trabalho. O carro dele, um Palio, que não tinha seguro, ainda não foi recuperado. Nenhum suspeito foi localizado até agora.

    Até abril deste ano, de acordo com a base de dados da Polícia Civil, em toda a Bahia, já foram roubados 4.617 carros e outros 2.028 veículos foram alvos de furtos.

    Ainda na noite de terça, uma família foi aterrorizada por cerca de 30 minutos na Rua Professora Zahidé Machado Neto, no Itaigara, depois que três bandidos invadiram a residência da região pulando o muro. De acordo com informações da PC, os donos da casa são um casal de idosos.

    Em depoimento, as vítimas contaram que um dos assaltantes vigiou a mulher e os outros entraram com o homem nos cômodos para procurar itens de valor. Os criminosos conseguiram levar celulares, cartões de banco, um tablet e uma chave de veículo. A reportagem procurou a família para obter mais detalhes sobre o caso, sem sucesso.

    Medo constante
    O número de ocorrências e a sensação de medo nos bairros têm feito moradores alterarem a rotina, contratarem serviços e abrirem mão de hábitos diários, como conta Willian Belitardo, 24 anos, que mora no Itaigara desde que nasceu. "Tem muita gente com medo onde eu moro. O meu prédio e outros condomínios contrataram segurança particular para a área por conta desses ocorridos. Por aqui, as pessoas evitam sair o máximo que podem e só saem mesmo para coisas essenciais. [...] Eu corria e fazia caminhada, mas parei de fazer por notar movimentações estranhas em carros nas ruas", conta ele, citando também assaltos constantes a mercados.

    Outro que vive no Itaigara desde pequeno é o estudante Pedro Moraes, 25. Ele diz que a sensação de insegurança vivenciada hoje no bairro é inédita. "Nunca vi o Itaigara tão perigoso como está. Não é só meu bairro, a cidade inteira está assim de maneira geral. Só que aqui, que era mais tranquilo, está demais a insegurança. Perto do Colégio São Paulo e em vários outros pontos, tem assalto direto, está muito difícil. Não sei como vai ser se não derem um jeito", reclama ele.

    Uma moradora da Pituba, que pediu para ter o nome preservado, relata que a situação onde vive é parecida. Hoje, hábitos comuns como levar o cachorro para passear ou comprar pão são limitados por conta do medo da ação de criminosos. "Esses dias estava em casa e a gente pensou em comer algo em uma pizzaria que fica aqui perto, não dá três minutos de casa. É um lugar que a gente sempre vai por ser muito perto e bom. Porém, preferimos abrir mão do ambiente que é legal e pedir para comer em casa. Tudo para se precaver de um assalto e possíveis violências que acontecem durante esse tipo de coisa", afirma.

    Na última terça-feira (17), cerca de 150 pessoas, entre moradores, síndicos e comerciantes da Pituba, se reuniram no Centro Comunitário da Igreja Católica, com o comando da 13ª Companhia Independente da Polícia Militar para discutir ações preventivas de segurança para a região. A dinâmica do bairro, locais sensíveis, condutas preventivas, entre outros assuntos, foram abordados no encontro.

    Políticas públicas
    Ao comentar o cenário atual, Sandro Cabral, professor do Insper e da Ufba de estratégia no setor público e autor de diversos trabalhos na área de segurança pública, diz que a maior percepção dos crimes nesse bairros está ligada a um aumento das ferramentas tecnológicas que propiciam melhor identificação dos crimes e faz uma ponderação. "Há um aumento da sensação de insegurança, mas a diferença entre a sensação e o fato, não podemos afirmar. É preciso olhar os dados. Sem isso, não dá para saber se os crimes estão aumentando ou estão sendo mais filmados, noticiados", ressalta. A reportagem procurou a Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP-BA) para ter acesso aos números de roubos a residências no estado, mas não conseguiu retorno até o fechamento desta reportagem.

    Cientista social e pesquisadora da rede de observatórios da segurança, Luciene Santana pontua também que a insegurança sentida nos bairros ricos e a que se vive em locais periféricos são diferentes. Enquanto nos bairros nobres, as ocorrências não costumam ter mortes, nos mais pobres as vítimas fatais se acumulam. "Nos bairros periféricos, a sensação de insegurança é a partir de uma operação policial que acontece, troca de tiros e mortes. Já nos bairros nobres, essa sensação vem a partir de roubos, assaltos e furtos", destaca.

    Para Luciene, políticas públicas são necessárias para lidar com essas diferentes formas de inseguranças registradas em bairros periféricos e em bairros ricos. Políticas que não estão apenas no enfrentamento, mas na promoção de condições adequadas para que os cidadãos ocupem os lugares. "A sensação de insegurança está envolvida com a própria ocupação do espaço público, a forma como as pessoas acessam o direito à cidade, a quantidade de equipamentos públicos em funcionamento e se essas pessoas estão em circulação ou não nesse local", detalha.

    Cabral destaca que a maior facilidade em identificar os crimes pode ser usada pelas autoridades para ter estratégias adequadas ao enfrentamento da violência, acontecendo ela em bairros nobres ou não. "É fundamental uma coordenação entre as diferentes forças de segurança. Guarda Municipal, Polícia Civil, Militar e Federal trabalhando juntas. O combate à criminalidade não está na mão de uma única organização. A escalada de violência é um problema complexo em que não cabe soluções simples como o armamento da população, como muitos sugerem", finaliza o professor.

    Relembre outros casos

    15 de janeiro - Graça

    Um assaltante atropelou uma idosa durante um roubo de um carro na tarde de sábado (15) no bairro da Graça, em Salvador. O crime aconteceu por volta das 14h, na Rua Flórida, em frente ao edifício Graça Royal. Na fuga, o suspeito ainda levou um idoso com dificuldade de locomoção que estava sentado no banco carona. Toda a ação do bandido foi flagrada pelas câmeras de segurança do prédio.

    Abril - Pituba
    Arrastões em hamburguerias e lojas de açaí e de vinho fizeram a polícia reforçar a segurança na região.

    3 de maio - Canela

    Um grupo de criminosos invadiu uma lanchonete no canela e levou pertences dos clientes que estavam no local. Segundo a polícia, o arrastão aconteceu na Rua Padre Feijó, por volta das 13h. Como o estabelecimento fica próximo ao Hospital das Clínicas e de outras unidades de saúde, médicos, enfermeiros e demais funcionários da instituição almoçavam no local no momento do ocorrido, bem como estudantes da Universidade Federal da Bahia, que possui alguns campi na região.

    17 de maio - Canela

    Um homem suspeito de furto contra uma clínica veterinária localizada no bairro do Canela, em Salvador, foi preso momentos após o crime, na madrugada de terça-feira (17). Os policiais militares faziam o patrulhamento no Largo da Graça, quando abordaram um homem, quando ele tentou esconder um objeto dos policiais. Com ele foram encontrados três notebooks, um celular, dois carregadores e um jaleco.

    12 de maio - Itaigara
    Bancária é assassinada dentro do apartamento onde morava na Rua Érico Veríssimo.

     

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.