A cada três habitantes de Salvador, um deve dinheiro, aponta Serasa

A cada três habitantes de Salvador, um deve dinheiro, aponta Serasa

Quando a promotora de vendas Isabel Lima*, 38, fez um empréstimo, há três anos, para terminar de construir sua casa, não imaginava que 36 meses depois ainda estaria endividada e devendo quase quatro vezes mais na praça. “Além do empréstimo, acabei perdendo o controle do cartão de crédito e gastando mais do que podia”, diz a baiana. E ela não está sozinha, segundo a Serasa, a Bahia encerrou o primeiro semestre de 2021 com cerca de 4 milhões de pessoas endividadas. É o quarto estado mais devedor do país, que tem 62,5 milhões de inadimplentes, sendo que 1,1 milhão deles vive em Salvador.

Como a capital tem cerca de 3 milhões de habitantes, significa que a cada três pessoas, uma está devendo na praça. “Sem consegui pagar o cartão, eu acabei me embolando com o empréstimo. Para complicar ainda mais, tive despesas médicas com meus pais e quando vi não tinha mais como pagar as contas. É uma sensação horrível”, acrescenta Isabel.

A porta-voz da Serasa, Aline Maciel, afirma que a falta de controle com o cartão de crédito ainda é um dos principais problemas que leva consumidores à inadimplência. Ainda segundo ela, o órgão oferece um curso virtual de educação financeira que ensina como equilibrar as contas, e lista alguns erros frequentes dos usuários:

“Não acompanhar os gastos feitos no cartão, gastar mais do que se pode pagar, e pagar com atraso são erros muito comuns. Outro ponto é emprestar o cartão de crédito, isso acontece bastante. Você precisa refletir que a pessoa que está te pedindo o cartão emprestado talvez ela não tenha a capacidade e a responsabilidade necessárias para ter um cartão de crédito, então, você não deve empestar o seu”, contou.

A comunicação é outro elemento importante. A orientação é sempre procurar a empresa, explicar a situação e renegociar a dívida antes que juros e multas aumentem o débito. Mas para quem já entrou no vermelho o Serasa Limpa Nome oferece algumas vantagens. Até o dia 22 de agosto, será possível renegociar dívidas por até R$ 100 com descontos que podem chegar a 99%. Tudo de forma virtual, nas plataformas da empresa.

Na prática, o consumidor consegue verificar os débitos e fechar um acordo sem sair de casa. “Ele vai escolher a melhor proposta, finalizar o acordo e gerar o boleto para pagamento. É importante que ele faça a negociação com parcelas que cabem no bolso, para evitar aumentar a dívida, e que fique atento aos golpes. O mais seguro é gerar os boletos diretamente em nossas plataformas”, afirma a gerente da Serasa.

Crise
A Bahia lidera o ranking de devedores da região Nordeste, mas também é o estado com a maior população. O valor médio por inadimplente no estado é de R$ 2.844. Já em Salvador, a média da dívida por pessoa é de R$ 3.906. Ceará aparece em segundo lugar, com 2,38 milhões de negativados, sendo seguido do Maranhão, com 1,87milhão de consumidores no vermelho.

Muitos são trabalhadores que viram a situação se complicar com a pandemia, quando a renda foi reduzida de repente ao mesmo tempo em que o home office fez aumentar as despesas com luz e internet. A promotora de vendas Ana Alves*, 28 anos, disse que fez um malabarismo para tentar equilibrar as contas, mas que não conseguiu.

“A gente já vivia com o salário apertado, então, já não tinha muito onde cortar. Quando o salário reduziu, eu sai cortando o máximo que pude, mas como cortar alimentação, luz, água e internet? Tinha muita coisa parcelada porque compramos com base na antiga renda, que mudou com a pandemia. Foi bastante complicado”, disse.

Ela faz parte do perfil de consumidor negativado mais comum no Brasil. Segundo o Mapa da Inadimplência, lançado em maio, as mulheres representam 50,1% dos devedores, e a faixa etária mais endividada é de 26 a 40 anos (35,8%). As despesas com bancos e cartões de crédito representam quase 30% de todas as dívidas, por isso, o economista Edísio Freire reforça a necessidade de cuidados.

“A melhoria do endividamento precisa vir acompanhada de boas atitudes do ponto de vista do consumo, ou seja, entender o que pode comprar. Dívida não é ruim, ela é necessária, se você quer comprar um bem de alto valor agregado vai precisar parcelar. Quando essa dívida entra no descontrole é que isso se transforma no endividamento”, diz.

O especialista aconselha que em casos de financiamento e outros empréstimos o devedor negociei diretamente com o banco ou financeira. “É possível trocar uma dívida mais cara por uma mais barata, conseguir descontos, carência e extensão do prazo, mas é preciso lembrar que toda negociação vai incidir juros, mesmo que a instituição lhe dê alguma concessão”, afirmou.

Superendividamento
Em julho entrou em vigor a Lei 14.181/21, conhecida como Lei do Superendividamento, que alterou o Código de Defesa do Consumidor para evitar o endividamento desenfreado dos clientes e coibir abusos por parte das empresas.

A nova legislação obriga bancos, financiadoras e empresas que vendem a prazo a informar ao consumidor o custo efetivo total, a taxa mensal efetiva de juros e os encargos por atraso, o total de prestações e o direito de antecipar o pagamento da dívida ou parcelamento sem novos encargos. Assédio ao consumidor e propagandas de empréstimos do tipo “sem consulta ao SPC” também foram proibidos, entre outras ações.

O diretor de relações institucionais da Serasa Experian, Julien Dutra, acredita que a lei aperfeiçoa o mercado de crédito e torna as melhores práticas, que já são seguidas por algumas concedentes de crédito, obrigatórias para todos.

“Portanto, é uma lei positiva para o mercado de crédito e principalmente para os consumidores, pois segue o caminho de melhoria e mudança na cultura de crédito para algo mais positivo e transparente. A Serasa Experian entende que a Lei pode melhorar a negociação entre credores e devedores sob duas perspectivas”, disse.

Ele apontou que a legislação torna mais claro para o consumidor os ônus e riscos da negociação e reforça a necessidade de o credor realizar análises mais abrangentes e completas o que ajuda a diminuir o risco de inadimplência. E oferece a consumidores já superendividados novas ferramentas de negociação.

*As fontes pediram para ter as identidades ocultadas, por isso, foram usados nomes fictícios.

Confira como renegociar a dívida no Serasa Limpa Nome:

Passo 01 – Acesse o site do Serasa Lima Nome ou baixe o aplicativo no celular, digite o CPF e faça o cadastro;

Passo 02 – Verifique as dívidas existentes e as possibilidades de parcelamento. É possóvel negociar pelo WhatsApp (11) 99575-2096;

Passo 03 – Escolha a melhor forma de pagamento e a data de vencimento;

Passo 04 – Hora de gerar o boleto e fazer o pagamento on-line, presencialmente em agências bancárias ou lotéricas;

Como evitar entrar no vermelho:

Conheça seu orçamento, para saber quanto ganha e no que gasta;
Depois, identifique o que é prioridade e o que pode esperar;
Evite comprar por impulso;
Fuja de linhas de créditos com juros altos;
Como sair do vermelho:

Verifique sua capacidade de pagamento para só fazer acordos que pode cumprir;
Busque negociação com os credores, como descontos e prazo maior para pagamento;
Tente aumentar a receita com atividades extras, mesmo que fora da sua área;
Pesquise e se informe mais sobre finanças e endividamento;
*Dicas do economista Edísio Freire.

Itens relacionados (por tag)

  • Facção ostentou por 6 meses sigla em igreja ao lado da sede da Polícia Civil, na Piedade

    Sacrilégio, mais um recado afrontoso ou os dois? O fato é que a inscrição da facção Bonde do Maluco (BDM) estava a 30 passos do prédio-sede da Polícia Civil, na Piedade. Há cerca de seis meses, as paredes da Igreja e Convento Nossa Senhora da Piedade exibiam as iniciais do maior grupo criminoso do estado e vinham deixando todos preocupados, principalmente quem está diariamente no tempo religioso.

    “Vandalismo já aconteceu bastante, mas pichação como essa de agora, referente à uma facção, não. Estamos todos assustados. Qual o objetivo deles expressando isso em nossa parede? Faz medo porque a gente não sabe o que está por trás disso. Pode ser recado à polícia, pode sim, como também pode ser uma direta a outros grupos que também atuam aqui no centro. Quais as consequências disso para todos nós? ”, declarou o reitor do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, padre Albervan Pinheiro.

    As inicias “BDM” estavam até a última sexta-feira (10) nas paredes frontais da Igreja e Convento Nossa Senhora da Piedade, onde o portão de entrada está defronte à Praça da Piedade. “Já tinha visto as pichações, mas não sabia que as letras indicavam uma facção”, disse o padre Albervan. Ao tomar conhecimento do significado das três letras através do CORREIO, o religioso aproveitou que o templo passa por uma reforma e determinou que a pichação fosse apagada. “Viajei no último sábado (18), mas antes disso ordenei para o pessoal da obrar cobrisse aquilo lá. Quando retornei na segunda (13), não havia mais nada”, contou.

    A reportagem repercutir o caso com alguns fiéis. De acordo com um deles, o BDM quis mandar um recado para a à Secretaria de Segurança Pública (SSP). “Com certeza foi para chamar a atenção da polícia, para dizer: ‘estamos aqui e não temos medo’. Esta é a minha leitura. Como é possível fazerem isso sem que a polícia percebesse, bem debaixo do nariz dela? Aqui tem câmera para todos os lados, inclusive na praça. E o pior: isso está aí há uns seis meses e ninguém apaga”, declarou o economista João Paulo de Freitas, 54, morador do bairro e um dos frequentadores assíduos da igreja Nossa Senhora da Piedade.

    As iniciais teriam sido colocadas por moradores de rua da região. “Certamente. Eles são usuários ao mesmo que tempo que também trabalham para a facção, levando e trazendo informações e pichando as iniciais do grupo a pedido dos gerentes do tráfico”, contou João Paulo.

    Questionada sobre o acontecido, a SSP informou que " combater o tráfico de drogas é prioridade das polícias Militar e Civil". "Informa ainda que de janeiro a agosto, em 2021, cerca de 15 toneladas de entorpecentes foram apreendidos e 1,2 milhão de pés de maconha foi destruído", disse a SSP em nota.

    Já a Polícia Civil disse que " a ação de quadrilhas " é investigada pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco). A nota enviada pontua que a PC "vem atuando por meio de atividades de inteligência, diligências, operações e outras ações de Polícia Judiciária em todo território baiano".

    A Polícia Militar, por sua vez, informou que "o policiamento ostensivo na região da Praça da Piedade conta com duplas de policiais militares a pé ao longo dos seus subsetores, reforçado por guarnições ordinárias embarcadas em viaturas duas e quatro rodas e pela Companhia de Emprego Tático Operacional (CETO) do 18º BPM". A PM também informou que conta com uma base móvel de segurança e com o reforço operacional de policiais atuando 24h. Ainda segundo o órgão, no mês de setembro, "o policiamento foi reforçado com mais uma viatura de rádio patrulhamento acrescida, durante o dia, ao efetivo já existente, tendo em vista a aproximação da alta estação e dos meses de final de ano".

    Esta não foi a primeira vez que siglas de facções são ostentadas próximas a unidades policiais. Em setembro do ano passado, o CORREIO registou também as iniciais do Comando da Paz (CP) e o Comando Vermelho (CV) em frente à Base Comunitária e a menos de 500 metros da 40ª Companhia Independente da Polícia Militar (Nordeste de Amaralina). No seguida à publicação, as inscrições foram apagadas pela polícia.

    Missas
    Antes das inscrições, os assaltos já faziam parte da rotina dos fiéis. Por conta do aumento da criminalidade no entorno Igreja e Convento Nossa Senhora da Piedade e também na Paróquia de São Pedro que, apesar de não ter sido pichada com as iniciais do BDM, vem sofrendo as consequências por estar situada na Praça da Piedade, as tradicionais missas nas tardes de domingo foram suspensas desde o início da pandemia.

    “Quando encerrávamos as celebrações das 17h, os fiéis eram assaltos nos pontos de ônibus ou quando andavam para casa, pois muitos moravam no entorno. Isso aqui aos domingos é muito deserto e as pessoas estavam vulneráveis. Bandidos levavam bolsas, correntes, o que podia carregar. Então, por uma questão de segurança, tanto aqui, como na Paróquia de São Pedro, ficou decido pelo encerramento das missas nas tardes de domingo”, declarou o reitor do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, padre Albervan Pinheiro.

    A reportegem perguntou à Polícia Civil sobre o que tem a dizer sobre o cancelamento das missas às 17h e também em relação aos constantes assaltos. Até o fechamento desta edição não houve um posicionamento. Os mesmos questionamentos foram realizados à Polícia Militar (PM), que por sua vez também não respondeu.

    Barra
    As marcas das facções são encontradas cada vez mais no centro de Salvador. Ou seja, os criminosos estão saindo da periferia, deixando os locais escondidos, para ostentar o poder em bairros turísticos, como a Barra.

    Na Rua Barão de Sergy iniciais de grupos rivais foram deixadas em pontos distintos ao logo da via, a cerca de 250 metros da 14ª Delegacia (Barra). Na parede de uma farmácia que dá no início rua no sentido Porto da Barra, a letras “C” e “P”, postas lado a lado, fazem referência de que o comando do tráfico no local é do Comando da Paz. “Eu não sabia do que se tratava, mas está aí há quase um ano. Mas não é novidade pra ninguém que a Barra hoje virou o point da malandragem, principalmente nos finais de semana, pois o tráfico rola solto”, disse um morador de um dos edifícios no local.

    Uma gaúcha, que mora há poucos mais de cinco meses em um dos prédios da rua, disse que assim que chegou, foi orientada pelos vizinhos sobre a situação do tráfico na Barra. “A gente percebe através de comentários, que aqui já foi um lugar mais tranquilo. Agora, vem muita gente de outros lugares atrás de drogas. Isso acontece com mais frequência no sábado e no domingo, quando tem o maior fluxo de pessoas, consequentemente um número maior de consumidores”, disse ela.

    Já no final da Barão de Sergy, no muro do Edifício Rosário, é possível perceber, ainda que apagadas, uma das simbologias do Bonde do Maluco, "TD 3", que siginfica "Tudo 3", a mesma coisa que "BDM" , além da sigla CP, que, ao que tudo indica, sobrepõe a marca rivcal. Algumas pessoas disseram que foram os próprios moradores do prédio que trataram de retirar as pichações. Nenhum deles quis falar soibre o assunto.

    Um porteiro que trabalho há mais de 20 anos em um edifício disse que a Barra está igual ao bairro que ele mora, o Tororó. “ Não tem muito tempo que acordamos com tudo pichado do BDM. A cada dia eles (traficantes) estão mais ousados, querendo ficar em evidência e dão testa onde for. Foi o que a aconteceu no domingo. Alguém deu o canal que o rapaz estava no local e foram lá para apagar ele”, disse o porteiro, se referindo ao episódio do último domingo, quando dois homens e uma mulher foram baleados durante tiroteio no Porto da Barra.

    Tiroteio
    O Departamento de Homicídios a Proteção à Pessoa (DHPP) investiga a autoria e a motivação dos tiros que mataram o acusado de tráfico Rodrigo Cerqueira de Jesus, o Tosca no domingo (05), no Porto da Barra. No dia, a mãe dele e outro homem também foram baleados.

    As vítimas foram socorridas para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde Rodrigo chegou sem sinais vitais. O estado de saúde das outras duas vítimas não foi divulgado. Moradores da região contam que foram, ao menos, cinco disparos efetuados na esquina da Rua Cézar Zama com a Barão de Sergy.

    De acordo com a assessoria da Polícia Civil, informações preliminares dão conta de que Rodrigo seria integrante de um grupo criminoso com atuação no bairro de Cosme de Farias e um dos alvos de investigações do DHPP.
    Ainda segundo informações preliminares, ele seria o principal alvo dos criminosos. A disputa pelo tráfico de drogas é a principal linha de investigação para o crime.

    A Barra vem sofrendo com uma onda de violência. Para minimizar a situação, a 11ª Companhia Independente (Barra) conta atualmente com um novo comandante quer assumiu o cargo nesta quinta-feira (16).

    Pavilhão
    Um dos cinco grupos criminosos mais atuantes na Bahia, e considerado o mais violento, o Bonde do Maluco (BDM) surgiu em 2015 no pavilhão V do Presídio Salvador, no Complexo Penitenciário da Mata Escura. Liderado pelo assaltante de banco José Francisco Lumes, o Zé de Lessa, morto em dezembro de 2019, o grupo nasceu como uma ramificação da extinta facção Caveira, comandada por Genilson Lima da Silva, o Perna, custodiado em presídio federal.

    Seguindo modelo semelhante às maiores organizações criminosas do país - Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, e Comando Vermelho, do Rio de Janeiro -, o BDM foi criado para ampliar a área de atuação da facção Caveira, nesse caso, na Bahia, em alguns pontos estratégicos do tráfico da capital, como Subúrbio e Cajazeiras, e principalmente na Região Metropolitana de Salvador.

    No entanto, houve um racha e uma parte do grupo mais agressiva ficou sob o comando de Zé de Lessa, que tinha como fornecedor de armas e drogas o PCC. Atualmente, em Salvador, o BDM tem atuação em Cajazeiras, Brotas, parte do Subúrbio e orla (entre a Boca do Rio e Itapuã), Cabula, Garcia, Pau da Lima, Federação e parte da Ilha de Itaparica. A expansão começou por Cajazeiras X.

  • Após reabertura, praias de Salvador já acumularam mais de 2 mil toneladas de lixo

    O retorno dos soteropolitanos às praias trouxe também muita poluição. Garrafas plásticas, palitos de churrasco e picolé, sacolas, embalagens de alimentos passaram a fazer parte da paisagem novamente.

    Para se ter uma noção, entre maio deste ano - mês em que as praias foram reabertas - e agosto, a Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb) recolheu mais de 2 mil toneladas de lixo. O número equivale a cinco piscinas olímpicas cheias de detritos.

    Os itens que lideram a sujeira são plásticos, copos, coco verde e resíduos orgânicos, como restos de comida. A campeã no ranking de sujeira, segundo os profissionais da Limpurb, foi a praia de Piatã, que é também uma das mais cheias da cidade e que também aparece no ranking de afogamentos e crianças perdidas dos pais.

    Para amenizar a situação, a Limpurb vai fazer uma limpeza reforçada diariamente em toda a extensão da orla da cidade, do Subúrbio Ferroviário até a praia de Ipitanga. A ação acontece nos três turnos: das 6h às 14h20, das 14h às 22h20 e das 22h às 6h20. Ao todo, cerca de 156 agentes de limpeza atuam na operação.

    Além de recolher o lixo da areia e das áreas verdes ao redor da praia, os garis também vão varrer e esvaziar os cestos de lixo situados nos calçadões. A ação prevê ainda uma limpeza da superfície da faixa de areia e da aeração mecanizada - isso é possível através do revolvimento da faixa de areia, que ajuda a remover resíduos enterrados na camada inferior.

    Todo o lixo recolhido nas praias é ensacado e transportado para caixas estacionárias, que são contêineres subterrâneos, existentes nas proximidades das praias. Para a ação, são utilizados 15 tratores e seis cessadeiras.

    Conscientização
    A ação da Limpurb é importante, mas é necessário que o cidadão tenha educação e respeito ao meio ambiente. O presidente do órgão, Omar Gordilho, pede que o lixo seja descartado da maneira correta.

    "De domingo a domingo nossos agentes realizam a limpeza e manutenção de toda a faixa litorânea das praias da nossa cidade. Porém, é sempre importante destacar que a população precisa colaborar com esse trabalho, evitando descartar os resíduos de forma irregular”, alertou.

  • Salvador lança aplicativo de passaporte de vacinação

    Salvador lançou nesta terça-feira (14) um aplicativo que mostra o status vacinal do cidadão. É a chamada Carteira de Vacinação Digital (CVD), popularmente chamada de "passaporte da vacinação". O aplicativo está disponível para Android e IOS, além de site. "Vai permitir que o cidadão possa comprovar mais facilmente em que estado está seu processo de vacinação", explicou o prefeito Bruno Reis.

    O portal pode indicar quatro status de vacinação. Se a pessoa não tomou nenhuma dose da vacina contra a covid-19, por exemplo, a plataforma indicará “Sem Registro de Vacinação”. As demais situações são “Parcialmente Vacinado” quando existir apenas o registro da primeira dose ou ainda "Parcialmente Vacinado Com Atraso" se estiver com a segunda dose em atraso. A quarta opção é “Totalmente Vacinado” (quando a pessoa estiver com o registro da 1ª e 2ª doses ou dose única).

    A plataforma também indica qual vacina a pessoa tomou, os lotes e as datas de aplicação. O documento possui um QR Code, além de um código alfanumérico, e pode ser impresso e apresentado nos estabelecimentos e espaços públicos em que for obrigatória a apresentação do comprovante de vacinação.

    “Esse cartão vai permitir que o cidadão, a depender das exigências que venham a surgir em relação às vacinas tomadas, como viagens e eventos, possam comprovar o seu processo de vacinação", disse o prefeito.

    Bruno Reis também afirmou que há negociação com embaixadas, como a de Portugal, para que o aplicativo possa ser aceito em substituição a formulários para entrada em outros países que liberam entrada de brasileiros. "Estamos mantendo entendimentos com embaixadas, inclusive, para comprovação da vacinação para viagens internacionais”, disse.

    A conferência do documento pode ser feita via câmera de um dispositivo móvel, celular ou tablet ou através do link, onde deverá ser inserido o código para validação da CDV.

    Ontem, o governador Rui Costa afirmou que o passaporte será exigido no estado para acesso a locais com público, como estádios de futebol, assim que a Bahia alcançar uma boa cobertura de segunda dose. Apesar disso, a imuzinação completa (com duas doses ou dose única) já está sendo exigida para acesso a eventos com até mil pessoas, liberados por decreto estadual no último sábado (11). Nesses casos, o Governo Estadual afirma que irá aceitar a comprovação de vacinação tanto pelo Conecte SUS quanto pelo aplicativo da prefeitura de Salvador, nos casos de eventos na capital.

    Nesta terça, Bruno Reis disse que a prefeitura ainda não fará exigências de vacinação em Salvador, apenas seguirá o movimento do Governo Estadual, mas, caso a aplicação da segunda dose avance e as pessoas não procurem os postos, poderá passar a liberar acesso a determinados locais somente com comprovação de vacinação.

    Login
    Ao acessar o site para obter a CVD, é necessário fazer o login com mesma credencial do Aplicativo do Vida + Cidadão ou criando uma conta nova. O procedimento neste último caso é feito de forma rápida. O cidadão só precisar confirmar dados pessoais como nome da mãe, ano de nascimento, município de nascença e dígitos do CPF.

    O usuário que esquecer a senha cadastrada pode solicitar no próprio site da CVD, clicando na opção “Esqueceu a senha” e preenchendo os campos Cartão do SUS / CPF e e-mail. O cidadão receberá uma senha provisória no e-mail que consta no cadastro do Cartão SUS.

    Caso o cidadão não possua e-mail cadastrado, ele poderá acessar o site de recadastramento e adicionar um e-mail válido ou atualizar o cadastro presencialmente em uma Unidade Básica de Saúde.

    Mas e o Conecte SUS?

    De acordo com a prefeitura de Salvador, o aplicativo lançado nesta terça será uma alternativa para facilitar ainda mais a vida do soteropolitano. No caso de futuras exigências de vacinação para acesso a determinados locais, o Certificado Nacional de Vacinação Covid-19, do programa Conecte SUS, do Governo Federal, também será aceito.

    Através do aplicativo Conecte SUS, o usuário pode ter acesso à carteira completa de vacinação, comprovandoo que está imunizado não somente contra a covid-19, mas também contra outras doenças. Além disso, também é possível acessar resultados de exames, posição na fila de transplantes, registro de doação de sangue e de medicamentos disponibilizados pelo SUS, por exemplo.

    Já o aplicativo lançado pela prefeitura de Salvador é exclusivo para comprovar a vacinação contra covid-19. De acordo com o prefeito Bruno Reis, há pretensão de que também sejam inclusos comprovantes de imunização contra gripe e outras doenças.

    Outros locais também estão criando um sistema próprio de passaporte vacinal, se desvinculando da dependência em relação ao sistema nacional. Esse é o caso da cidade de São Paulo, que lançou o e-saúdeSP no último dia 1º. A cidade já exige vacinação para entrada em eventos.

    O Conecte SUS já apresentou queda no sistema no mês passado, o que fez com que a prefeitura do Rio de Janeiro adiasse a exigência do comprovante de vacinação para entrada em cinemas e academias. O passaporte vacinal está previsto para ser cobrado a partir desta quarta-feira (15) no Rio. Além disso, há reclamações de usuário sobre erros e atrasos nas informações do aplicativo federal.

    Vacinação em Salvador
    O prefeito falou também da situação da imunização em Salvador. "Nós temos 80 mil pessoas com mais 18 anos e 30 mil entre 16 e 17 anos que não foram tomar a primeira dose", lamentou. Também há atrasos em relação à segunda dose. Na capital, são cerca de 120 mil nessa situação.

    O prefeito lembrou que as segundas doses de Oxford e Pfizer estão sendo adiantadas em cerca de um mês, conforme orientação do Ministério da Saúde, e fez um apelo à população. "Temos um número expressivo de atrasos. Estamos fazendo campanhas para ajudar nessa mobilização, contamos com a imprensa e com o governo do estado também. É fundamental que essas pessoas voltem para tomar a segunda dose", pediu Bruno.

    O prefeito lembrou que a ocupação de UTI covid na cidade está em 25% e que, ontem, não houve registro de óbitos pela doença na capital, mas ressaltou que isso não significa que a pandemia acabou. "Os números estão caindo, tem cerca de 20 dias que as UPAs amanhecem sem pacientes aguardando regulação", celebrou. "Mas países ou cidades onde pessoas não concluíram a vacinação estão em situação complicada. Nós não queremos isso aqui. As vacinas estão aí, nossas equipes estão trabalhando. Quando mais cedo nos concluirmos o ciclo vacinal, melhor", acrescentou.

    Segundo o prefeito, Salvador atingiu nesta segunda (13) a marca de 96% da população apta a se vacinar imunizada com a primeira dose. Já com a segunda dose, 52%.

    Bruno também garantiu que Salvador não corre risco no momento de sofrer com falta de vacina da Oxford para segunda dose, como ocorreu em São Paulo e Rio - onde doses da Pfizer foram usadas em substituição, realizando uma vacinação heterogênea. Segundo o prefeito, a capital está armazenando as segundas doses, justamente para que não haja falta. "O objetivo aqui em Salvador segue sendo descer a vacinação por idade até adolescentes de 12 anos sem comorbidades, mantendo em paralelo o reforço vacinal para idosos de acima de 70 anos. Caso isso não seja possível em algum momento, a prioridade será dos idosos", finalizou Reis.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.