A Comissão Intergestores Bipartite (CIB) marcou uma reunião extraordinária nesta sexta-feira (17), para tratar da vacinação de adolescentes sem comorbidade, suspensa desde a manhã dessa quinta após o recuo do Ministério da Saúde (MS), que revisou a recomendação e orientou que a imunização desse público‐alvo fosse suspensa. Duas hipóteses estão sendo levantadas como motivação: a falta de doses e a morte de uma adolescente vacinada oito dias após a aplicação da Pfizer. Nenhuma delas foi confirmada pelo ministério.

Salvador segue com a vacinação suspensa, assim como outras cinco capitais do país, ao menos (Belém, Belo Horizonte, Maceió, Curitiba e Natal). A prefeitura informou que a estratégia seguirá com a repescagem de pessoas com 18 anos ou mais. Além disso, também segue normalmente a vacinação de gestantes e puérperas com 12 anos ou mais com o nome no site da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), bem como os jovens de 12 a 17 anos com comorbidades ou deficiência permanente previamente cadastradas. A aplicação das 2ª doses Oxford, Pfizer e Coronavac também segue normal.

A Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, órgão vinculado ao Ministério da Saúde, emitiu uma nota técnica comunicando a revisão da recomendação para imunização contra a covid-19 em adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades. De acordo com a nota, a vacinação deve ser restrita aos adolescentes nessa faixa etária que apresentem alguma deficiência permanente, comorbidade ou estejam privados de liberdade.

Através das redes sociais, o secretário de saúde de Salvador, Leo Prates, questionou o motivo do Brasil não ter outros imunizantes, além da Pfizer, autorizados para esse público. “Apenas uma pergunta à Anvisa: Como o Chile tem informações para autorizar o uso da Coronavac em crianças e o Brasil não? E, segundo a imprensa internacional, com sucesso! Não precisaríamos parar a vacinação se tivéssemos com a Coronavac aprovada!”, publicou.

Os adolescentes que estavam na expectativa para poder se vacinar contra a covid-19 vão ter que controlar a ansiedade por mais tempo. O estudante Daniel Grossi, de 15 anos, ainda não foi vacinado, mesmo já estando apto. Ele foi até um dos postos na quarta-feira (15), mas não conseguiu ser imunizado por conta das grandes filas e resolveu tentar de novo nessa quinta, na faculdade Unijorge, na Paralela. Mas a frustração aconteceu mais uma vez, dessa vez por conta da suspensão.

“Eu estava ansioso, a fila não estava grande e andava rápido, mas, quando faltava uns 200 metros, um pessoal da vacinação veio avisar que estavam suspendendo a aplicação por conta de um jovem que morreu depois de ter recebido a vacina. Eu fiquei triste e bem confuso, mas acho que faz sentido cancelar se tem essa suspeita para poder investigar”, diz ele.

A estudante Alice Carneiro, de 14 anos, também bateu na trave. Ela ficou apta para se vacinar no dia 15, mas tinha planejado ir até um posto somente neste sábado. “Eu já tinha marcado com a minha mãe para ir me vacinar no sábado. O meu período era durante a tarde e ela trabalha nesse horário”, explicou. Ela diz que estava ansiosa para se vacinar e que a suspensão provocou revolta. “Fui pega de surpresa com essa notícia, fiquei revoltada porque estava muito ansiosa. Alguns colegas meus já tinham se vacinado, então eu fiquei triste que não consegui”, desabafa.

O Ministério da Saúde alegou que o risco de complicações e mortes por covid-19 nessa faixa etária é significativamente menor que em outras. Na nota, é dito que cerca de 50% dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por covid-19 e 70% dos óbitos por covid-19 na população de 15 a 19 anos são de indivíduos que possuem ao menos um fator de risco.

Uma outra nota informativa emitida pelo Ministério da Saúde argumenta que a Organização Mundial de Saúde (OMS) não recomenda a vacinação de adolescentes com ou sem comorbidades, que a maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela covid-19 apresentam boa evolução do quadro, que há somente um imunizante autorizado para uso nesse público no Brasil (Pfizer), que os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão definidos e que há melhora no cenário epidemiológico do país com redução da média móvel de casos e óbitos.

Vale destacar que a OMS não fez nenhuma contraindicação. Além disso, o Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas da OMS (SAGE, na sigla em inglês) concluiu que a vacina Pfizer/BionTech é adequada para uso em pessoas com 12 anos ou mais.

Outro problema apontado pelo Ministério da Saúde na vacinação de adolescentes foi a ocorrência, ainda que rara, de miocardite – uma inflamação no músculo do coração – em algumas pessoas depois da imunização. Mas especialistas afirmam que não há pesquisas suficientes para relacionar a maior ocorrência da doença em adolescentes e que o problema é uma das decorrências comuns da covid-19.

Por enquanto, o ministério recomenda que o uso das vacinas da Pfizer siga a seguinte prioridade no momento: a) População gestantes, as puérperas e as lactantes, com ou sem comorbidade, independentemente da idade dos lactentes; b) População de 12 a 17 anos com deficiências permanentes; c) População de 12 a 17 anos com presença de comorbidades; d) População de 12 a 17 anos privados de liberdade. O MS informou que, desde o dia 15 de setembro, iniciou o envio de doses destinadas aos adolescentes que se encaixam nos critérios.

A vacinação de adolescentes a partir dos 12 anos foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no dia 10 de junho. A aprovação aconteceu após a apresentação de estudos desenvolvidos pelo laboratório que indicaram a segurança e eficácia da vacina para este grupo. Os estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela Anvisa. A vacina da Pfizer foi a primeira a receber o registro definitivo para vacinas covid-19 no país.

No Brasil, 21 estados e o Distrito Federal já iniciaram a vacinação de adolescentes. No mundo, Estados Unidos e diversos países da União Europeia também estão vacinando pessoas a partir dos 12 anos. No Chile, crianças a partir de 6 anos estão sendo vacinadas com a Coronavac. Além de Salvador, outras cidades como Natal, no Rio Grande do Norte, já suspenderam a vacina após recomendação do Ministério da Saúde.

Possível óbito relacionado à vacina da Pfizer
A Rede CIEVS, de Vigilância, Alerta e Resposta em Emergências em Saúde Pública, informou nesta quarta-feira (15) que recebeu do CIEVS-SP um alerta a partir da “captação de um rumor do dia 14/setembro/21, em grupos de WhatsApp”, da ocorrência de um óbito envolvendo uma adolescente de 16 anos, de São Paulo, que poderia estar relacionado à vacina da Pfizer.

A nota informa que a adolescente recebeu a primeira dose da vacina Pfizer no dia 25 de agosto, apresentando sintomas como cansaço e falta de ar no dia 26, sendo internada no dia 27 e, posteriormente, retornando para casa. A adolescente teria procurado novamente o serviço do Hospital Coração de Jesus em Santo André e sido transferida para a UTI do Hospital e Maternidade Vida's. O óbito aconteceu no dia 2 de setembro. O caso está sendo acompanhado e investigado.

A Anvisa publicou uma nota, nesta quinta, informando que "investiga suspeita de reação adversa grave com vacina da Pfizer". Na nota, a agência afirmou que a investigação é sobre a morte de uma adolescente de 16 anos após aplicação da vacina da Pfizer e que teria sido informada do caso na quarta (15). A morte, segundo à Anvisa, aconteceu no dia 2 de setembro. O órgão, no entanto, apontou que, até o momento, "não há uma relação causal definida entre este caso e a administração da vacina". "Com os dados disponíveis até o momento, não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina", acrescenta a nota.

A agência também ressaltou que "todas as vacinas autorizadas e distribuídas no Brasil estão sendo monitoradas continuamente pela vigilância diária das notificações de suspeitas de eventos adversos". A Anvisa ainda lembrou que aprovou a utilização da vacina da Pfizer para crianças e adolescentes entre 12 e 15 anos, em 12 de junho de 2021. "Para essa aprovação, foram apresentados estudos de fase 3, dados que demonstraram sua eficácia e segurança", apontou.

Sobre eventos cardiovasculares, a Anvisa pontuou que foram observados casos "muito raros" de miocardite e pericardite após vacinação - 16 casos para cada 1 milhão de vacinados. Com isso - e com os dados disponíveis até o momento - não existem , avalia a agência, "evidências que subsidiem ou demandem alterações da bula aprovada, destacadamente quanto à indicação de uso da vacina da Pfizer na população entre 12 e 17 anos".

O estudante Eduardo Faria, de 15 anos, se vacinou nesta quarta-feira (15), mas também quase ficou de fora, assim como muitos colegas. “Eu fui na terça, mas não consegui nem encontrar o final da fila. Aí voltei na quarta, faltei aula, cheguei bem cedo e consegui me vacinar. Foi por pouco que não fiquei de fora com essa suspensão, fico aliviado de ter conseguido”, diz.

Para ele, a suspensão não faz sentido. “O Ministério da Saúde não está querendo falar o real motivo. Acredito que não é a falta de doses porque em cada cidade é diferente. Aparentemente tem a ver com a suspeita do óbito, mas acho absurdo suspender sem investigar primeiro porque causa tumulto e preocupa quem já tomou a vacina. Mas eu estou tranquilo; se a Anvisa autorizou é porque é segura”, opina.

Falta de doses
O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) enviou na segunda-feira, 13, ofício ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pedindo que, com o atraso da AstraZeneca para a segunda dose, o Programa Nacional de Imunização (PNI) suspendesse a aplicação em adolescentes sem comorbidades enquanto os grupos prioritários não forem revacinados. O documento pedia ainda que o Ministério da Saúde priorizasse a aplicação da dose de reforço da vacina contra a covid-19 em idosos acima dos 60 anos e imunossuprimidos.

A justificativa, segundo o Conass, seria por causa das "recentes dificuldades observadas em diversas unidades da federação de disponibilidade da vacina AstraZeneca para a realização da segunda dose" e a "persistência da notificação de casos graves na população já vacinada com 60 anos ou mais".

Desde a semana passada, alguns estados têm sofrido com o atraso na entrega de vacinas necessárias para a segunda dose e, nesta segunda-feira, 13, alguns lugares como Rio e São Paulo passaram a aplicar a Pfizer em quem precisava tomar uma segunda dose da AstraZeneca e estava com o esquema vacinal atrasado. A Pfizer é a vacina recomendada para aplicação de terceira dose e também é a única autorizada no país para aplicação em adolescentes.

Diante dos desdobramentos da suspensão, o Conass emitiu uma nota de esclarecimento nesta quarta-feira (15), defendendo que a vacinação de todos os adolescentes é segura e necessária, mas que a prioridade deve ser para aqueles com comorbidade, deficiência permanente e vulneráveis como os privados de liberdade e em situação de rua. “Havendo quantitativo de doses suficientes para atender a estas prioridades deve imediatamente ser iniciada a vacinação dos demais adolescentes”, diz a nota.

Vacinação em Salvador e na Bahia
Conforme estratégia divulgada pela prefeitura de Salvador, nesta quinta-feira (16) seriam inclusos na vacinação os adolescentes de 14 anos, nascidos até 16 de setembro de 2007. A vacinação acontecia das 8h às 16h nos drive-thrus da FBDC Brotas, Parque de Exposições (Paralela) e Barradão (Canabrava), além dos pontos fixos da USF Vista Alegre, USF Teotônio Vilela II (Fazenda Coutos II), USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Vale do Matatu, FBDC Brotas, Barradão (Canabrava).

A vacinação teria, inclusive, horário estendido, até às 19h, nos drive-thrus da Unijorge (Paralela) e Arena Fonte Nova (Nazaré), e nos pontos fixos do Clube dos Oficiais da Polícia Militar (Dendezeiros) e Unijorge (Paralela).

A vacinação já tinha sido iniciada na capital quando a suspensão foi informada durante a manhã. De acordo com informações da TV Bahia, em uma da unidades, no bairro dos Dendezeiros, houve um princípio de confusão, mas que foi controlado momentos depois.

Procurada, a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) não informou se irá recomendar a suspensão às cidades baianas, justificando que “a operacionalização da vacinação é dos municípios”.

De acordo com dados disponibilizados pela Sesab, dos 1.227.412 casos totais de covid-19 confirmados no estado, 145.212 são de pessoas com 19 anos ou menos (11,7%). O sistema não informa os dados referentes a faixa etária específica de 18 anos ou menos. Vale ressaltar que a maior parcela dos casos (752.096) atualmente está na faixa etária entre 20 e 49 anos. Em relação aos óbitos, dos 26.689, a Bahia registrou 171 mortes por covid-19 entre pessoas com 19 anos ou menos (0,64%). A maior parcela dos óbitos acontecem na faixa etária a partir dos 50 anos (83,13%).

Procurados pelo CORREIO, o Ministério da Saúde e a Secretaria Municipal de Saúde de Salvador (SMS) não responderam até o fechamento da reportagem.

Publicado em Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde decidiu suspender a vacinação em Salvador de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidade, a partir desta quinta-feira. A decisão foi tomada após a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, órgão vinculado ao Ministério da Saúde (MS), emitir uma nota técnica comunicando a revisão da recomendação para imunização contra a covid-19 em adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades.

De acordo com a nota técnica, a vacinação deve ser restrita aos adolescentes nessa faixa etária que apresentem alguma deficiência permanente, comorbidade ou estejam privados de liberdade.

Entre os pontos apresentados pelo Ministério estão o fato da Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda não recomendar imunização de crianças e adolescentes e de que somente um imunizante foi avaliado em ensaios clínicos randomizados (ECR) nessa faixa, deixando somente uma opção de vacina. Além disso, diz que há uma melhora no cenário da pandemia no país. "Os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos", acrescenta o texto.

O Ministério da Saúde destaca também que o risco de complicações e mortes por covid-19 nessa faixa etária é significativamente menor que em outras, Na nota, é dito que dentro cerca de 50% dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por covid-19 e 70% dos óbitos por covid-19 na população de 15 a 19 anos possuem ao menos um fator de risco.

Por isso, o ministério recomenda que o uso das vacinas da Pfizer, única aprovada para menores de idade no país, sigam a seguinte prioridade no momento:

a) População gestantes, as puérperas e as lactantes, com ou sem comorbidade,
independentemente da idade dos lactentes;
b) População de 12 a 17 anos com deficiências permanentes;
c) População de 12 a 17 anos com presença de comorbidades;
d) População de 12 a 17 anos privados de liberdade;

Em nota, a SMS informou que seguindo esta recomendação, a Prefeitura de Salvador suspendeu imediatamente a vacinação de adolescentes fora dos critérios estabelecidos, a partir de hoje (16).

Com isso, apenas o público dentro deste perfil continua a receber o imunizante na capital baiana. A aplicação hoje é realizada nos drives-thru situados no 5º Centro de Saúde (Barris) e Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos), além dos pontos fixos no 5º Centro de Saúde (Barris), UBS Virgílio de Carvalho (Bonfim), USF Cajazeiras V e USF Vila Matos (Rio Vermelho).

A Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do, subsidiada pela Câmara Técnica Assessora de Imunização da covid-19 do MS, informou, ainda, que revisará, sempre que necessário, suas recomendações, com base em dados de segurança e na evolução das evidências científicas.

Publicado em Saúde

A Bahia recebeu, na tarde desta quarta-feira (15), uma remessa com 64.350 doses de vacina contra a Covid-19. Os imunizantes são da Pfizer/BioNTech.

O voo comercial que trouxe as doses chegou por volta das 15h, no aeroporto de Salvador.

Com esta nova carga, a Bahia chegou ao total de 17.970.118 doses de vacinas recebidas, sendo 6.653.518 da Sinovac/Coronavac; 6.751.580 da Oxford/AstraZeneca; 4.163.520 da Pfizer e 261.100 da Janssen.

Publicado em Saúde

Salvador já começou a aplicar a terceira dose contra a covid-19 desde a segunda-feira (30), nos idosos acima de 80 anos. O vacinômetro da prefeitura mostrou que 509 pessoas receberam a injeção no primeiro dia. Os principais critérios para tomar o novo reforço é ter no mínimo seis meses que recebeu a segunda dose e o nome na lista do site da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). No entanto, muita gente procurou os postos achando que já estava na sua vez de turbinar a vacinação e não conferiram a lista. Nesta segunda, no 5º Centro de Saúde (Barris), ao menos 16 idosos tiveram de voltar para casa sem vacinar porque ainda não haviam completado os seis meses de prazo mínimo.

Nesta terça-feira (31) a estratégia de vacinação municipal continuará englobando a aplicação da terceira dose nos idosos com 80 anos ou mais que completam os seis meses da segunda injeção até 2 de setembro. A vacinação será das 8h às 16h, nos drive-thrus do Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos); Shopping Bela Vista e 5º Centro (Barris); ou nos pontos fixos do 5º Centro (Barris), USF Vista Alegre, USF Cajazeiras V, UBS Virgílio de Carvalho e USF Santa Luzia (Eng. Velho de Brotas).

Segundo orientação do Ministério da Saúde (MS), a terceira dose deveria ser oferecida a partir de 15 de setembro para as pessoas a partir de 70 anos e os imunossuprimidos. Salvador se antecipou porque, segundo a SMS, a norma do MS já está publicada e, portanto, é oficial. Ainda segundo a pasta municipal, com a chegada de mais ampolas os imunossuprimidos serão incluídos. Ao antecipar a vacinação, o município também conseguiu aumentar o número de beneficiados.

Muitos idosos e seus familiares permanecem com dúvida sobre a terceira dose. Uma senhora que não quis se identificar tomou a injeção, mas está preocupada. "Não queria tomar essa Pfizer, pois minha primeira e segunda doses foram de CoronaVac”, relatou.

Ela queria continuar usando o mesmo imunizante, o que não é possível, uma vez que, de acordo com a orientação federal, a terceira injeção precisa ser de outro laboratório justamente para aumentar a imunidade contra as variantes do coronavírus. O reforço será preferencialmente feito com a Pfizer e, na ausência desta, Janssen ou AstraZeneca.

“Para que o MS tomasse essa decisão, isso foi baseado em estudos científicos e foi evidenciado que não há prejuízo na resposta imune das pessoas e nem mesmo evidências de eventos adversos”, garante Doiane Lemos, coordenadora de imunização da SMS.

Sem injeção

Walkyria Garrido de Alencar, 90 anos, foi uma das pessoas que compareceu ao 5º Centro e não conseguiu se vacinar porque ainda não era a sua vez. Ela tomou a segunda dose no dia 10 de março e a aplicação da terceira dose, nesta segunda (30), aconteceu em pessoas que tomaram o imunizante até o dia 5 de março. “Como eu moro aqui perto, no Garcia, não perdi muito tempo. Foi até bom eu ter vindo, pois agora já sei como é o procedimento e aviso para a minha irmã não cometer o mesmo erro”, disse.

Dona Helena Santana, 83, pensa da mesma forma. “Eu entendo que não tem como eles se organizarem de uma hora para outra. Não é fácil para eles ter que esperar vacina, não ver ela chegar e ter que controlar todo esse processo”, argumenta.

Já seu filho Carlos Santana, que é motorista de aplicativo e perdeu algumas horas de trabalho para acompanhá-la, não ficou muito feliz em sair do posto sem a vacina. “A gente quer ver logo ela vacinada com esse reforço e eu quero agilizar o máximo possível. Eles deveriam ter comunicado melhor”, aponta.

Segundo os agentes de imunização que estavam no local, muitas pessoas entenderam que todos os idosos com mais de 80 anos seriam vacinados com o reforço, independe de quando eles tomaram a segunda dose. "São muitas as pessoas que estão se atrapalhando nisso. Alguns são como dona Helena e entendem que erraram ou que não é bom tomar a vacina antes do prazo determinado, mas outros querem burlar a regra, dar uma carteirada. É complicado”, lamentou um agente de imunização, que preferiu não ser identificado.

Para evitar que isso aconteça, é importante verificar se o nome está na lista de habilitados para vacinação, disponível no site www.saude.salvador.ba.gov.br. “Só quem está apto a se vacinar é quem está com o nome no site. Por isso, é importante as pessoas conferirem antes de se dirigirem aos postos de vacinação”, pediu Doiane Lemos.

Idosos que tomaram reforço saíram contentes

Quem conseguiu ser vacinado comemorou o momento. Presidente da Liga Bahiana Contra o Câncer (LBCC) e filho do renomado professor Aristides Maltez, o médico Aristides Maltez Filho, 88 anos, deu bom exemplo. “A grande arma que a gente tem para enfrentar a pandemia é a vacina e eu sou feliz em ser alcançado pela terceira dose. Meu desejo é que continue ocorrendo a imunização e que não nos faltem lotes de vacina, o que atrapalha o êxito da campanha”, diz.

Já Agnelo de Oliveira Silva, 70, levou sua mãe Maria Mercês, 92 anos, para ser imunizada. “Eu fiquei até feliz, pois os estudos mostraram que duas doses ainda não são suficientes. Se precisar tomar três, quatro, nós vamos tomar. Eu me sinto seguro é sendo vacinado”, disse o idoso, já esperando seu momento de também ser imunizado.

Para ajudar quem vai se vacinar a entender a 3ª dose, montamos um guia baseado nas informações da SMS, Sesab, Ministério da Saúde e em evidências científicas, confira:

1 - Quais são os critérios para tomar a 3ª dose?
Ter 80 anos ou mais; seis meses do recebimento da 2ª dose e o nome constar no site da SMS - www.saude.salvador.ba.gov.br. Com esses três critérios confirmados, o idoso pode ir ao ponto de vacinação;

2 – Em Salvador, a 3ª dose será aplicada somente nos idosos?
A determinação do MS é referente a idosos e imunossuprimidos. Ainda não há previsão de quando as outras faixas etárias serão imunizadas com esse reforço. As aplicações de 1ª e 2ª doses, no entanto, seguem normalmente conforme a divulgação diária da SMS;

3 – O MS fala em vacinar com 3ª dose idosos com 70 anos. Por que Salvador começou a partir de 80 anos?
O MS estabeleceu acima de 70 anos, mas a nível de CIB – Comissão Intergestora Bipartide -, Salvador iniciou a partir de quem tem 80 anos ou mais. Com mais doses de vacina os outros grupos serão beneficiados;

4 – Toda a população tomará as três doses?
Ainda não há evidências de que a indicação da 3ª dose vai ser extensiva para todos. O MS, baseado em estudos e por questão de logística, está favorecendo os grupos prioritários;

5 - Vai ser uma única vacina aplicada como 3ª dose?
A nota técnica diz que tem que ser usada, preferencialmente, a vacina da Pfizer ou, de maneira alternativa, Janssen e Oxford/AstraZeneca. Salvador começou com a Pfizer;

6 - Quem tomou CoronaVac não pode tomar 3ª dose de CoronaVac?
As evidências são de que essa 3ª dose estimula o sistema imunológico da pessoa para que, caso a titulação de anticorpos tenha caído ao longo do tempo, seja dado um outro ‘start’, ou seja, que ela venha a ter novamente um nível alto de proteção. Pesquisas mostram que o ‘start’ é mais eficiente com intercambialidade de vacinas;

7 - Não faz mal tomar a 3ª dose de um imunizante diferente da 1ª e 2ª?
O MS se baseou em estudos científicos para tomar a decisão de intercambiar as vacinas e os estudos mostravam que não há prejuízo na resposta imune das pessoas e nem mesmo evidências de eventos adversos;

8 – De onde está sendo tirada a vacina para a 3ª dose?
Salvador já está vacinando pessoas a partir de 18 anos para cima e adolescentes de 12 a 17 anos portadores de doenças crônicas. Com o saldo de vacina disponível, tirando as doses necessárias para esses grupos, a cidade começou a aplicar a 3ª dose. Além disso, a cidade também está usando as doses que não foram procuradas por pessoas de 18 anos ou mais;

9 – Por que são seis meses de intervalo entre a 2ª e 3ª dose?
A análise de titulação de anticorpos mostra que o indivíduo começa a produção de anticorpos e eles ficam em alto nível em determinado período de tempo. No período de seis meses, foi configurado que a pessoa desenvolveu e permaneceu com a proteção ideal contra a covid. A partir dos seis meses, pode haver decréscimo dos anticorpos. Por isso é usado esse período;

10 – Os profissionais da saúde poderão tomar 3ª dose?
Os demais grupos a serem inseridos dependem das deliberações do Ministério da Saúde;

11 – A 3ª dose pode ser aplicada em casa para pessoas acamadas?
Sim. Se o indivíduo já pode tomar a 3ª dose, basta fazer agendamento no serviço Vacina Express da SMS. Independente dela ter feito a 1ª ou 2ª dose presencialmente, é possível fazer o agendamento para tomar a 3ª em casa;

12 - Quem tomou a 1ª e 2ª dose em outra cidade, pode tomar a 3ª em Salvador?
É preciso saber o motivo da pessoa ter tomado as outras doses em outro local que não Salvador. O município recebe doses com base em quem aplicou primeira e segunda na capítal. Então, é preciso que a pessoa justifique adequadamente o motivo de não ter recebido essas doses na cidade e será verificado se há saldo de doses para atender essa demanda. A justificativa pode ser feita pelo telefone 156 ou na Ouvidoria do Município;

13 - Precisa fazer algum novo cadastro para tomar 3ª dose?
Se a pessoa tomou a 1ª e 2ª em Salvador, estará no banco de dados da SMS, por isso é importante checar se o nome aparece na lista antes de ir aos postos;

14 – Qual é o percentual de eficácia da 3ª dose?
As evidências vêm dos estudos de Israel, principalmente, na qual verificou-se a redução de vulnerabilidade dos grupos beneficiados. O objetivo é que esses idosos não venham a contrair a doença mesmo estando vacinados. Mas ainda não há porcentagem de eficácia;

15 - É esperado que a 3ª dose também cause alguma reação?
Segundo o MS, não houve diferença ou incremento em relação aos eventos adversos em quem recebeu 3ª dose, em relação às injeções anteriores;

16 - Como fica quem tomou Janssen, que é dose única?
Na imunização dessa faixa etária dos idosos, Salvador ainda não tinha recebido a Janssen e sim CoronaVac e AstraZeneca;

17 - A campanha de 3ª dose impacta ou afeta a oferta de 1ª e 2ª dose?
O Ministério da Saúde, uma vez estabelecida a dose de reforço, faz o planejamento em relação ao fornecimento das doses, tanto que a programação de 1ª e 2ª dose segue normalmente;

18 - O MS já começou a enviar vacina para 3ª dose ou disse quando vai enviar?
A pasta ainda não enviou as remessas, mas a resolução CIB do sábado, 28, determinou que na Bahia, inicialmente, só serão vacinados idosos com 80 anos ou mais com mais de seis meses que tomou a 2ª dose, independente da vacina. O MS deve enviar remessas em setembro;

19 - A Sesab orienta que os municípios apliquem logo ou aguardem a remessa específica?
A Bahia já começou a vacinação dos adolescentes e os municípios que tem saldo de doses da Pfizer, como Salvador, já aplicam a 3ª dose;

Ministério da Saúde pede que estados e municípios sigam PNI

Para avançar de forma homogênea na imunização dos brasileiros contra a covid-19, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu na quarta-feira (25) que estados e municípios cumpram as diretrizes do Programa Nacional de Imunizações (PNI). Segundo Queiroga, o trabalho em conjunto fará com que 75% da população adulta esteja vacinada com as duas doses até o fim de outubro.

“O segredo para avançarmos na imunização de todos os brasileiros é seguirmos firme falando a mesma língua. Então, é fundamental que os estados e municípios deem os braços ao Ministério da Saúde e ao Programa Nacional de Imunizações. Assim, chegaremos mais rápido no nosso objetivo de imunizar, com as duas doses da vacina, até 75% da população adulta até outubro”, afirmou Queiroga.

A declaração foi dada durante a assembleia do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Em sua participação no encontro, o ministro reforçou a importância de gestores estaduais e municipais estarem alinhados com o que é pactuado semanalmente entre a União, os estados e municípios.

O ministro também destacou que, com a coordenação do Programa Nacional de Imunizações da pasta, o país já vacinou mais de 70% da população adulta com a primeira dose, e mais de 34% dessa população com as duas doses. “Se nos unirmos, teremos a maior campanha pública de vacinação do mundo”, reforçou o ministro da Saúde.

Foi nesse encontro virtual que o ministro comunicou aos secretários estaduais de saúde que, a partir da segunda quinzena de setembro, a pasta inicia o envio das doses de reforço para idosos com mais de 70 anos e imunossuprimidos. Além do reforço na imunização, o Ministério da Saúde também irá reduzir o intervalo entre as doses da Pfizer e Astrazeneca de 12 para 8 semanas.

A terceira dose da vacina contra a covid-19 será aplicada em idosos entre 70 e 80 anos e em imunossuprimidos a partir do dia 15 de setembro. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Todos os imunossuprimidos que já tomaram a segunda dose da vacina há 21 dias poderão tomar o reforço a partir de meados de setembro. No caso dos idosos, eles devem ter completado o ciclo há mais de seis meses.

A vacina usada para a dose de reforço será a da Pfizer.

"Nos reunimos ontem com a Opas [Organização Pan-Americana de Saúde] e com o comitê técnico que assessora a imunização e tomamos a decisão", afirmou ele à colunista Mônica Bergamo.

A data foi escolhida porque, até lá, toda a população acima de 18 anos no Brasil já terá sido imunizada com ao menos uma dose.

Redução de intervalo da Pfizer e AstraZeneca
Também na conversa com Mônica Bergamo, o ministro anunciou que, também a partir do dia 15, começará a redução do intervalo entre as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca, de 12 para oito semanas, como acontece no Reino Unido.

Queiroga diz que a decisão foi tomada diante da possibilidade de disseminação da variante Delta do coronavírus no Brasil.

Estudos já mostram que a primeira dose das vacinas, no caso da Delta, têm eficácia reduzida e não conseguem evitar boa parte das infecções. Com duas doses a proteção é maior.

Publicado em Saúde

A Prefeitura de Salvador continua avançando a faixa etária apta para aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19. Desta vez, os jovens de 19 anos ou mais poderão ser imunizados nesta quinta-feira (19).

Das 8h às 12h, será a vez dos nascidos até 19 de fevereiro de 2002. À tarde, das 13h às 16h, entra também o público nascido até 19 de agosto de 2002. Não haverá vacinação à noite.

"Além disso, também terá 1ª dose para gestantes e puérperas e aplicação das 2ª doses: Oxford e Pfizer para pessoas com retorno até 24/8 e Coronavac para retorno até 20/8", informou o prefeito. "Bora vacinar".

(19/08 - Quinta-Feira) - Pontos de vacinação para 1ª dose:

08 às 16H

Drivers
5º Centro de Saúde (Barris)
Faculdade Universo (Avenida ACM)
Shopping Bela Vista
Faculdade Bahiana de Medicina - Cabula
Atakadão Atakarejo
Vila Militar (Dendezeiros)
Arena Fonte Nova
Universidade Católica (Pituaçu)
Unijorge (Paralela)
Barradão

Pontos Fixos
5º Centro de Saúde (Barris)
USF Federação
CSU Pernambués
USF Plataforma
USF Cajazeiras V
USF Pirajá
Universidade Católica (Pituaçu)
USF João Roma Filho (Jardim Nova Esperança)
Unijorge (Paralela)
Barradão
UBS Eduardo Mamede (Mussurunga)

(19/08 - Quinta-Feira) - Pontos de vacinação para 1ª dose de gestantes e puérperas:

08H às 16H

Drivers
Atakadão Atakarejo
Universidade Católica de Salvador (Pituaçu)

Pontos Fixos
Universidade Católica de Salvador (Pituaçu)
USF Vila Matos - Rio Vermelho (EXCLUSIVO PARA ESSE PÚBLICO)
USF Federação

(19/08 - Quinta-Feira) - Pontos de vacinação para 2ª dose:

OXFORD - 08H às 16H

Drivers
PAF Ondina
Shopping da Bahia

Pontos Fixos
USF Vale do Matatu
USF Fernando Filgueiras (Cabula VI)
USF Teotônio Vilela II (Fazenda Coutos II)
USF Vista Alegre
UBS Nelson Piauhy Dourado (Águas Claras)
Clube dos Oficiais (Dendezeiros)
UBS Virgílio de Carvalho (Bonfim)
USB Ramiro de Azevedo (Campo da Polvóra)
USF Vila Nova de Pituaçu

CORONAVAC - 08H às 16H

Drivers
Uninassau

Pontos Fixos
USF Curralinho
USF Tubarão

PFIZER - 08H às 16H

Drivers
Faculdade Bahiana de Medicina - Brotas
Parque de Exposições

Pontos Fixos
Faculdade Bahiana de Medicina - Brotas
USF Santa Luzia (Engenho Velho de Brotas)
USF Colinas de Periperi
UBS Sergio Arouca (Paripe)
USF Imbuí
USF Cajazeiras X
Parque de Exposições

Vacinação nesta quarta (18)
Para os jovens de 20 anos ou mais, a aplicação da primeira dose segue a todo vapor nesta quarta-feira (18). Das 8h às 12h, foram imunizadas as pessoas de 21 anos (nascidas até 18/08/2000). Das 13h às 16h, foi a galera de 20 anos nascida até 18/02/2001. E agora à noite, das 17h às 21h, será a vez dos nascidos até 18/08/2001.

Antes de comparecer aos postos, as pessoas devem conferir se o nome está na lista disponível no site da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), no endereço www.saude.salvador.ba.gov.br. No ponto de vacinação, basta apresentar um documento de identidade com foto - no caso das gestantes e puérperas, são necessários outros documentos, conforme estratégia abaixo.

Mesmo com a vacina anticovid disponível em toda a Bahia, 21% dos idosos do estado ainda não tinham tomado as duas doses até o domingo (15), não completando o esquema de imunização. São 1.299 milhão de pessoas com 60 anos ou mais que tomaram as duas doses frente a 1.637 milhão de idosos que não concluíram o processo. Os dados são do Painel Vacinação COVID-19, iniciativa do Laboratório de Estatística e Ciência de Dados da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), dentro do projeto ModCovid19.

Para piorar, 83 mil pessoas com 60 anos ou mais na Bahia não tomaram sequer a 1ª dose. Ou seja, 5% do total dessa população ou um em cada 20 idosos baianos. Dos que tomaram a 1ª dose, 16,42% não retornaram para completar o esquema, cerca de 255 mil baianos.

Professor da Ufal, o doutor Krerley Oliveira também reponsável por coordenar o estudo, explicou que a estimativa populacional utilizada é a do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 2020, disponibilizada no Ministério da Saúde através do Datasus. É daí que são coletados, também, os dados com o número de pessoas vacinadas. A equipe do projeto atualiza a base de dados pelo menos duas vezes por semana.

Os dados preocupam os cientistas, uma vez que os idosos fazem parte do grupo de risco da doença. Tanto que, no início da vacinação, em janeiro desse ano, foram os primeiros beneficiados junto com os profissionais de saúde. A prefeitura de Salvador, por exemplo, começou a vacinar os adultos de 59 anos em abril. Como os imunizantes possuem, no máximo, três meses de intervalo entre as doses, houve tempo para que todos os idosos estivessem imunizados.

“Cada pessoa que não se vacina contribui para que a doença continue existindo. Mas, no caso dos idosos, o perigo é ainda maior, pois eles têm mais chance de sentir os efeitos perversos da doença, já que são grupo de risco. Isso também vale para quem tem comorbidades. Não se vacinar, portanto, é colocar a vida em risco”, argumenta o professor Gesil Sampaio Amarante, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e membro do Portal Geocovid MapBiomas.

“Nosso país já começa a ter problemas com a variante Delta e essas pessoas não vacinadas estão mais vulneráveis. Essa cepa, até onde mostram os estudos, pode ser barrada pelo esquema vacinal completo. No entanto, quanto mais o vírus for propagado, maior será a chance de surgir variantes, inclusive alguma que aí sim possa tornar as vacinas inúteis. Precisamos correr com a vacinação antes que isso aconteça”, defende.

Bahia vacinou 70% da população de 18 anos ou mais com 1ª dose

A Bahia já aplicou a primeira dose do imunizante em quase 70% da sua populaçã, segundo dados da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). Até às 16h dessa quarta-feira (18), eram 7,541 milhões de pessoas com 18 anos ou mais vacinadas frente a população adulta de 11,149 milhões de habitantes.

No entanto, alguns especialistas não acham que ainda seja hora de comemorar algo. O cientista de dados Isaac Schrarstzhaupt, coordenador da Rede Análise Covid-19, explica que o correto é calcular o percentual de vacinados referente a população total daquela região, não apenas da população adulta.

“Todos contraem e transmitem (inclusive bebês). Então, não podemos deixá-los de fora da contagem, mesmo que hoje ainda não seja possível vaciná-los, pois se contraem e transmitem, fazem parte do cálculo do limiar da imunidade comunitária”, argumenta.

Levando isso em consideração e como a população baiana estimada é de 14,931 milhões de pessoas, de acordo a última projeção realizada em 2020 pelo IBGE, o percentual de baianos vacinados com a primeira dose é de 50,5%. Mas Isaac ainda pondera que a imunização só ocorre com as duas doses.

“Fora a Janssen, os estudos clínicos das vacinas foram feitos para duas doses. Qual o motivo de se estampar "100% da população adulta vacinada com uma dose"? É tipo dizer que 100% das pessoas chegaram a 50% do caminho?”, questiona. Até o momento, 3,456 milhões de baianos completaram a imunização, o que equivale a apenas 31%.

Para o professor Krerley Oliveira, com esse percentual de imunização, ainda não é possível prever quando o estado terá 70% da população vacinada com as duas doses. Ele explica que a estimativa do painel não pode ser tratada como certeza porque há uma série de variáveis que podem mudar o ritmo de vacinação no país. Essas variáveis passam desde a quantidade de vacinas disponibilizadas até a própria adesão das pessoas à vacinação. Segundo Oliveira, o Painel analisa o ritmo de vacinação em duas doses nos últimos 30 dias.

"Digamos que Salvador tenha 3 milhões de pessoas com mais de 20 anos. 80% disso é o correspondente a 2,4 milhões de pessoas. O que a gente calcula é: no ritmo atual de vacinação de Salvador, quantos dias são necessários para completar as duas doses desse público? É uma estimativa, não é algo que a gente pode garantir que vai ocorrer ou sequer se vai ocorrer, já que tudo é dinâmico nesse processo. Agora, por exemplo, temos a expectativa de entrar uma terceira dose, que já mudaria completamente as coisas", explica.

Bahia ainda não começou a vacinar adolescentes
A insistência no cálculo com base na população vacinável é devido ao fato do estado não ter iniciado a vacinação no público menor de 18 anos, o que equivale a cerca de 3,8 milhões de pessoas. Outros estados brasileiros estão com a imunização mais avançada e já aplica doses em menores de idade. É o caso de Roraima, Amapá, Mato Grosso do Sul, Amazonas e Maranhão, além do Distrito Federal

Na Bahia, Salvador será a primeira cidade a avançar para o público de 12 a 17 anos. Segundo a Sesab, nenhum outro município concluiu a vacinação do público de 18 anos ou mais - requisito para que se avance à próxima etapa –, o que a prefeitura de Salvador espera fazer já nessa semana. Além disso, a Sesab informa que o Ministério da Saúde ainda não enviou doses específicas para essa faixa etária.

Para isso, os jovens terão que realizar o recadastramento do SUS no site da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e, no caso das crianças com comorbidades, é possível fazer um outro cadastro. Quem realiza, nesse caso, é um médico, com a mesma senha usada no Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb). Até então, 3 mil jovens com comorbidades estão cadastrados no sistema da SMS.

Lista das 10 cidades que mais vacinaram pessoas com a primeira dose de acordo com o portal Geocovid:
Maetinga – 131,31%
Jussiape – 97,71%
Guajeru – 78,62%
Ibicuí - 77,63%
Mortugaba – 76,17%
Catolândia - 74,8%
Palmeiras – 72,44%
Contendas do Sincorá - 72,26%
Barro Preto – 69,09%
Cristópolis - 68,35%

As cidades de Maetinga e Jussiape chamam a atenção pelo elevado índice de vacinação, chegando até mesmo a ultrapassar os 100% no caso de Maetinga, que é o menor município baiano com apenas 2,8 mil habitantes, de acordo com a projeção mais atualizada do IBGE. No entanto, a prefeitura contesta o cálculo do órgão e afirma que, só de cadastros feitos nas unidades de saúde, são quase 8 mil.

Essa diferença nos dados faz com que a cidade receba menos vacina. Atualmente, eles estão imunizando com a primeira dose quem tem 23 anos ou mais. “Nós estamos cobrando um novo censo. A Sesab está ciente dessa situação. Inclusive, a prefeita já cobrou ao governador o envio de uma maior quantidade de vacina”, disse Sabrina Souza, secretária de Saúde de Maetinga.

Lista das 10 cidades que mais vacinaram pessoas com a segunda dose de acordo com o portal Geocovid:
Jussiape – 48,73%
Catolândia - 39,09%
Contendas do Sincorá - 37,4%
Abaíra - 34,89%
Piatã - 32,67%
Mortugaba – 31,98%
Maetinga – 31,58%
Rio de Contas – 31,46%
Banzaê - 31,17%
Mulungu do Morro – 30,34%

Mais de 290 mil pessoas ainda não tomaram 2ª dose na Bahia

Em toda a Bahia, são 290 mil o número de pessoas que não retornaram aos postos de saúde para tomar a segunda dose da vacina, segundo a Sesab. A situação também preocupa as autoridades de saúde, que lançaram uma campanha nas redes sociais para estimular a adesão a vacinação. "Reforce, segunda dose já. Vamos todos estar vacinados, conto com vocês", disse a secretária da Saúde em exercício, Tereza Paim, num dos vídeos publicados em rede.

A pasta também reforça que a imunização só acontece após a segunda dose da vacina e quem não toma as duas doses fica vulnerável. “Por isso, acompanhe o cronograma, confira o local e data da sua segunda dose e complete o seu esquema vacinal contra a covid-19", pediram.

172 municípios registraram mortes por covid em agosto
As consequências da não vacinação são a permanência de casos e óbitos de covid. Até às 16h dessa quarta-feira, 172 das 417 cidades baianas tinham registrado mortes pela doença. Os dados são da Central Integrada de Comando e Controle da Saúde, site mantido pela Sesab com dados da covid-19.

A cidade de Nova Soure, no nordeste da Bahia, não registrou morte em agosto, mas só em julho foram dois óbitos por covid, o que abalou o município de 27 mil habitantes que já está sendo vacinado, mas num ritmo mais lento do que outros locais. Por lá, a imunização ainda é em quem tem 23 anos ou mais, enquanto outras cidades da Bahia já vacinam a população de 18 anos.

Para o secretário de Saúde de Nova Soure, Ernesto da Costa Lima Junior, é a vacinação que impedirá que novos óbitos ocorram na cidade. Ele explicou que a demora em diminuir a idade do público alvo está relacionada com o cuidado da secretaria em buscar todos os que podem tomar a vacina.

“A maioria dos municípios estão avançando sem buscar as pessoas que são cadastradas na unidade de saúde. A gente faz um levantamento fiel das pessoas atendidas pela secretaria e vamos atrás deles para tomar as doses. É um processo de busca ativa. Vamos nas casas, informamos que a vacina está disponível... é algo até complicado, pois temos que ir na zona rural, mas o importante é que todos sejam imunizados”, defende.

 

Publicado em Saúde

Em Salvador, há 93.575 pessoas de 25 a 39 anos que já poderiam ter tomado a primeira dose da vacina, mas ainda não buscaram a imunização. Dos 548.030 cadastrados nessa faixa etária para receber o imunizante, mostra a Secretaria Municipal de Saúde de Salvador (SMS), 452.273 compareceram aos postos de vacinação. Embora o número corresponda a 82% do total, isso quer dizer que 18% da população que poderia estar vacinada com a primeira dose ou dose única ainda não está. O resultado pode ser casos de covid-19 que poderiam ser evitados.

Desde a última segunda-feira (9), quando pessoas com idade entre 26 e 27 anos começaram a ser vacinadas, a SMS tem fortalecido a campanha para que os jovens se vacinem. Na manhã de imunização desse público, o movimento não atendeu às expectativas, o que fez a vacinação de pessoas de outras idades ser retomada. Nesta segunda-feira (16), quem nasceu nos anos 2000, ou em anos anteriores, pode ser imunizado.

A imunização dos mais jovens é vista como fundamental para atravessar a pandemia e conter os índices de contaminação, porque eles têm maior fluxo fora de casa - para ir e voltar do trabalho, por exemplo. A Indonésia inverteu a prioridade de vacinação dos mais velhos para os mais jovens, baseada no fato de que eles estão em idade mais ativa e, portanto, são vetores mais recorrentes de proliferação do coronavirus.

“Não é só uma questão de ela ser importante para não ter a doença, é uma questão de humanidade, se não for por voce, que seja pelos outros”, opina Ingrid, que viu uma tia passar 18 dias internada numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com complicações causadas pela covid-19.

Para reduzir os faltosos, a SMS diz que tem enviado mensagens de texto para o celular deles, com alertas sobre a importância da vacinação. Agentes comunitários e de combates às endemias também realizam visitas domiciliares para convocação do público.

Jovens não se vacinarem é prolongamento da pandemia, avalia imunologista

Entre os motivos para jovens não terem comparecido aos pontos de vacinação, aparecem desde a falta de liberação no trabalho, a "preguiça" e a crença de que a vacinação pode esperar. "Conheço pessoas da minha idade que não priorizaram os dias certos e adiaram por motivos diversos - estágio, trabalho, preguiça -, mas se vacinaram", conta Felipe Ferraz, 24 anos.

O estudante de Medicina Veterinária se vacinou logo quando a imunização foi liberada. Para quem esperou um ano e cinco meses por aquele dia 12 de agosto, a espera de duas horas na fila pareceu nada.

"Estava mais ansioso e animado mesmo pra conseguir minha dose", diz Felipe.

Para Ricardo Khouri, imunologista e pesquisar da Fiocruz, a não adesão de parte dos jovens à vacinação tem a ver com a sensação de que como o índice de letalidade é mais baixo entre eles, a vacinação não é necessária. “Porém, é muito importante entender que a vacinação é crucial para proteção individual e coletiva”, pontua Khouri. A vacina protege individualmente, mas não só. “Ela protege coletivamente, pois reduz a circulação do vírus”, ressalta.

Ele evidencia três pontos quando se fala em vacinação do mais jovens: é impossível saber quem vai evoluir para uma forma grave e óbito, maiores de 60 anos e imunossuprimidos possuem uma resposta imunológica comprometida e um jovem infectado pode servir como vetor de contaminação para eles, e o vírus é “muito plástico” - a notar pelas três variantes em circulação no país.

“O vírus modifica sua estrutra durante a replicação, surgindo a possibilidade de escapar da proteção vacinal. Esse, que seria o pior cenário, resultaria numa anulação de todos os benefícios conquistados”.

Mas, não é só a falta de entendimento de que a covid-19 pode ser grave em pessoas mais jovens que torna a vacinação mais tímida, acredita a infectologista e pesquisadora da Fiocruz Fernanda Grassi. "Falta esclarecimento e campanhars. Seria necessário explicar aos mais jovens que à medida que eles não se vacinem, eles também podem ter quadros graves", acrescenta. Do 1,2 milhão de casos de covid-19 na Bahia, 41% ocorreram em baianos com idade entre 20 e 39 anos. Dos 26.118 falecidos, 1.773 tinham menos de 40 anos, segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

E mesmo os jovens que foram garantir a primeira dose no prazo certo não podem se considerar "protegidos", destaca a infectologista. O impacto da vacinação de pessoas na faixa dos 20 anos ainda não foi sentido na rotina hospitalar, como já é possível observar entre os mais velhos, pois ainda "não houve tempo", segundo Fernanda. Até o último domingo (15), os leitos de UTI estavam ocupados em 42%. Em maio deste ano, 16 cidades baianas chegaram a ter 100% dos leitos ocupados. A infectologista explica que não adianta tomar a primeira dose e retornar à normalidade, principalmente com a variante delta à espreita.

"Uma dose não protegere contra a variante delta, somente duas. Se a variante delta predominar no país, é muito inquietante. É preciso alertar sobre a necessidade de se vacinar completamente", avisa.

A preocupação da SMS, além da adesão dos mais jovens, também tem sido essa - reforçar a imprescimbilidade da segunda dose. Há 49 mil pessoas aptas a receber a segunda dose que ainda não buscaram os postos. O secretário municipal de Saúde de Salvador, Léo Prates, fez um apelo público no último final de semana": “Eu quero lembrar que a pessoa só está imunizada com a segunda dose. As vacinas só garantem a eficácia contra a variante delta só se faz com as duas doses".

Serviço

O que que fazer antes de se vacinar?
- O público habilitado pode conferir o nome na lista da SMS, www.saude.salvador.ba.gov.br.
- Caso o nome não esteja na lista, é necessário fazer o recadastramento do cartão SUS, disponível no site recadastramento.saude.salvador.ba.gov.br, ou através das Prefeituras-Bairro, mediante agendamento prévio.

No drive-thru da Arena Fonte Nova, às 14h desta segunda-feira (09), o movimento na fila da vacinação era tímido. Embora muitos carros aguardassem, uma das aplicadoras comentou que o movimento não chegava nem perto do que a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) esperava para a data, que inicialmente seria exclusiva para os jovens de 26 e 27 anos.

Devido à baixa procura desse público pelos postos, a Prefeitura refez a estratégia de vacinação anticovid e nesta terça-feira (10), a campanha de imunização vai atender todas as pessoas com 26 anos ou mais e os grupos prioritários que ainda não tomaram a 1ª injeção. Será o Dia de Repescagem da Vacinação. Além disso, o prefeito Bruno Reis anunciou que a aplicação da 2ª dose será retomada. Devem ir tomar o reforço nesta terça as pessoas que se imunizaram com vacinas da Oxford e Pfizer com data de retorno até 18 de agosto e quem se vacinou com Coronavac e tem retorno previsto até o dia 10 de agosto.

Até às 10h30 desta segunda (09) apenas 4,3 mil pessoas tinham ido aos locais de imunização - menos de 10% do público estimado de cerca de 50 mil. Por isso, a vacinação para todos os públicos a partir de 26 anos foi aberta no período da tarde. Até o fim da estratégia da segunda-feira, às 21h, 38 mil pessoas receberam a 1ª dose e 71, a 2ª, segundo o Vacinômetro da SMS. No total, Salvador já imunizou 2.153.409 pessoas entre 1ª, 2ª e dose única.

Na fila

Flávia Souza, 28, conseguiu se vacinar nesta segunda graças a abertura dos públicos. Levada até o posto pelo tio e duas primas, chegou entusiasmada. “É Pfizer hoje, é? Por mim tanto faz, eu quero a que tiver”, gritava de dentro do carro. Ela não tinha ido antes porque esperava carona.

Ramon Ribeiro, 30, tomou a vacina no 5º Centro de Saúde, nos Barris. Ele ainda não havia sido liberado do trabalho e, por isso, só conseguiu ir ontem. “Seria bom que tivesse flexibilização em relação a esse horário da vacinação. Pela manhã e à tarde muitas pessoas trabalham. Ainda suspenderam a 1ª dose no domingo”, reclamou.

Gabriel Medeiros ficou apto para a vacinação nesta segunda. Aos 26 anos, entretanto, optou por evitar a vacina por enquanto. É que ele embarca para o Canadá nesta terça e as restrições para a viagem envolvem exame PCR negativo do dia anterior e ausência de sintomas de covid=19. Caso tivesse efeito adverso à vacina, como febre ou dor muscular, não embarcaria.

“Cheguei a fazer o planejamento para tomar, mas liguei para a médica da família, e ela recomendou não tomar, até porque a maioria das vacinas causam febre. Mas, assim que chegar no Canadá, vou passar 14 dias de quarentena e, depois, ser imediatamente vacinado pelo governo canadense”, explicou.

Um homem, de 28 anos, que preferiu não se identificar, afirmou que não tomou sua dose quando podia pois, caso tivesse tomado, não poderia ingerir álcool no fim de semana. Já uma moça, de 27 anos, afirmou que, de acordo com sua data de nascimento, deveria ter ido tomar pela manhã, e não pela tarde. Ela estava na fila do 5º Centro às 16h e disse que, se dependesse da sua vontade, nem estaria lá. “Estou aqui porque o meu estágio fez o requerimento”, disse.

Na tarde e noite de segunda, a busca pela vacinação melhorou, inclusive entre o público inicial. Quem mal conseguiu dormir na noite anterior foi Ciro Garcez, 26. Pela manhã, ele teve aulas, mas à tarde, correu para a fila do 5º Centro, posto mais próximo de sua casa. “Era para vacinar de manhã, mas eu estava tendo aulas na faculdade. Não dormi direito essa noite de tão ansioso. Mas consegui, finalmente”.

Diala Souza, 26, foi ao posto com a avó. Saiu de Periperi depois do almoço e chegou aos Barris às 14h. Apesar da espera de quase 2 horas, saiu imunizada e realizada. “É uma espera prazerosa”.

Imunidade coletiva

O titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Leo Prates, reconheceu que o movimento de vacinação do público de 26 e 27 anos foi abaixo do esperado. “Estamos registrando uma procura bastante tímida. Convocamos todos os indivíduos habilitados a procurarem os pontos de vacinação até às 21h para assegurar a primeira dose”, disse. “A imunização é a melhor arma para mantermos a situação epidemiológica controlada na cidade”, acrescentou.

De acordo com a infectologista da SMS, Adielma Nizarala, a falta de priorização à vacinação por parte dos jovens pode gerar consequências para a imunidade coletiva da população.“A faixa etária dos 20 ainda está dentro das que o Programa Nacional de Imunização (PNI) aconselha que recebam a vacina prioritariamente. Então entram na mesma importância de todas as outras pessoas acima de 18 anos, como sendo contribuintes para a imunidade coletiva, ou seja, quanto mais vacinados, melhor”, afirma.

Ela atribuiu a baixa procura aos choques com os horários de trabalho e estudos da faixa etária e não à falta de vontade do jovem de se vacinar. Entretanto, disse que a SMS ainda não tem um plano para resolução desse problema, visto que a segunda-feira (9) foi o primeiro dia em que isso aconteceu.

“Talvez devamos permanecer com o horário da noite para esse público, mas ainda não há uma discussão nesse sentido. A partir de agora, vamos pensar, tentar entender o que aconteceu e desenvolver estratégias”.

Em relação ao caso das pessoas que evitam tomar a primeira dose nos dias de sexta e sábado porque desejam 'comer água' [ingerir bebida alcóolica] no final de semana, Nizarala explica que uma coisa não impede a outra. “Tomar a vacina não inviabiliza o uso da bebida alcóolica. Óbvio que não dá para exagerar, mas tomar uma cerveja ou uma taça de vinho é perfeitamente possível, não há contraindicação para isso”.

Entretanto, quando ingerida em grandes quantidades, a bebida alcóolica é um inibidor do sistema imunológico. Por isso, ela alerta que a bebida pode inibir a resposta do sistema. “Se o objetivo é trabalhar esse sistema com a vacina, fazer o uso de grande quantidade pode inibir essa resposta”. Caso vá fazer uso social, está liberado.

VACINAÇÃO NESTA TERÇA:

1ª dose – 08 às 16h

Drivers: 5º Centro de Saúde (Barris), Faculdade Universo (Avenida ACM), FBDC Cabula, Atakadão Atakarejo, Vila Militar (Dendezeiros), Arena Fonte Nova, Centro de Convenções, Universidade Católica de Salvador (Pituaçu), Unijorge (Paralela) e Barradão.

Pontos Fixos: 5º Centro de Saúde (Barris), USF Federação, USF Resgate, USF Plataforma, USF Cajazeiras V, UBS Pirajá, Universidade Católica de Salvador (Pituaçu), USF João Roma Filho (Jardim Nova Esperança), Unijorge (Paralela), Barradão e UBS Eduardo Mamede (Mussurunga).

2ª dose Oxford – 08h às 16h

As pessoas que estão com a data de reforço da vacina contra a covid-19 da Oxford programada para até o dia 18 de agosto já podem procurar os pontos de imunização para receber a vacina

Drives: PAF Ondina e Shopping Bela Vista.

Pontos fixos: USF Vale do Matatu, USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Teotônio Vilela II (Fazenda Coutos II), USF Vista Alegre, UBS Nelson Piauhy Dourado (Águas Claras), Clube dos Oficiais (Dendezeiros), UBS Virgílio de Carvalho (Bonfim), USB Ramiro de Azevedo (Campo da Pólvora), USF Vila Nova de Pituaçu e UBS Imbuí.

2ª dose CoronaVac – 08h às 16h

As pessoas que estão com a data de reforço da vacina contra a covid-19 CoronaVac programada para até o dia 10 de agosto já podem procurar os pontos de imunização para receber a vacina.

Drivers: Uninassau (Avenida Magalhães Neto)

Pontos Fixos: USF Curralinho e USF Tubarão.

2ª dose Pfizer – 08h às 16h

As pessoas que estão com a data de reforço da vacina contra a covid-19 da Pfizer programada para até o dia 18 de agosto já podem procurar os pontos de imunização para receber a vacina.

Drivers: Shopping da Bahia, FBDC Brotas e Parque de Exposições.

Pontos fixos: FBDC Brotas, USF Santa Luzia (Engenho Velho de Brotas), USF Colinas de Periperi, UBS Sergio Arouca (Paripe), USF Cajazeiras X e Parque de Exposições.

Publicado em Saúde

O plano da prefeitura de Salvador era vacinar todas as pessoas com 26 e 27 anos nesta segunda-feira (9). No entanto, a baixa procura nos postos de vacinação fez a estratégia de vacinação ser revisada. Com isso, todas os soteropolitanos acima dos 26 anos podem ir aos pontos que receberão o imunizante.

A novidade foi anunciada no perfil da prefeitura no Twitter. A expectativa era vacinar 50 mil pessoas hoje, mas, até às 12h, o vacinômetro apontava apenas 6,1 mil novos imunizados na capital baiana.

PONTOS DE 08H ÀS 18H

Drivers: Shopping da Bahia

Pontos Fixos: USF Santa Luzia, USF Vale do Matatu, USF Plataforma, USF Vista Alegre, USF Pirajá, USF Fernando Filgueiras (Cabula VI), USF Cajazeiras X, USF Vila Nova de Pituaçu, USF João Roma.

PONTOS DE ATÉ AS 21H

Drivers: Uninassau (Pituba); Universidade Católica de Salvador (Pituaçu); Barradão; 5 Centro de Saúde; Arena Fonte Nova; Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos); FBDC Cabula

Ponto fixo: Universidade Católica de Salvador (Pituaçu); Barradão, 5 Centro de Saúde

PONTOS DE ATÉ AS 18H

Drivers: PAF Ondina e FBDC Brotas

Pontos Fixos: USF Federação, USF Curralinho, USF Teotônio Vilela II (Fazenda Coutos II), USF Colinas de Periperi, USF Resgate, USF Cajazeiras V, UBS Nelson Pihauy Dourado, USF Eduardo Mamede, FBDC Brotas

PONTOS DE ATÉ AS 21H

Drivers: Unijorge (Paralela), Faculdade Universo (Av. ACM), Vila Militar (Dendezeiros), Centro de Convenções e Shopping Bela Vista.

Ponto Fixo: Unijorge (Paralela), Clube dos Oficiais da Polícia Militar (Dendezeiros), UBS Ramiro de Azevedo.

Pagina 1 de 11