Quinta-feira, 3 de Dezembro 2020
7:27:52pm
Biden é eleito novo presidente dos EUA, projeta Decision Desk

Biden é eleito novo presidente dos EUA, projeta Decision Desk

O democrata Joe Biden será o novo presidente dos EUA, anunciou o Decision Desk HQ, em projeção no final da manhã desta sexta-feira (6). Biden, que completa 78 anos no próximo dia 20, será o homem mais velho a já assumir a presidência dos EUA. A vice dele, Kamala Harris, será a primeira mulher no cargo.

O Decision Desk afirma que Biden ganhou na Pensilvânia, o que o leva para acima dos 270 votos necessários do Colégio Eleitoral, independente do resultado dos outros estados que ainda estão em aberto. Com os 20 delegados da Pensilvânia, ele chega a 273. Biden está à frente de Trump na Georgia e lidera também no Arizona e em Nevada.

O Decision Desk é um serviço de projeção eleitoral que fornece conteúdo para empresas de comunicação como Axios, Buzzfeed, Conservative Review, The Economist e Forbes, entre outros.

Em comunicado enviado à imprensa, a coordenação de campanha de Donald Trump afirma que o resultado não está definido, afirmando que vai pedir recontagem em alguns estados e que houve irregularidades, mesmo sem apresentar provas.

"A eleição não acabou. A falsa projeção de Joe Biden como vencedor é baseado em resultados de quatro estados que estão longe de serem finais. Georgia caminha para uma recontagem, em que estamos confiantes que vamos encontrar cédulas que foram mantidas irregularmente, e onde o presidente Trump vai ao final prevalecer. Houve muitas irregularidades na Pensilvânia, incluindo ter oficiais de eleição impedindo que nossos observadores legais tivessem acesso significativo aos locais de contagem de votos", diz texto assinado pelo coordenador Matt Morgan.

"Nós vencemos esse embate na Justiça, mas fomos privados de tempo valuoso e tivemos negada a transparência que a lei estatal prevê", continua. "Em Nevada, aparentemente houve milhões de indíviduos que conseguiram votar de maneira imprópria. E finalmente o presidente está no caminho de vencer em Arizona, apesar da irresponsável e incorreta 'chamada' do estado para Biden pela Fox News e AP. Biden está confiando nesses estados para sua falsa reivindicação à Casa Branca, mas quando e eleição for final, presidente Trump será reeleito"

Trump não vai reconhecer derrota
Segundo a CNN, o presidente Donald Trump afirmou a pessoas próximas que não tem intenção de admitir a derrota e fazer o tradicional discurso de concessão, em que o candidato perdedor reconhece que não foi o escolhido.

A ideia de Trump é construir um caso para ir às cortes. Os filhos e conselheiros de Trump têm pressionados outros republicanos para que falem na mesma linha dele, sem reconhecer uma derrota.

Trump já reconheceu que a matemática não está a seu favor e que provavelmente vai perder ao fim da contagem, mas mantém a intenção de ir à Justiça e tentar reverter o que considera irregularidades no processo. Desde antes da eleição, o republicano já vinha dando sinais de que não aceitaria um resultado que não fosse sua vitória. Apesar das acusações de Trump em relação aos votos por correio, a campanha dele ainda não apresentou nenhuma evidência de fato de que houve algo irregular.

Itens relacionados (por tag)

  • Moderna anuncia eficácia em vacina e pedirá uso emergencial nos EUA e Europa

    A farmacêutica americana Moderna anunciou que pedirá nesta segunda-feira, 30, autorização para uso emergencial de sua vacina para a covid-19 nos Estados Unidos e na Europa. De acordo com a empresa, o imunizante se mostrou 94,1% eficaz nos resultados finais da fase 3 dos testes clínicos.

    No dia 16 de novembro, a Moderna já havia anunciado os resultados preliminares dos estudos, com eficácia de 94,5%.

    O estudo da farmacêutica envolveu 30 mil participantes, dos quais 196 indivíduos desenvolveram o coronavírus com sintomas, de acordo com a companhia.

    Destes, 185 haviam tomado placebo, enquanto 11 haviam recebido a vacina.

    Segundo a Moderna, o imunizante também aparentou ser seguro, ainda que alguns participantes tenham experimentado dores de cabeça e outras reação leves a moderadas.

    "Acreditamos que nossa vacina fornecerá uma ferramenta nova e poderosa que pode mudar o curso desta pandemia e ajudar a prevenir doenças graves, hospitalizações e mortes", disse o CEO da Moderna, Stéphane Bancel.

    "Vamos solicitar hoje uma autorização de uso de emergência da FDA e continuar avançando com as revisões contínuas que já foram iniciadas com várias agências regulatórias em todo o mundo", acrescentou Bancel, fazendo referência à Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos.

    A farmacêutica também apresentará nesta segunda-feira um pedido de uso emergencial da vacina à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês).

  • Eleições nos EUA: Justiça nega pedido de Trump para suspender contagem de votos na Pensilvânia

    Não surtiu efeito uma ação de emergência da campanha do presidente Donald Trump para tentar interromper a contagem dos votos no condado da Filadélfia, a maior cidade da Pensilvânia, enquanto representantes do Partido Republicano não estivessem presentes para acompanhar a apuração.

    Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o pedido foi negado por juiz federal nesta quinta-feira (5), um

    De acordo com a ação do partido, funcionários eleitorais “se recusaram intencionalmente a permitir quaisquer representantes e observadores do presidente Trump” durante o processo.

    No tribunal, entretanto, um advogado da campanha de Trump admitiu, com relutância, que havia representantes republicanos durante a apuração na Filadélfia. “Há um número de pessoas diferente de zero na sala”, disse, em referência aos enviados pelo partido para monitorar a contagem.

    O juiz Paul Diamond, portanto, alegou em sua decisão que não havia razão para o caso ter sido levado até um tribunal federal. Além disso, Diamond reforçou as orientações aos funcionários eleitorais da Filadélfia de que democratas e republicanos tivessem o mesmo número de representantes acompanhando a apuração das cédulas.

     

  • Estados Unidos pedem uso obrigatório de máscara em aviões e trens

    O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) divulgou nesta segunda-feira (19) "forte recomendação" para que passageiros e funcionários em aviões, trens, metrôs, ônibus, táxis e veículos de carona compartilhada utilizem máscaras para prevenir a propagação da covid-19.

    A orientação provisória também pede a utilização das proteções faciais em hubs de transporte, como aeroportos e estações de trem.

    "A utilização ampla e rotineira de máscaras nos sistemas de transportes vai proteger norte-americanos e oferecer confiança para que se possa novamente viajar com segurança mesmo durante a pandemia", afirmou o CDC.

    Companhias aéreas, o sistema de trens Amtrak e a maioria dos sistemas públicos de trens e aeroportos norte-americanos já exigem que todos os passageiros e trabalhadores cubram seus rostos, assim como as empresas Uber e Lyft.

    Mas, em julho, a Casa Branca foi contrária a um projeto que tornaria obrigatório o uso de máscaras por todos os funcionários e passageiros de companhias aéreas, trens e sistemas de transporte público. A Casa Branca não comentou imediatamente a recomendação do CDC.

    O gabinete de Administração e Orçamentos da Casa Branca disse na época que o projeto de lei que obrigava o uso de máscaras era "restritivo demais", e acrescentou que essas decisões deveriam ficar com os estados, governos locais, sistemas de transporte e autoridades de saúde pública.

    Segundo o CDC, os operadores de transportes deveriam garantir que todos os passageiros e funcionários utilizassem máscaras durante toda a viagem, e que deveriam oferecer informações para pessoas que estão comprando ou reservando viagens e/ou transporte sobre a necessidade de uso de máscaras, assim como, onde fosse possível, disponibilizar essa proteção.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.