Quinta-feira, 4 de Março 2021
10:16:19pm
Trump deixa Casa Branca ao lado de Melania horas antes da posse de Biden

Trump deixa Casa Branca ao lado de Melania horas antes da posse de Biden

Donald Trump discursou pela última vez como 45º presidente dos Estados Unidos, nesta quarta-feira, 20, na Base Aérea Andrews, depois de deixar a Casa Branca, em Washington D.C. "Nós voltaremos de alguma forma", declarou o republicano a apoiadores Ao lado da esposa, Melania, ele desejou "sorte" e "sucesso" ao novo governo. Joe Biden tomará posse ainda nesta quarta-feira como 46ª presidente do país.

"O que fizemos foi incrível para qualquer padrão. Não fomos um governo comum", afirmou Trump, quatro anos depois de assumir o cargo.

Entre outras medidas tomadas durante o período em que foi presidente, o republicano destacou o corte de impostos corporativos realizado em 2017. "Espero que não aumentem seus impostos", disse.

Trump ressaltou também o começo da vacinação contra a covid-19 no país e se vangloriou de a imunização ter sido desenvolvida em apenas nove meses. O republicano disse que a economia americana deve apresentar "bons números" nos próximos meses e pediu: "Lembrem de nós."

Joe Biden venceu Donald Trump na eleição presidencial de 3 de novembro de 2020. O democrata conquistou 306 votos no Colégio Eleitoral e o republicano, 232. Em um pleito atípico, em meio à pandemia de covid-19, o recorde de votos por correio atrasou a contagem em Estados decisivos. O resultado só saiu em 7 de novembro, quando o democrata foi declarado vitorioso na Pensilvânia.

Trump, porém, não aceitou a derrota. O republicano recorreu aos tribunais, mas não conseguiu reverter o resultado da eleição. Sem apresentar provas, ele alegava fraude no pleito. No dia 6 de janeiro de 2021, quando o Congresso estava reunido em uma sessão conjunta para certificar a vitória de Biden, apoiadores de Trump invadiram o Capitólio para tentar impedir o processo. Depois do confronto, os extremistas foram retirados do prédio. A sessão, então, foi retomada e terminou na manhã de 7 de janeiro.

A invasão do Capitólio por seus apoiadores levou Trump a se tornar o primeiro presidente americano a sofrer impeachment duas vezes na Câmara dos Representantes. Em 13 de janeiro, o processo aberto contra o republicano por "incitação à insurreição" foi aprovado na Casa com 232 votos a favor, incluindo 10 republicanos, e 197 contra.

O segundo impeachment ainda não foi analisado pelo Senado, que rejeitou o primeiro, no começo de 2020.

Itens relacionados (por tag)

  • Reino Unido: vacinas reduzem risco de internação de idosos em mais de 70%

    Pesquisadores britânicos constataram que as vacinas contra covid-19 desenvolvidas pela Pfizer e pela AstraZeneca reduziram o riscos de internação hospitalar pela doença em mais de 70% entre pacientes idosos e frágeis, após uma única dose. Os dados preliminares ainda precisam ser avaliados por outros cientistas. No entanto, trata-se de mais uma evidência de que os imunizantes são altamente eficazes na redução de doenças associadas à covid-19.

    Cientistas da Universidade de Bristol e de dois hospitais da região observaram 434 pacientes com sinais de doença respiratória grave entre meados de dezembro de 2020 e fim de fevereiro. Todos os incluídos no estudo estavam prestes a completar 80 anos ou mais no fim de março. A pesquisa foi parcialmente financiada pela Pfizer.

    Ao comparar os diagnósticos dos que foram vacinados com os dos que não foram imunizados, os pesquisadores estimaram a eficácia das doses em prevenir sintomas de covid-19 suficientemente graves para exigir internação.

    Foi descoberto que uma única dose da Pfizer tem eficiência de 71,4% em evitar internações 14 dias após a aplicação. No caso do imunizante da AstraZeneca, a eficácia foi de 80,4%. A idade média dos que receberam a dose da Pfizer era de 87 anos e da AstraZeneca, de 88 anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

  • Conselho Europeu diz que novas cepas são 'desafio' e pede 'restrições rígidas'

    O Conselho Europeu destaca em comunicado, nesta quinta-feira, 25, que as novas cepas da covid-19 representam um "desafio", e pede que sejam mantidas "restrições rígidas" para conter o vírus, enquanto também se ampliam os esforços para acelerar a oferta de vacinas na União Europeia.

    "Por ora, viagens não essenciais devem ser evitadas", diz o órgão da UE, complementando que o fluxo de bens e serviços dentro do mercado comum "precisa ser garantido". O comunicado aponta que é "urgente" acelerar a autorização, produção e distribuição de vacinas, bem como a própria vacinação contra a covid-19. Também destaca a necessidade de reforçar o monitoramento e a capacidade de detecção, a fim de descobrir variantes do vírus o mais rápido possível e conter sua disseminação. O Conselho Europeu diz apoiar os esforços adicionais da Comissão Europeia para trabalhar com o setor e com os países membros a fim de aumentar a capacidade atual de produção de vacinas, bem como ajustá-las a novas cepas, quando necessário.

    A nota destaca ainda os esforços em andamento para acelerar a disponibilidade de matérias-primas, facilitar acordos entre fabricantes na cadeia de suprimento e reforçar a produção. Também pede que continue a haver uma abordagem comum nos chamados "certificados de vacina" e diz que voltará a analisar o assunto.

    O Conselho Europeu pede ainda que as companhias garantam a previsibilidade dos acordos para a produção e entrega de vacinas contra a covid-19, além de reafirmar seu apoio para que se melhore o acesso aos imunizantes para grupos prioritários pelo mundo, por meio do instrumento Covax com essa finalidade.

    O órgão da UE diz ainda que a crise da covid-19 "não terminou", mas argumenta que é preciso fortalecer o setor de saúde no bloco agora, com melhor coordenação e prevenção. "Cooperação multilateral global é essencial para lidar com ameaças de saúde atuais e futuras", afirma o Conselho Europeu.

  • Para OMS, é 'muito improvável' que surto da covid-19 se iniciou em laboratório

    Uma equipe de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta segunda-feira, 8, que as primeiras infecções pelo novo coronavírus em humanos, provavelmente, foram transmitidas por um animal. A missão ainda considerou que a possibilidade de o surto ter surgido de um acidente em um laboratório é "muito improvável". A tese era defendida pelo ex-presidente dos EUA Donald Trump e seus aliados, mas eles nunca apresentaram provas.

    A equipe, que investiga na China as origens da pandemia, não determinou qual espécie teria transmitido o vírus a humanos e disse que não há evidências da presença da covid-19 na cidade de Wuhan antes de dezembro de 2019. "Todo o trabalho que foi feito sobre o vírus para identificar sua origem continua apontando em direção à vida animal", disse Peter Ben Embarek, especialista em segurança alimentar que lidera a equipe da OMS em Wuhan.

    "A hipótese de um acidente em laboratório é extremamente improvável para explicar a introdução do vírus no homem", declarou Embarek. O Instituto de Virologia de Wuhan, onde a missão esteve, armazena muitas amostras de vírus diferentes, o que deu margem para alegações de que o local pode ter sido a fonte do surto, que teria começado propositalmente ou acidentalmente. Segundo o especialista, inspeções da missão apontaram que o vírus não existia em nenhum laboratório do país antes do primeiro caso da doença.

    Wuhan é considerado o marco zero da pandemia por ter registrado os primeiros casos de coronavírus. Desde então, a pandemia matou mais de 2,3 milhões de pessoas no mundo.

    Segundo Embarek, apesar de a transmissão por um animal intermediário ser a hipótese mais provável, a teoria precisa de "investigações mais específicas e precisas". Ele disse que as descobertas iniciais sugerem que o caminho mais provável seguido pelo vírus foi de um morcego para outro animal, que pode ter sido um pangolim ou um rato de bambu, e depois para humanos. A transmissão direta de morcegos para humanos ou por meio do comércio de produtos alimentícios congelados também são possibilidades investigadas.

    Pesquisa
    A equipe da OMS não encontrou evidências de que a doença estava se espalhando antes do surto inicial, na segunda metade de dezembro de 2019, em Wuhan. "Não fomos capazes de fazer a pesquisa completa, mas não há indicação de que havia casos antes do que vimos acontecer em Wuhan", disse Liang Wannian, chefe da equipe da OMS do lado chinês. Pouco mais de um ano depois dos primeiros casos, os moradores Wuhan têm uma vida normal, assim como o restante do país.

    A missão da OMS é considerada extremamente importante para a luta contra epidemias futuras, mas teve dificuldades por causa da relutância do governo chinês em permitir a entrada no país de especialistas internacionais de diferentes áreas, como epidemiologia e zoologia.

    A visita é politicamente delicada para a China, que está preocupada em ser responsabilizada por supostos erros em sua resposta inicial ao surto. Uma investigação da agência de notícias Associated Press descobriu que o governo chinês impôs limites às pesquisas sobre o surto e ordenou aos cientistas que não falassem com os repórteres.

    A missão levou meses para ser negociada. A China só concordou com a inspeção depois de muita pressão durante a reunião da assembleia da OMS, em maio do ano passado - Pequim, no entanto, continuou a resistir aos apelos por uma investigação estritamente independente.

    Ainda assim, um membro da equipe da OMS, o zoólogo britânico Peter Daszak, disse que a missão teve um nível de abertura maior do que havia previsto e recebeu acesso total a todos os locais e pessoas que solicitou.

    A cientista dinamarquesa Thea Koelsen Fischer disse, porém, que não conseguiu ver os dados brutos produzidos pelo governo chinês e teve de confiar em uma análise dos dados que foi apresentada a ela. No entanto, segundo Fischer, isso não é incomum em missões científicas. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.