Quarta-feira, 19th Fevereiro 2020
6:16:53pm
Foto:Leone Serafim. Foto:Leone Serafim.

Segunda edição da campanha "Meu Corpo Não é Sua Fantasia" reforça grito de resistência no Carnaval: "Assediadores, passem longe"

Sororidade e resistência deram o tom do lançamento da segunda edição da campanha "Meu Corpo Não é Sua Fantasia", na tarde desta quarta-feira (12), lotando a Praça Thomé de Souza em um aquecimento para a luta contra o assédio sexual e a violência contra a mulher no Carnaval. Idealizada pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara de Salvador, capitaneada pela vereadora Ireuda Silva (Republicanos), o projeto percorrerá os circuitos da folia levando informação e tentando promover a conscientização para um problema que se intensifica a níveis alarmantes em períodos de festas populares.

O evento nesta terça-feira (12), além da vereadora Ireuda, contou com a presença do vice-prefeito Bruno Reis, do presidente da Câmara, Geraldo Júnior, da secretária municipal de Políticas para a
Mulheres, Rogéria Santos, de outras vereadoras da comissão, além de inúmeros apoiadores e lideranças de movimentos que lutam pelo empoderamento das mulheres.

"Ano passado chegamos a socorrer mulheres que foram hostilizadas, e esse ano não será diferente. Como o slogan diz: Meu corpo não é fantasia de ninguém. Não adianta o homem ir para o circuito e achar que pode avançar nas mulheres", disse Ireuda na ocasião.

A republicana repudia qualquer tentativa de atribuir às vítimas a culpa por serem assediadas e abusadas, por meio de um discurso machista que fere a liberdade da mulher vestir a roupa que quiser. "O machismo e a hipocrisia são tão grandes que muitas pessoas têm a ousadia de dizer que, se determinada mulher não saísse com uma roupa muito curta, não seria assediada. Isso não é verdade, porque roupas mais longas não impedem nem são escudo contra a importunação sexual. E, em segundo lugar, a mulher tem todo o direito de vestir a roupa que quiser, e isso não é um convite para que seja submetida a situações constrangedoras e violentas. Só tenho uma coisa a dizer: machistas assediadores, passem longe", pontua.

Geraldo Júnior, por sua vez, enalteceu o trabalho de Ireuda e da comissão e reiterou o apoio da Casa ao projeto. "A Mesa Diretora dá total apoio a este processo, por entender, em função do empoderamento e destas vulnerabilidades que estão associadas à mulher, que é uma campanha que serve de referência para outras capitais", disse em seu discurso.

Em sua fala, Bruno Reis destacou que, já na segunda edição, a campanha rompeu os limites da Câmara e se tornou parte da cidade. "Hoje já é uma campanha da cidade do Salvador. As mulheres é que fazem deste Carnaval o melhor de todo o planeta. E esse ano será o Carnaval dos carnavais. O Carnaval desse ano será o melhor de todos os tempos. Salvador voltou a ser falada no Brasil e no mundo, voltou a ficar na moda. Então é importantíssimo que todo mundo saiba que o corpo da mulher não é a fantasia de ninguém. E no que depender desse vice-prefeito, podem contar. Todos vamos estar nas ruas trabalhando essa campanha, e conscientizando todos os homens", disse.

Na Bahia, dados oficiais revelam que uma mulher é agredida a cada 56 minutos. E, segundo a organização internacional ActionAid, 86% das brasileiras já sofreram assédio em público. Outra pesquisa, realizada em 2019, aponta que 97% das mulheres dizem já ter sofrido assédio sexual nos transportes público e privado no país.

Fonte: Ascom/Ireuda Silva.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.